skip to Main Content
7 de agosto de 2020 | 06:01 pm

ITABUNA, 110 ANOS: POR UM NOVO PACTO SOCIAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Dentre os nossos atrasos históricos, torna-se cada vez mais necessário superar os passivos social, urbanístico e ambiental. Isso exige novos olhares, união de esforços e objetivos, modernização da máquina pública, definição de prioridades e atração de novos investimentos.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

Nossa cidade completa hoje 110 anos de emancipação política, trazendo consigo a marca do empreendedorismo e da ousadia em desbravar horizontes. Sua gênese se deu pelo trabalho de sergipanos que por aqui chegaram em 1867. Dois deles: Felix Severino do Amor Divino e José Firmino Alves. Antes, em 1857, surgia o arraial de nome Tabocas, ponto de apoio aos tropeiros que se dirigiam a Vitória da Conquista.

Nesses 110 anos de emancipação política, passamos por uma verdadeira transformação no aspecto urbano, tendo sua maior expansão no período da crise da vassoura-de-bruxa, agravada na década de 1990, quando chegaram milhares de trabalhadores expulsos do campo, em busca, no solo local, de uma alternativa para sobrevivência, impactando os serviços públicos e exigindo de toda a sociedade adaptação a essa nova realidade que se estabelecia.

Se, por um lado, essa expansão representou pressão sobre a zona urbana e os serviços públicos, fazendo aparecer a escassez de recursos para salvaguardar direitos constitucionais, por outro deu à cidade um aumento populacional e a motivação para que os seus atores principais, públicos e privados, passassem a compreender a necessidade de superação da crise imposta pelo modelo agropastoril exportador para um novo, no qual comércio e serviços ganharam nova dinâmica e foi dado início a uma embrionária industrialização.

Do lado público, nossa cidade tem tido, ao longo desse mais de um século, poucas inovações. Sua principal característica, politicamente falando, foi ser gerida de forma populista, perdendo, por diversas vezes, o protagonismo regional devido a essa postura administrativa. Isso impactou negativamente, inclusive, na busca por novas receitas e no equilíbrio fiscal do município.

Dentre os nossos atrasos históricos, torna-se cada vez mais necessário superar os passivos social, urbanístico e ambiental. Isso exige novos olhares, união de esforços e objetivos, modernização da máquina pública, definição de prioridades e atração de novos investimentos. Essas conquistas só serão factíveis se adotarmos mecanismos de gestão levando em consideração a incorporação de novas tecnologias e elaboração de projetos para financiamento dessas ações.

Precisamos agir para incrementar políticas reais e alterar o nosso perfil de desenvolvimento local. Tal sinergia exigirá, em doses cada vez maiores, um entrelace do setor público com os setores privados e toda a sociedade para, por meio dessa perspectiva, dotar a nossa cidade de condições melhores para a nossa convivência. Precisamos de um novo pacto social local.

Rosivaldo Pinheiro é economista, comunicador e especialista em Planejamento de Cidades.

LUIZA HELENA TRAJANO: UM EXEMPLO PARA PEQUENOS E GRANDES EMPREENDEDORES

Tempo de leitura: 2 minutos

A live foi uma palestra, com doses de entusiasmo, chamada de responsabilidade, inovação, tradição, simpatia e respeito. A fala de Luiza nos faz sair do lugar comum e avançar. Luiza é sinônimo de trabalho, adjetivo e também filosofia de vida, como disse a ela na oportunidade.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

Como já disse anteriormente, estamos observando no Brasil as vísceras e veias expostas desta nação, uma verdadeira explosão de falta de estrutura e ação vieram à tona, impulsionadas pelo novo coronavírus. O vírus fez aumentar a lente de observação dos nossos problemas seculares que havíamos conseguido reduzir a partir da eleição de Fernando Henrique Cardoso, ganhando maior celeridade com o conjunto de políticas públicas implementado nos governos Lula e Dilma. Após o impeachment, tivemos um achatamento de curva, a da atenção social. E, agora, com a expansão da curva pandêmica, essas vulnerabilidades se mostraram ainda mais explícitas.

Tive a honra de entrevistar, na última terça-feira (13), a empresária Luiza Helena Trajano, responsável pelo comando da Magazine Luiza. Uma história de sucesso. É a maior empresa do segmento varejista nacional, que se iniciou com uma lojinha em Franca, interior de São Paulo, aberta por Luiza Helena Donato, tia da atual comandante.

