skip to Main Content
24 de fevereiro de 2020 | 08:11 pm

APOIO A RENATO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Comitê de Renato e Jorge Khoury em Itapé

O médico Renato Costa, candidato a deputado estadual pelo PMDB, estava em festa na noite de quinta-feira, 2. Dois comerciantes influentes de Itapé – Geraldo da Granja e Naéliton – oficializaram apoio ao peemedebista e ainda montaram um comitê independente, fincando uma bandeirinha de Renato na cidade.
O comitê, que é também do deputado federal Jorge Khoury (DEM), foi inaugurado com carreata e comício, registrando a participação de aproximadamente 500 pessoas.
A festa dos renatistas em Itapé soou como um desagravo. Recentemente, o médico deixou de atender em uma unidade de saúde do município. Segundo ele, por perseguição do prefeito Jackson Rezende.

GEDDEL DE OLHO NA DUPLA MELO

Tempo de leitura: < 1 minuto

É atribuída à dupla Almir Melo e Almir Melo Jr. a lambança que jogou chopp na festa que se pretendia para o peemedebista Geddel Vieira Lima, no sábado (28), quando o candidato ao governo fez carreata em Ilhéus.
No afã de promover a candidatura do filho, o ex-prefeito canavieirense Almir Melo tratou de arranjar as melhores posições para os carros e um minitrio plotados com o nome de Júnior, além de desviar a carreata do percurso definido pela organização. Resultado: bagunçou o evento e fez muita gente desistir no meio do caminho.
Conta-se que Geddel chegou com pouco mais de 100 carros ao Teotônio Vilela. Irritado com a dupla Melo e um homem de prenome Alexandre, assim mesmo discursou para o público.
A lambança da família Melo, aliás, deixou os demais organizadores, Renato Costa, Benito Gama, Veloso e Márcio Veloso, pês da vida. Não faltaram xingamentos e discussões de “alto nível” por conta das trapalhadas.

SUCESSÃO MUNICIPAL

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense
É evidente que os candidatos eleitos em 2010, para deputado federal ou estadual, têm cadeira cativa na mesa das negociações envolvendo o processo sucessório de 2012.
Alguns, respaldados por uma boa votação, serão até prefeituráveis, como, por exemplo, o deputado Geraldo Simões (PT), já que existe um quase consenso no petismo de Itabuna de que Juçara Feitosa não será mais candidata a prefeita.
Pesquisas de intenções de voto apontam Geraldo Simões, ACM Neto e Félix Mendonça Júnior como os mais votados em Itabuna para a Câmara Federal.  Renato Costa e o Coronel Santana para a Assembleia Legislativa.
O médico Renato Costa, do PMDB, e o Coronel Santana, do PTN, não escondem o desejo de uma pré-candidatura a prefeito. A dúvida é Félix Mendonça Júnior, principalmente em relação ao seu comportamento diante da sucessão municipal.
Salta aos olhos que Félix, mais conhecido como Felinho, filiado ao PDT do saudoso Leonel Brizola, não tem condições políticas para enfrentar “Minha Pedinha”, “Cuma” e o Capitão Azevedo (reeleição).
SOBREVIVÊNCIA

O comando nacional do PSDB, de olho na sobrevivência política, não acreditando que José Serra leve a disputa presidencial para um segundo turno, vai cuidar do próprio ninho.
A cúpula da legenda já decidiu que as belas, exóticas e coloridas plumagens tucanianas serão direcionadas para os estados de São Paulo, Minas, Goiás e Paraná, onde os candidatos do partido ao governo têm chances de vitória.
Elegendo três governadores – como pretende o tucanato –, o PSDB pós-eleição continuaria respirando como agremiação partidária de oposição ao governo da petista Dilma Rousseff.
Algumas lideranças do DEM da Bahia até que gostaram da decisão do PSDB de priorizar os candidatos da legenda. São da opinião de que, agora, o candidato Paulo Souto pode cuidar da sua campanha sem ter que associá-la a de José Serra.
O encosto do tucano, principalmente na região nordeste, é ruim para qualquer candidato. O último placar sobre a disputa presidencial no estado da Bahia, do instituto Datafolha, é de 60×22. A petista Dilma Rousseff tem 38 pontos percentuais na frente de Serra.
CADA UM POR SI

