skip to Main Content
12 de abril de 2021 | 01:19 pm

AS VEIAS ABERTAS DO BRASIL

Tempo de leitura: 2 minutos

Aproveitando o contato com o secretário, questionei sobre a conclusão do Complexo Integrado de Educação de Itabuna (CIE), localizado no bairro São Caetano, e ele sinalizou que pretende concluí-lo ainda esse ano, justificando que a pandemia atrasou a finalização da obra.

Rosivaldo Pinheiro || rpmvida@yahoo.com.br

A pandemia tem mostrado as veias abertas do Brasil, fazendo emergirem as nossas deficiências e os vários brasis existentes. A carência de leitos clínicos e de UTI e a falta de diálogo entre os entes públicos são partes desse retrato e geraram consequências, sentidas em todas as esferas socioeconômicas do país.

Entrevistei no último sábado, no Ponto de Vista, pela Rádio Nacional, o secretário de Educação da Bahia, professor Jerônimo Rodrigues. Na ocasião, questionado sobre a possibilidade de liberação de tablets para os estudantes, ele, apesar de achar a iniciativa positiva, destacou que não adotaria essa política porque, antes, os alunos precisariam ter internet, ambiente de estudo e possibilidade de interação em tempo real com os professores, porque não há como fazer educação sem a presença do professor. Estes também têm carências que precisam ser superadas para atender essa demanda que surge a partir da pandemia.

É importante destacar que existe uma distância abissal entre os estudantes brasileiros: aqueles que detêm condição de renda e frequentam escola privada e a imensa maioria que está em desvantagem econômica e que frequenta a escola pública. Essa realidade está exposta na pesquisa TIC Educação 2019, divulgada em junho deste ano. Ela aponta que 39% dos estudantes de escolas públicas não têm computador ou tablet em casa. Já nas escolas particulares, o índice é de 9%.

A pesquisa também mostra que, na escola pública, 21% dos alunos acessam a internet pelo celular. Na rede privada, esse índice cai para 3%. A pesquisa também mostrou que 53% dos professores não têm capacitação para o uso do computador e da internet nas aulas, e outros 26% têm pouca capacitação, totalizando 79%, isso acaba por dificultar o ensino à distância.

Itabuna também tem suas limitações. Aproveitando o contato com o secretário, questionei sobre a conclusão do Complexo Integrado de Educação de Itabuna (CIE), localizado no bairro São Caetano, e ele sinalizou que pretende concluí-lo ainda esse ano, justificando que a pandemia atrasou a finalização da obra.

Apontei também a necessidade da construção de um colégio de nível médio em Ferradas, para atender aos moradores do bairro e do seu entorno, além dos condomínios São José, Gabriela e Jubiabá, todos do projeto Minha Casa, Minha Vida. Uma escola naquela região evitaria que os estudantes moradores se amontoassem em ônibus e se deslocassem para longe das suas residências. Nesse ponto, o secretário se comprometeu em analisar a proposta e me dar o retorno.

Ainda na oportunidade, oficializei a ideia de instalação do Núcleo de Educação Territorial Litoral Sul (NTE-05) no prédio onde anteriormente funcionavam os juizados especiais, ao lado do Fórum Rui Barbosa, onde funcionará a Reitoria da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

A participação do secretário foi de fato entusiasmante. Mostrou-se sensível e disposto a somar forças com a comunidade escolar, famílias e outros setores importantes da sociedade, para juntos fazerem a Bahia superar sua colocação no último ranking (2018) do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), no qual, por diversos fatores históricos, surge com um dos piores indicadores de educação do Brasil.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc).

OS CASTIGOS EM NOME DA CIÊNCIA OU ESFERAS DIVINAS

Tempo de leitura: 4 minutos

Pelas notícias chegadas de Ipiaú, o vírus agiu com flagrante desrespeito ao Santo Padroeiro da cidade, São Roque, o Roque de Montpellier, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. Em Itabuna, terra que goza do prestígio de São José, pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, ele também não deu a mínima e espalhou o terror nos quatro cantos da cidade.

Walmir Rosário*

Não se brinca com assunto sério! Esse ditado tem perpassado gerações e é dito geralmente quando não se admite qualquer controvérsia em relação a um tema que envolva determinado fato, que cause dor ou constrangimento. Fora disso, vem como advertência a uma determinada crítica feita por alguém do povo a ato ou fato praticado por alguém ou autoridade de escalões superiores.