Luiza nos contou que a empresa nasceu do espírito empreendedor da tia e que, inicialmente, ela só queria gerar emprego para a família. Hoje, a Magalu emprega mais de 40 mil funcionários, diretamente, e outros milhares de forma indireta, sendo a empresa de maior valor do setor no Brasil. O valor de mercado da Magalu é de R$ 110,7 bilhões (Ibovespa, maio de 2020).

O que mais me impressionou nesse papo empreendedor foi observar aquela mulher humana, sensível, compromissada com o país, com o trabalho e sabedora das suas qualidades e limitações. Mas, acima e apesar de tudo, com a alma e o coração imersos na humildade. Foi uma verdadeira aula de sabedoria e valor de cidadania. Apesar de ocupar um espaço de poder, algo que pode envaidecer muitos que não são pé no chão, não deixou aflorar o ego.

Concluo dizendo que a live – confira no vídeo abaixo –  foi uma palestra, com doses de entusiasmo, chamada de responsabilidade, inovação, tradição, simpatia e respeito. A fala de Luiza nos faz sair do lugar comum e avançar. Luiza é sinônimo de trabalho, adjetivo e também filosofia de vida, como disse a ela na oportunidade. E serve de inspiração para mulheres e homens que querem revolucionar os seus olhares e ações na construção de uma sociedade menos desigual, onde os nossos papéis sociais possam ser exercidos buscando construir pontes em prol de uma sociedade mais harmônica e feliz.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

LUIZA TRAJANO FALA DE EMPREENDEDORISMO EM LIVE COM ROSIVALDO PINHEIRO

“Papo Empreendedor” desta terça será com Luiza Trajano, do Magazine Luiza
Tempo de leitura: < 1 minuto

Economista e apresentador do Ponto de Vista, da Rádio Nacional de Itabuna, Rosivaldo Pinheiro fará uma live com um dos maiores nomes do varejo brasileiro nesta terça-feira (14), às 11 horas.

A empresária Luiza Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza, marca que possui mais de 1.000 lojas em todo o país – três delas em Itabuna, falará sobre empreendedorismo durante live com Rosivaldo.

O #PapoEmpreendedor poderá ser acompanhado pelo Instagram (clique aqui), a partir das 11h desta terça.

AS VEIAS ABERTAS DO BRASIL

Tempo de leitura: 2 minutos

Aproveitando o contato com o secretário, questionei sobre a conclusão do Complexo Integrado de Educação de Itabuna (CIE), localizado no bairro São Caetano, e ele sinalizou que pretende concluí-lo ainda esse ano, justificando que a pandemia atrasou a finalização da obra.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

A pandemia tem mostrado as veias abertas do Brasil, fazendo emergirem as nossas deficiências e os vários brasis existentes. A carência de leitos clínicos e de UTI e a falta de diálogo entre os entes públicos são partes desse retrato e geraram consequências, sentidas em todas as esferas socioeconômicas do país.

Entrevistei no último sábado, no Ponto de Vista, pela Rádio Nacional, o secretário de Educação da Bahia, professor Jerônimo Rodrigues. Na ocasião, questionado sobre a possibilidade de liberação de tablets para os estudantes, ele, apesar de achar a iniciativa positiva, destacou que não adotaria essa política porque, antes, os alunos precisariam ter internet, ambiente de estudo e possibilidade de interação em tempo real com os professores, porque não há como fazer educação sem a presença do professor. Estes também têm carências que precisam ser superadas para atender essa demanda que surge a partir da pandemia.

É importante destacar que existe uma distância abissal entre os estudantes brasileiros: aqueles que detêm condição de renda e frequentam escola privada e a imensa maioria que está em desvantagem econômica e que frequenta a escola pública. Essa realidade está exposta na pesquisa TIC Educação 2019, divulgada em junho deste ano. Ela aponta que 39% dos estudantes de escolas públicas não têm computador ou tablet em casa. Já nas escolas particulares, o índice é de 9%.

A pesquisa também mostra que, na escola pública, 21% dos alunos acessam a internet pelo celular. Na rede privada, esse índice cai para 3%. A pesquisa também mostrou que 53% dos professores não têm capacitação para o uso do computador e da internet nas aulas, e outros 26% têm pouca capacitação, totalizando 79%, isso acaba por dificultar o ensino à distância.

Itabuna também tem suas limitações. Aproveitando o contato com o secretário, questionei sobre a conclusão do Complexo Integrado de Educação de Itabuna (CIE), localizado no bairro São Caetano, e ele sinalizou que pretende concluí-lo ainda esse ano, justificando que a pandemia atrasou a finalização da obra.

