skip to Main Content
11 de maio de 2021 | 01:12 am

JOSIAS EM ALTA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Josias começa em alta no governo (foto Pimenta)

Josias começa em alta no governo (foto Pimenta)

Uma das figuras mais importantes no processo de aproximação entre governo do estado e PTN, o secretário estadual das Relações Institucionais (Serin), Josias Gomes, foi elogiado publicamente pelo governador Rui Costa.

– Quero parabenizá-lo por conduzir as negociações. Já começou fazendo gol, né?

GOVERNADOR DIZ CONFIAR NO PTN; DEPUTADO ALFINETA ACM NETO

Tempo de leitura: 2 minutos
tmp_5161-IMG-20150112-WA0039-595347823

Rui diz que dará tratamento igual a todos os partidos (Foto Pimenta).

Rui Costa recebe, na Governadoria, a cúpula do PTN para oficializar o ingresso do partido na base. O governador fez questão de optar por um discurso em que a palavra diálogo é a mais citada.

O PTN apoiou a candidatura adversária na corrida ao Palácio de Ondina, mas Rui afirmou que, se convidou o partido para a base, é porque acredita na legenda. “Se eu convidei, é porque confio no PTN, nas pessoas que estão no PTN”, frisou.

O governador foi bastante aplaudido ao dizer que não haverá diferença de tratamento em relação aos demais integrantes da base. Com o PTN, Rui terá 11 partidos dando sustentação ao seu governo na Assembleia Legislativa. O novo membro da base governista rompeu com o grupo do prefeito ACM Neto, de Salvador.

Rui provocou o riso na plateia ao dar uma pausa nos cumprimentos ao presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PDT). “[Presidente], A base fica maior para você…”. Diante da pausa do governador, Nilo completou rápido. “Legislar!”. O público não conteve o riso. Nem Rui, que completou, perguntando:

– Por que que todo mundo tá rindo?

ALIANÇAS EM 2016

Prevendo dificuldades na base com as eleições municipais de 2016, o governador disse que “nossa base tem direito a pleitear crescer e colocar candidaturas”. E completou: “Se junções ocorrerem, será pelo diálogo”.

Para o deputado estadual João Carlos Bacelar (PTN), eleito federal em outubro passado, o partido seguiu as opções feitas pela Bahia nos últimos anos. “Estivemos na oposição há 8 anos. Essa mudança [do partido] leva a algumas indagações. A Bahia escolheu Dilma [presidente] e Rui [governador]. É obrigação do PTN seguir os caminhos indicados pelo povo da Bahia”, disse, num discurso que em muito lembra a oratória do antigo grupo ao qual pertencia.

Bacelar recebeu muitos aplausos ao dizer, numa alfinetada no ex-aliado ACM Neto, que ao PTN “o maior patrimônio é a palavra empenhada”. E reforçou: “Para o PTN, a palavra basta”. O partido deixou a base do prefeito de Salvador após Neto prometer a presidência da Câmara e não cumprir o acordo. Atualizado às 15h48min.

PTN DEIXA NETO E ADERE AO GOVERNO RUI

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da Coluna Tempo Presente, d´A Tarde

O deputado federal João Carlos Bacelar comunicou ao prefeito ACM Neto, ontem, que fechou acordo para aderir ao projeto do governador Rui Costa.  O anúncio oficial acontece na segunda-feira, às 14 horas.

Com três deputados estaduais e cinco vereadores em Salvador, além de um deputado federal, o partido já nutria o sentimento de que estava sendo negligenciado pelo prefeito. O estopim para definir a mudança de lado foi a eleição para presidência da Câmara.

Ao partido havia sido prometido o apoio do prefeito ao candidato do PTN. A exigência era que esta candidatura fosse a de Tiago Corrêa. Mas Neto não conseguiu mudar o cenário a tempo sem se desgastar politicamente, e Paulo Câmara ganhou a eleição.

Rui Costa aproveitou o momento e fez uma proposta irrecusável ao PTN.

Leia mais

PTN NA BASE GOVERNISTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O PTN parece ter cansado de fazer oposição. Nos bastidores, já negocia o desembarque na base governista. As conversas estão avançadas. Tudo indica que fechará apoio ao futuro governo do petista Rui Costa. A reeleição de Dilma Rousseff, caso ocorra, será um empurrãozinho nas negociações, o que incluiria, também, o apoio do deputado federal eleito João Carlos Bacelar. Dos três nomes eleitos para a Assembleia Legislativa, apenas Carlos Geilson, de Feira de Santana, faria “biquinho” para o acordo.