O título acima é o mesmo da coluna do jornalista Jânio de Freitas, jornal Folha de São Paulo, edição de 26 de agosto, quinta-feira última. Uma gostosa coincidência.
O pessoal do PSDB – e também do DEM, principal aliado do tucanato na corrida presidencial – se afasta cada vez mais do candidato José Serra, principalmente no nordeste, região que o tucano tem uma grande rejeição.
Não é à toa que os democratas da Bahia se mostram preocupados com a presença de Serra na propaganda eleitoral de Paulo Souto, candidato da legenda ao Palácio de Ondina. Tem democrata falando até em queda nas intenções de voto.
Jânio de Freitas tem toda razão: “Pelo país afora, o que se depreende é que o PSDB está abandonando Serra”.
NANINHA
Quando alguém passa a elogiar o que antes criticava (ou criticar o que elogiava), a sabedoria popular, para enquadrar o sujeito, costuma usar a expressão “quem foi naninha, hein!”. O constrangimento é inevitável.
O deputado José Carlos Aleluia (DEM), candidato ao Senado pela coligação “A Bahia Merece Mais”, conhecido pelos discursos apimentados contra o governo federal, o PT e o presidente Lula, é o “naninha” da vez.
O parlamentar, ao ser questionado sobre a utilização da imagem do presidente Lula no programa eleitoral do PSDB, disse que “Lula e Serra são dois estadistas experientes e, portanto, é natural que este tipo de relação seja feita”.
Agora, o bom deputado Aleluia, naturalmente dando suas mãos à palmatória, acha Lula um “estadista”.  Será que o democrata acha Lula “o cara”? Se a resposta for positiva, Aleluia pode dizer que “o cara é estadista”.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

RENATO COSTA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O candidato a deputado estadual pelo PMDB, Renato Costa, pretende dedicar seu último mês de campanha a um contato mais frequente com lideranças políticas em toda a Bahia. Diversos pontos estratégicos foram mapeados esta semana, em Salvador, num encontro do candidato com o grupo da Esquerda Democrática.
Nos últimos dias, Renato Costa passou pelos municípios de Mundo Novo,  que fica no sertão da Bahia, a 292 quilômetros da capital, e Santa Luzia, no sul do Estado. Segundo ele, a agenda será bastante intensa no mês de setembro.

LULA, OBAMA E SERRA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Marco Wense
É evidente que José Serra, candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, nunca vai dizer que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seu principal adversário no processo sucessório de 2010, é “o cara”.
Mas na entrevista no Jornal Nacional, na telinha da TV Globo, o tucano só faltou dizer que concorda com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que andou dizendo que Lula é “o cara”.
Aliás, o candidato do tucanato evita fazer qualquer crítica ao presidente Lula, que vive o seu melhor momento político, com uma popularidade lá no céu e uma fantástica aprovação ao seu governo.
RENATO COSTA
Muitos fernandistas, incluindo aí alguns ex-secretários municipais do então governo Fernando Gomes, estão otimistas em relação a uma boa votação do médico Renato Costa no sul da Bahia, especificamente em Itabuna.
Renato, que tem o apoio de Fernando Gomes, que é o coordenador-mor da candidatura de Geddel na região cacaueira, busca uma vaga na concorrida eleição para o Parlamento estadual.
Alguns históricos fernandistas, como, por exemplo, os empresários Carlinhos da Bavil e Mané Cem, podem seguir um caminho diferente do chefe político. Ou seja, apoiar o também candidato Coronel Santana (PTN).
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

TEM COMITÊ PRA TODO MUNDO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O empresário Félix Mendonça Jr., candidato a deputado federal pelo PDT, fez dobradinha com dois candidatos a deputado estadual em Itabuna: um é o peemedebista Renato Costa e o outro é o Coronel Gilberto Santana (PTN).
E para não ter briga, Mendonça mandou providenciar dois comitês, cada um para dividir com um aliado diferente.
Nesta terça-feira, às 19 horas, o empresário inaugura o comitê que irá compartilhar com Renato Costa, na Avenida Fernando Cordier, 416, centro da cidade. Na sexta, dia 13, será a vez de abrir o comitê montado para abrigar a dobradinha com Santana.
Esta segunda sede ficará bem próxima da outra, só que na Avenida Firmino Alves, que em verdade é um prolongamento da Fernando Cordier.