Apontei também a necessidade da construção de um colégio de nível médio em Ferradas, para atender aos moradores do bairro e do seu entorno, além dos condomínios São José, Gabriela e Jubiabá, todos do projeto Minha Casa, Minha Vida. Uma escola naquela região evitaria que os estudantes moradores se amontoassem em ônibus e se deslocassem para longe das suas residências. Nesse ponto, o secretário se comprometeu em analisar a proposta e me dar o retorno.

Ainda na oportunidade, oficializei a ideia de instalação do Núcleo de Educação Territorial Litoral Sul (NTE-05) no prédio onde anteriormente funcionavam os juizados especiais, ao lado do Fórum Rui Barbosa, onde funcionará a Reitoria da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

A participação do secretário foi de fato entusiasmante. Mostrou-se sensível e disposto a somar forças com a comunidade escolar, famílias e outros setores importantes da sociedade, para juntos fazerem a Bahia superar sua colocação no último ranking (2018) do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), no qual, por diversos fatores históricos, surge com um dos piores indicadores de educação do Brasil.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

QUE TUDO PASSE LOGO!

Tempo de leitura: 2 minutos

Apelando para os céus, prefiro crer que Deus é brasileiro e que tem evitado que o pior aconteça, mas as perigosas incertezas nos empurram cada vez para mais próximo de um horizonte nebuloso.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

O país assiste – entre perplexidade, incredulidade, versões e fatos reais – a uma série de acontecimentos que nos projeta negativamente no mundo. As circunstâncias observadas são tão surreais que não estamos conseguindo processá-las racionalmente. Percebemos o nascimento de um movimento antidemocrático escancarado, que fere o direito constitucional da livre expressão, da livre manifestação, do estado laico. Atacam a honra e ferem de forma mortal as bases que edificam a democracia, entre elas: o respeito às instituições, independência e harmonia entre os poderes e imprensa livre. Elementos vitais para a construção de uma sociedade crítica, plural, onde os limites legais e o senso crítico devam estar presentes.

Não são animadoras as percepções que estamos tendo ao observar o protagonismo do presidente da República como fio condutor desse estado de barbárie intelectual e extrapolação de limites. A implantação de um exacerbado ideologismo ao aparelho de estado, apropriação dos símbolos nacionais e outras sandices nos remetem às semelhanças acontecidas em outras nações, que culminaram com passagens tristes da história universal: fascismo italiano e nazifascismo alemão, por exemplo.

Na semana passada, estivemos diante de mais um desses fatos: a fala do presidente da República pedindo que populares “fiscalizassem” por conta própria os hospitais para confirmação da existência de um indicativo de caos no sistema de leitos ou malversação. São tantas aberrações que a sociedade vai aprendendo a conviver com essas narrativas sem reagir. Essa passividade, no entanto, acaba por ceder frestas perigosas e, à medida que são ocupadas, permitem solidificação de bases que podem edificar atitudes excludentes e sem licitude.

Se por essas terras houvesse serenidade e harmonia pátria, certamente já estaríamos vivendo uma outra realidade. Talvez não estivéssemos assistindo aos registros que nos incomodam. O espírito mesquinho e beligerante de quem ocupa o maior posto de poder brasileiro nos aparta de registros construtivos e irriga o divisionismo e o obscurantismo.

Por sorte, ainda tivemos alguns atores no poder e parte da sociedade que buscaram saídas, ainda que tenham cometido equívocos. Apelando para os céus, prefiro crer que Deus é brasileiro e que tem evitado que o pior aconteça, mas as perigosas incertezas nos empurram cada vez para mais próximo de um horizonte nebuloso. Pensando positivo, precisamos voltar a ser uma nação, com sua miscigenação representativa, e que tudo isso passe!

Rosivaldo Pinheiro é especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e economista.

“PONTO DE VISTA” DESTE SÁBADO TERÁ JULIETA PALMEIRA E SON

Julieta Palmeira e Son Gomes serão os entrevistados do “Ponto de Vista”
Tempo de leitura: < 1 minuto

A médica e secretária estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia, Julieta Palmeira, será uma das entrevistadas do Ponto de Vista deste sábado (6), na Rádio Nacional de Itabuna. Com apresentação de Rosivaldo Pinheiro, o programa vai ao ar das 10h às 12h.

O Ponto de Vista também abordará a sucessão municipal. Rosivaldo entrevistará Son Gomes, ex-secretário de Administração de Itabuna. Son deixou o cargo na última quarta (3) para disputar a sucessão municipal pelo PRB.