DILMA RECEBE APOIO DE MEMBROS DO PSOL, PMDB, PTN E PV NA BAHIA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Lídice da Mata discursa em evento pluripartidário em Salvador.

Lídice da Mata discursa em evento pluripartidário em Salvador.

A campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff na Bahia ganhou hoje, oficialmente, o apoio de parte do PSOL e do PV e de mais um prefeito do PMDB. O apoio foi ratificado em evento em um hotel de Salvador, quando a senadora Lídice da Mata (PSB) oficializou apoio a Dilma Rousseff.
O prefeito de Cairu,  Fernando Brito (PMDB), contrariou orientação de Geddel Vieira Lima, que está com Aécio, e fechou apoio a Dilma, no que foi seguido pelo prefeito Rodrigo de Dedé (PTN), de Esplanada. Outros apoios anunciados são de membros do PSOL, partido de Luciana Genro. Do PV, apoia Dilma o deputado estadual Marquinhos (PV).
A senadora Lídice da Mata disse que estará integralmente na campanha de Dilma neste segundo turno. “Vou participar integralmente da campanha e ou convidar o PSB da Bahia para esse mesmo movimento”, disse. Lídice, no entanto, fez questão de frisar que o seu partido terá relação de independência em relação do governo de Rui Costa, seu adversário nas urnas no último dia 5.
Rui agradeceu a senadora e novos apoiadores por terem preferido Dilma. “Essa é a melhor decisão para a Bahia e para o Nordeste. Lídice, vamos juntos construir uma estado cada vez melhor”

JOÃO BACELAR: PRIMOS HOMÔNIMOS DISPUTAM USO DE NOME NAS ELEIÇÕES

Tempo de leitura: < 1 minuto
Primos homônimos disputam nome João Bacelar (Montagem Pimenta).

Primos homônimos disputam nome João Bacelar (Montagem Pimenta).

Evandro Éboli | O Globo
Primos de primeiro grau, os deputados federal João Carlos Bacelar (PR-BA) e estadual João Carlos Bacelar (PTN) estão em pé de guerra na Bahia. Nesta eleição, os dois decidiram disputar uma vaga à Câmara dos Deputados.
Os dois querem usar na campanha e nas urnas o nome completo, de João Carlos Bacelar, o que não é permitido. É um ou outro. Até então havia um acordo entre os primos. O Bacelar federal vinha utilizando apenas João Bacelar. E o Bacelar estadual, o nome completo.
— Esse pacto valia apenas com ele concorrendo a estadual e eu, a federal. Quem tem o direito de usar o nome completo sou eu, que sou federal. E João Carlos Bacelar era meu pai, que me pediu, no leito de morte, para honrar e usar seu nome como político — disse o Bacelar federal.
O Bacelar estadual replica:
— Quem tem a preferência sou eu, que já uso o nome completo há várias eleições, desde 92. Foi um pacto que fizemos e que ele quer rever agora — conta o Bacelar estadual, que já foi secretário de Educação e culpa os pais e os tios pela confusão: — A culpa é dos nossos pais, que me batizaram com o nome do meu tio. Ele é um primo querido, mas politicamente somos bem diferentes.
Leia mais aqui

VEREADORA PODE PERDER MANDATO

Tempo de leitura: < 1 minuto

As investidas da prefeitura de Ibicuí, Gilnay Santana (PTN) para ampliar sua base legislativa, poderão custar caro para uma cooptada. A vereadora Ermínia Pereira (Tata) corre o risco de perder o mandato por infidelidade partidária.

Caindo na tentação de Gilnay, Tata deixou o PT, partido pelo qual foi eleita, e pretende se filiar ao PTN, a legenda da gestora. Segundo informações, esta teria dito à vereadora que ela poderia mudar de partido “sem medo de ser feliz”, pois não haveria qualquer problema.

Porém, para infelicidade da ex-petista, o Ministério Público Eleitoral não entendeu assim e pediu a cassação da vereadora. O entendimento é de que ela não está amparada por nenhuma das exceções que permitem ao político mudar de partido no exercício do mandato.

Resta saber se a prefeita, que convenceu a vereadora a deixar o partido,  cuidará agora de sua defesa.

FUTURO COMUNISTA?

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado estadual Álvaro Gomes (PCdoB) organiza caravana para Cuba, integrando-se à força-tarefa para desconstruir as denúncias da blogueira Yoani Sánchez. Convidou seus colegas da Assembleia para participar da excursão, mas como cada um teria de coçar o próprio bolso, a adesão foi mínima, principalmente entre os integrantes da velha esquerda.

Na verdade, apenas seis gatos pingados participarão da viagem à ilha dos Castro. E o único vermelho é o próprio Álvaro.