PELA METADE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Para esclarecer o post abaixo:
Gima e Joaquim Torquato estão unidos apenas no apoio a Geddel. Quanto à eleição para a Assembleia Legislativa, somente Torquato está com Renato Costa, de quem é amigo há muitos anos. Gima, por sua vez, apoia o tucano Augusto Castro.
Sendo assim, o milagre de Renato foi apenas parcial.

UNINDO OS CONTRÁRIOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Gima (ao microfone) e Torquato, entre Renato e Geddel - não teve abraço, mas a presença no mesmo palanque já foi considerada um milagre em Coaraci (foto Ary Rodrigues)

O médico Renato Costa, candidato do PMDB a deputado estadual, faz uma campanha de pacificador. A primeira “missão de paz” foi a que reuniu o próprio peemedebista ao ex-desafeto Fernando Gomes e, no último fim de semana, Renato conseguiu promover a concórdia entre dois velhos rivais na política de Coaraci, pequena cidade do sul da Bahia.
Os ex-prefeitos Gima e Joaquim Torquato, que há muitos anos combatem em trincheiras opostas, subiram no mesmo palanque após uma carreta liderada por Renato e o postulante do PMDB ao Governo da Bahia, Geddel Vieira Lima.
Agora, para o médico consolidar a fama de milagreiro, só falta mesmo ganhar a eleição.

RENATO COM A AGENDA CHEIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O médico e ex-deputado estadual Renato Costa anda ligeiro para retomar assento na Assembleia Legislativa. A caça aos votos acontece em toda a Bahia.
No sábado, o candidato do PMDB foi visto circulando por alguns bairros de Salvador. Esteve em Periperi, Itapoan e foi até a tradicional Feira de São Joaquim.  Também visitou o Recôncavo, participando do ato de criação do Núcleo da Esquerda Democrática de Madre de Deus.
Renato ainda aproveitou o fim de semana para uma passagem pelo município de Maracás, no sudoeste baiano, e ontem estava em Itabuna, envolvendo-se nas discussões para a formação do Núcleo da Juventude do PMDB na cidade.
Hoje, o médico se reúne, também em Itabuna, com o presidente estadual do partido, Lúcio Vieira Lima, candidato a deputado federal. O encontro será a partir das 18h30min, no Hotel Royal.
(Atualizado às 14h12min)

AZEVEDO E OS CANDIDATOS

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

Azevedo: homem de muitos homens.

Uma coisa é certa: o prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo (DEM), vai ter seus candidatos a presidente da República, governador, Senador (dois nomes), deputado federal e estadual. O democrata não vai votar em branco e nem anular o voto.
Outra coisa, também certa, é que ninguém sabe o que passa pela cabeça do chefe do Executivo.  A regra, portanto, é o mistério. A exceção, pelo andar da carruagem, é que Azevedo não vai votar em Paulo Souto para o cobiçado Palácio de Ondina.
E aí vem logo a perguntinha sobre a fidelidade partidária, se alguma represália pode acontecer em decorrência do apoio do alcaide a um candidato – Jaques Wagner (PT) ou Geddel (PMDB) – de outro partido.
Não vai acontecer nada. Nada mesmo. Salvo se Souto ganhar a eleição e, como consequência, não mandar um só centavo para os dois últimos anos do governo do Capitão, assim como fez o então governador César Borges com o então prefeito Geraldo Simões.
Em relação ao Parlamento federal, o nome mais cotado para receber o disputado apoio do prefeito, é o de Luiz Argôlo, do PP do ex-prefeito de Ilhéus, Jabes Ribeiro, que sonha com o cargo de secretário de Estado em um eventual segundo mandato de Wagner.
O apoio do prefeito Azevedo a Luiz Argôlo, que não tem nenhum vínculo com o sul da Bahia, em que pese seu esforço para trazer verbas federais para o município, abre a porta para que o democrata escolha um deputado estadual da Região, mais especificamente de Itabuna.
Não fica bem apoiar dois candidatos – federal e estadual – de fora, como se Itabuna não tivesse nomes dignos e competentes para assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa do Estado.
O médico Renato Borges da Costa, do PMDB do ex-ministro Geddel Vieira Lima e presidente do diretório municipal, é o que tem mais chance de receber o importante apoio do prefeito do centenário.
Alguns renatistas, considerados como bem próximos do candidato, defendem até uma contrapartida ao apoio do chefe do Executivo. Ou seja, Renato Costa apoiaria a reeleição do prefeito-capitão na sucessão de 2012.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

Back To Top