O programa pode ser assistido via Facebook.

OPINIÃO || FARÓIS EXISTEM PARA ORIENTAR

Tempo de leitura: 2 minutos

Os países que enfrentaram os picos da covid-19 são nossos faróis, servindo-nos de experiências. Ao tomar como exemplo o comportamento das populações e dos governos no exterior, seus erros e acertos, poderemos, aqui, vencer esse ciclo pandêmico com menor perda de vidas e, consequentemente, com redução dos impactos econômicos.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

É fato que há vários Brasis dentro da mesma nação nesta pandemia: existe o país da ciência e o da não-ciência; o Brasil que recebe o auxílio emergencial e o que ainda luta para recebê-lo; o que por essencialidade vai ao trabalho e o que por conta em risco circula; o que reclama do estresse causado pela pandemia e o que falta o pão de cada dia; o que se diz de direita e o da esquerda.

Fato é que estamos passando por um grave problema na saúde pública, com inevitáveis reflexos negativos na economia. Todos os países estão sendo afetados e terão desdobramentos nos PIBs (Produto Interno Bruto), que mede a atividade econômica dos países. Apesar de significar algo grave, não representa o fim do mundo, uma vez que existem mecanismos endógenos no sistema econômico que cumprirão seus papéis, fazendo a economia se recuperar aos níveis de produção e consumo e equilibrando o fluxo da geração de renda, fato já experimentando pelo sistema econômico ao longo do tempo, na ocorrência de outras crises. Porém, a preocupação maior será o tempo demandado para tal recuperação.

A polarização entre os dois Brasis que se manifestam no dia-a-dia das redes sociais – direita e esquerda, coloca em posições antagônicas os favoráveis ao isolamento social como medida mitigadora da covid-19 e os que defendem a volta a uma suposta normalidade usando como argumento a necessidade de manutenção de empregos nos múltiplos setores atingidos.

A linha que defende o retorno a essa ilusória normalidade é justificada pelo argumento da existência de cidades que mantiveram uma continuidade da atividade econômica em meio à pandemia, com a cautela de cumprir as medidas de prevenção recomendadas pelos órgãos de saúde. É importante frisar que as decisões de cada estado e ou município deverão levar em consideração as condições estruturais da saúde para garantir a atenção às suas populações, juntamente com o desempenho da taxa de contaminação do novo coronavírus (curva de transmissão).

Mantido esse entendimento, e sendo computados baixo número de casos e satisfatória disponibilidade de leitos para atendimento, é de bom senso o cumprimento dos protocolos de controle, assim como o funcionamento da atividade comercial. O que de fato precisa ser observado é a realidade de cada estado e município.

Os países que enfrentaram os picos da covid-19 são nossos faróis, servindo-nos de experiências. Ao tomar como exemplo o comportamento das populações e dos governos no exterior, seus erros e acertos, poderemos, aqui, vencer esse ciclo pandêmico com menor perda de vidas e, consequentemente, com redução dos impactos econômicos. O Brasil precisa de liderança na direção da unidade. Afinal, faróis existem para orientar e somos uma nação, não um arquipélago de ilhas ideológicas.

Rosivaldo Pinheiro é especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e economista.

A TRAGÉDIA DA ANTICIÊNCIA

Tempo de leitura: 3 minutos

Nas outras partes do mundo, os líderes se renderam à realidade imposta pelo vírus e assumiram os seus papéis e responsabilidades, ajudando na redução da curva da covid-19, enquanto aqui o presidente brasileiro passou a ser o principal obstáculo para a recuperação do nosso país ante a pandemia.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

O Brasil vive uma tragédia humanitária. O número de mortos pela covid-19 aumenta exponencialmente no país. O isolamento social tem sido o caminho apontado pelos especialistas da saúde e pesquisadores como o único capaz de ajudar no enfrentamento à doença até que seja encontrada a vacina. Não nos torna imunes, mas causa uma desaceleração da contaminação e, consequentemente, possibilita um ordenamento dos serviços de saúde para que, à medida que adoecermos, exista disponibilidade de vagas nas unidades hospitalares.

O vírus acaba provocando a desaceleração da economia e criando uma falsa ideia de que o isolamento seja o responsável pela crise. A confusão acontece no Brasil e em outros países. É preciso compreender que esse problema aconteceria tanto aplicando ou não o isolamento. Retornar à normalidade na fase atual traria um descontrole no número de casos, caos na saúde e ainda mais mortes – e, consequentemente, mais prejuízo econômico.