Entre os participantes da comitiva, que embarca nesta quarta-feira, 17, e fica em Cuba até o dia 25, está o sul-baiano Gilberto Santana (PTN), aquele que, quando no comando do 15º Batalhão da Polícia Militar, em Itabuna, era chegado a engaiolar comunista.

Se depender de Álvaro Gomes, Santana volta da viagem como ferrenho defensor do regime de Havana. Em vez de coronel, passará a ser tratado como Camarada Gilberto.

ACM NETO E A ESPERANÇA DA OPOSIÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
ACM Neto descartou o Palácio de Ondina em 2014, mas as pesquisas...

ACM Neto descartou Ondina em 2014, mas as pesquisas…

Deputados de oposição ao Governo Wagner partiram em romaria ao prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), na última terça, 12. Ouviram o prefeito, mas a visita tinha, na verdade, o intuito de saber das intenções dele quanto à sucessão de Jaques Wagner.
Neto – estrategicamente, talvez – disse que seus planos para 2014 passam longe do Palácio de Ondina. O foco dele é outro palácio, o Thomé de Sousa, onde pretende ficar até 2016. E, quem sabe, disputar a reeleição.
A oposição considera o prefeito de Salvador o nome mais viável para fazer frente à candidatura governista e a pontinha de esperança dos oposicionistas vem das pesquisas. Em geral, elas mostram que há espaço para a oposição.
O deputado tucano Augusto Castro, por exemplo, cita levantamento em Itabuna que confere quase 40% das intenções de voto, na estimulada, para o neto de Antônio Carlos Magalhães, dado que não difere muito do quadro em todo o Estado. “Essa é a nossa esperança [trunfo]”, diz Castro.
Outros nomes no tabuleiro oposicionista são os de José Ronaldo (DEM), prefeito de Feira de Santana e agora no terceiro mandato, e João Gualberto (PSDB), ex-prefeito de Mata de São João. Outras alternativas: o tucano Antônio Imbassahy e o peemedebista Geddel Vieira Lima.

DE MÃOS DADAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense
O ex-prefeito Fernando Gomes, o comprador João Botti e o deputado federal Geraldo Simões. Sem dúvida, os principais protagonistas da transação comercial envolvendo a Rádio Difusora.
Nilton Cruz, presidente da ACI de Ilhéus, e Tiago Feitosa, filho do parlamentar, ficam como coadjuvantes. Raimundo Vieira foi o articulador, o articulador-mor da inusitada aproximação dos ex-prefeitos, que agora são aliados na sucessão de 2012.
PS – A coordenação política da nova Rádio Difusora vai ficar sob a batuta dos jornalistas Eduardo Anunciação e Daniel Thame, profissionais de inteira confiança do deputado Geraldo Simões.
COMENTE JÁ! »

BOATOS

Com a proximidade do dia da eleição, os boatos, que são inerentes ao processo eleitoral, vão crescer em projeção geométrica.
O último é que Tom Ribeiro, do programa Alerta Total, na telinha da TV Cabrália, teria sido convidado para ser o vice na chapa encabeçada pela petista Juçara Feitosa.
Tom é filiado ao PRB, o mesmo partido do prefeiturável Claudevane Leite, o vereador Vane do Renascer. Na política, existe o boato e o “boato”.  Com e sem aspas.
COMENTE JÁ! »

AZEVEDO, CASTRO E SANTANA

Na medida em que o deputado Geraldo Simões se aproxima de Fernando Gomes, o prefeito José Nilton Azevedo fica cada vez mais refém dos deputados estaduais Augusto Castro (PSDB) e do coronel Santana (PTN).
Uma coligação com o PMDB do médico Renato Costa passa a ser imprescindível para o projeto de reeleição do demista. O PSDB continua firme com a pré-candidatura de Ronald Kalid.
Santana e Castro vão pedir o céu ao chefe do Executivo. O céu tem que ser de brigadeiro. Nada de nuvens cinzentas.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O CANDIDATO É GERALDO

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

O PCdoB não terá mais candidato próprio na sucessão do prefeito Azevedo.

Salvo algum acidente de percurso, o candidato do PT à sucessão municipal de 2012 é o deputado federal Geraldo Simões, ex-prefeito de Itabuna por dois mandatos.
Depois de uma avaliação eminentemente política, ficou a conclusão de que a pré-candidatura de Juçara Feitosa criaria problemas com os partidos da base aliada do governo Wagner.
Com Geraldo Simões, o governador Jaques Wagner vai entrar na campanha de maneira incisiva, principalmente em relação ao apoio das legendas aliadas.
A opção Geraldo Simões, além de por fim na discussão sobre a imposição do nome da ex-primeira dama, freia a intenção do PCdoB de lançar candidatura própria.
Com Geraldo candidato, os “meninos” do PCdoB vão conseguir tudo que desejam: Ciretran, vaga no Parlamento estadual para Wenceslau Júnior e a permanência de Davidson Magalhães na Bahiagás.
Com Geraldo candidato, o vereador Claudevane Leite, o Vane do Renascer, deixa o pesadelo de ser o candidato do PT na sucessão do prefeito Azevedo e vai atrás da sua reeleição.
A candidatura de Geraldo Simões muda todo o cenário eleitoral. Recente pesquisa de intenção de voto aponta Geraldo na frente, em uma posição confortável em relação ao segundo colocado.
Os favoritos na eleição municipal de 2012, sem dúvida o prefeito Azevedo (DEM-reeleição) e o deputado Geraldo Simões (PT), sabem da importância de uma boa coligação no processo sucessório.
O petista corre atrás dos partidos que compõem a base de sustentação política do governo Wagner, principalmente o PCdoB, PSB, PDT e o PP. O demista busca o importante apoio do PSDB, PPS, PR, PV e do PTN.
Pela frente, o PMDB com seu invejável tempo no horário eleitoral. O partido vai ficar com quem? O PMDB de Itabuna é uma democrática mistura de fernandistas, geraldistas, azevistas, ubaldistas e renatistas.
E por falar no PMDB, a legenda ainda conta com a irreverência, conhecimento, sabedoria e a polemicidade dos inquietos Juvenal Maynart e Ruy Correa.
Marco Wense é articulista da Contudo.

TARGINO “RASGA SEDA” PARA LÍDER

Tempo de leitura: < 1 minuto

Para Targino Machado, a liderança com Zé Neto "tem futuro"

Em marcha de aproximação com a bancada governista, o bloco PSC/PTN na Assembleia Legislativa da Bahia ainda segue em ritmo de “não sei se vou ou se fico”. A dúvida não se deve ao PSC, que não vê a hora de se declarar governo sem medo de ser feliz, mas no PTN existem algumas dificuldades. Pesam as antigas relações dos três deputados desta legenda com o carlismo.

Impaciente, o lado “social-cristão” do bloco força a barra para ver se o enlace sai logo. Ontem, o deputado Targino Machado (PSC) fez rasgados elogios ao líder do governo, Zé Neto, afirmando que com ele a liderança “tem futuro”.

É namoro ou amizade?

SANTANA, O ASSÍDUO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado estadual Gilberto Santana (PTN) quer estabelecer a assiduidade como uma de suas marcas na Assembleia Legislativa. Aos assessores, o parlamentar – que é coronel da PM – já avisou que está disposto a comparecer a todas as sessões, sejam no plenário ou nas comissões técnicas do legislativo. “Ele assegura que só vai faltar em um caso extremo”, enfatiza um colaborador de Santana.

O militar-deputado já tem surpreendido os funcionários da AL devido ao horário em que costuma chegar à casa. Quase sempre por volta das 7 horas da manhã.

O PDT E O CORONEL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marco Wense
O Partido Democrático Trabalhista, o PDT do saudoso Leonel de Moura Brizola, aqui na Bahia presidido pelo bom gaúcho Alexandre Brust, pode ficar sob o comando do Coronel Santana, eleito deputado estadual pelo PTN.
Santana, que é pré-candidato a prefeito na sucessão de 2010, vai indicar o ex-vereador Carlito do Sarinha para presidir a comissão provisória de Itabuna. A investida do coronel no pedetismo conta com o apoio do deputado federal Félix Mendonça Júnior (PDT).
A dúvida é se o Coronel Santana vai se filiar à legenda brizolista. Se sair candidato pelo PTN, caberá ao PDT a indicação do vice.  A ala histórica do partido, hoje totalmente desligada do ex-alcaide Geraldo Simões, defende o lançamento de candidatura própria.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

O CORONEL DEU A SENHA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Nas contas otimistas, o governador Jaques Wagner poderá contar com o apoio de 50 a 55 dos deputados estaduais eleitos. Tradicionalmente ligado ao carlismo, Coronel Santana (PTN), da coligação geddelista, já deu a senha:
– Fui eleito pelo povo. Buscarei essa boa relação [com o governo].
Disse, no entanto, que adotará posição de “independência” na Assembleia Legislativa. Nos bastidores o que se comenta é que ele já está de olho nos cargos do ainda deputado estadual Capitão Fábio (PRP), que saiu derrotado das urnas.

Back To Top