No mundo ainda percebemos grupos de negacionistas. Eles desprezam a ciência e argumentam que é “necessário tirar a economia do coma”. Por essa analogia, é preciso compreender que a fase atual exige colocar o paciente (economia) em “coma induzido” e ligar os aparelhos (ações dos governos) como parte do tratamento para recuperá-lo. O governo federal, alinhado com estados e municípios, precisa formular políticas públicas para o enfrentamento da pandemia, cuidando das pessoas, para poder, somente assim, salvar a economia.

Sabemos que até o início de março o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, faziam parte dessa corrente negacionista. Mas, após verem o efeito destruidor do novo coronavírus na Itália e na Espanha, mudaram de posição, principalmente após o primeiro-ministro inglês ser atingido pelo vírus.

Por essa demora na aceitação científica, os líderes computam hoje milhares de mortos em seus países – EUA com mais de 83 mil óbitos e Reino Unido com mais de 33 mil. Após a catástrofe chegar às suas nações, ambos os governos foram obrigados a se juntarem ao bloco de países que foram buscar na teoria keynesiana o centro principal da adoção de medidas. O estado voltou a ser o responsável pela indução da economia e, portanto por manter o nível mínimo da atividade econômica, renda para os seus cidadãos e as demais providências socioeconômicas.

Infelizmente, aqui no Brasil o presidente Jair Bolsonaro participava do mesmo movimento negacionista e, mesmo sabendo dos números da doença nos países liderados pelos seus ex-aliados da corrente, permanece até hoje se opondo à ciência e ajudando a impor dificuldade na adoção das medidas necessárias para enfrentarmos esse trágico momento na vida da sociedade brasileira.

Nas outras partes do mundo, os líderes se renderam à realidade imposta pelo vírus e assumiram os seus papéis e responsabilidades, ajudando na redução da curva da covid-19, enquanto aqui o presidente brasileiro passou a ser o principal obstáculo para a recuperação do nosso país ante a pandemia. Temos hoje, sozinhos, mais casos do que os outros 11 países da América do Sul e o território da Guiana Francesa juntos.

O presidente parece viver num mundo próprio, onde não enxerga muita coisa à sua frente, nem o desespero das 12.484 famílias (até o fechamento desse artigo, nesta quarta, 13) que perderam seus familiares no seu próprio país, nem a obviedade da necessidade de segurar as rédeas agora para, o mais breve possível, voltarmos a movimentar a economia sem a preocupação de morrermos por essa doença.

Rosivaldo Pinheiro é especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e economista.

COSME ARAÚJO E VALCI SERPA NO “PONTO DE VISTA”

Cosme Araújo é um dos entrevistados do “Ponto de Vista” neste sábado
Tempo de leitura: < 1 minuto

O advogado Cosme Araújo é um dos entrevistados da edição deste sábado (9) do Ponto de Vista, apresentado por Rosivaldo Pinheiro na Rádio Nacional. Cosme falará de seu futuro político e avaliará dois dos seus principais concorrentes na disputa à Prefeitura de Ilhéus, Valderico Reis e Mário Alexandre (Marão).

Cosme, que ficou conhecido nacionalmente no Caso Najila Trindade, deverá falar de novidades do imbróglio envolvendo a ex-modelo e o jogador Neymar. Quem também estará no Ponto de Vista deste sábado será o secretário de Segurança, Transporte e Trânsito (Sesttran), Valci Serpa, que é apontado como um dos prefeituráveis de Itabuna. O programa pode ser ouvido pela internet (clique aqui).

FERNANDO FALA DE CORONAVÍRUS, REABERTURA DO COMÉRCIO E FUTURO POLÍTICO

Fernando concederá entrevista a Rosivaldo Pinheiro, no Ponto de Vista
Tempo de leitura: < 1 minuto

O prefeito Fernando Gomes será um dos entrevistados deste sábado (2) do Ponto de Vista, com Rosivaldo Pinheiro, a partir das 10h, na Rádio Nacional de Itabuna. Fernando deverá falar sobre o novo coronavírus, prazo de reabertura comércio e o seu futuro político.

Nas últimos semanas, cresceram rumores sobre a presença de Fernando Gomes na sucessão municipal de 2020. A pandemia da covid-19 teria levado Fernando a repensar os próximos passos na política. Há quem fale em aposentadoria dele, que está no quinto mandato como prefeito de Itabuna. O programa vai ao ar das 10h às 12h.

Back To Top