O que critica, embora embasado na consagrada Carta Cidadã, como queria Ulisses Guimarães, poderá enfrentar sérios problemas de ordem legal junto ao poder judiciário, atrelado aos dissabores financeiros e outros contratempos. Ao entendimento juntam-se as famosas proibições do politicamente incorreto, hoje “legalizado” pelos ditos progressistas e o incauto cidadão estará metido em camisa de onze varas.

Se nesta terra de Santa Cruz existisse pena de morte, um desavisado qualquer estaria em maus lençóis ao propor, por exemplo, um suco de mastruz misturado com leite de vaca – tirado na hora –, para extirpar o mal dos peitos, botando para fora todo o catarro. Mas como por aqui pena de morte só é aplicada por meio da pobreza, cujo cumprimento se dá pela falta de ingestão dos alimentos, me atrevo a recomendar: Mastruz com leite (não a banda musical) para os males do Covid-19.

E posso comprovar cientificamente os benefícios medicamentosos do mastruz, do alto dos meus 70 anos, certificando, a quem interessar possa, todos os milagres desta santa plantinha, fartamente encontrada no campo e na cidade. Lembro de um vizinho que sofre daquela doença ruim que o povo tinha até medo de falar – a tuberculose – e que se curou com a ajuda providencial do mastruz com leite.

Num domingo desse vi uma reportagem na televisão que uma cidade mineira está estimulando a plantação desses remédios caseiros nos quintais das unidades de saúde, com a ajuda dos próprios pacientes, moradores das redondezas. Ao que parece está tudo indo às mil maravilhas. Só não posso dar um atestado científico de sua eficácia contra o maldito vírus de agora por falta de outra reportagem.

Mas voltando a um passado mais ou menos recente, me salta aos olhos as tristes visões dos amigos e vizinhos acometidos de doenças “brabas” como sarampo, catapora, papeira e até varíola, a pior de todas. Todas elas curadas com plantas cultivadas nas casas vizinhas e que eram tiro e queda: um bom banho de sabugueiro para fechar as feridas, um chá de pitanga para acalmar a febre e uns caroços de milho em baixo da cama.

Além de não custar um centavo, bastava apenas ser amigo dos cultivadores dessas plantas e um muito obrigado. Já a papeira, ou caxumba, requeria outros cuidados significativos, principalmente nos homens. Caso fossem bem cuidados e os pacientes não fizessem nenhuma estripulia durante a recuperação, estava sarado para o resto da vida; do contrário, a inflamação desceria para os testículos e o dito cujo ficaria estéril.

Um corte mais ou menos profundo merecia um tratamento de certa forma mais simples, como uma pequena porção de pó de café para estancar o sangue; caso o estrago fosse maior, o pó de café estancaria o sangue até chegar ao hospital. Uma picada de cascavel lá pelas caatingas bastaria uma incisão de canivete junto à marca dos dentes da danada e um pouco de querosene, o cabra estava novinho em folha. Melhor ainda se fosse em local que desse para sugar o sangue e cuspi-lo fora.

Não sei como explicar, mas as doenças daquela época pareciam menos perigosas, bastando um remédio caseiro e um meio dia de descanso, já as de hoje se sofisticaram e ficaram metidas a besta. Qual o filho de Deus que imaginaria algum dia ver, com os olhos que a terra há de comer, as manias dessas doenças de hoje, que não precisam ficar vagando a esmo por aí e têm até horário e local de acometer o coitado.

Pelo que fui informado, o vírus tem hábitos noturnos em algumas cidades e se recusam a dar o ar da graça em supermercados (deve ser com receio dos preços altos), agências lotéricas, bancos e farmácias. Também não gosta de andar (fuxicando) em casa alheia e tampouco se apavora com leis e decretos de autoridades. Quanto mais o povo se esconde, o danado do Covid-19 fica amuado e não respeita qualquer isolamento.

Pelas notícias chegadas de Ipiaú, o vírus agiu com flagrante desrespeito ao Santo Padroeiro da cidade, São Roque, o Roque de Montpellier, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. Em Itabuna, terra que goza do prestígio de São José, pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, ele também não deu a mínima e espalhou o terror nos quatro cantos da cidade.

Dentre todas as possibilidades que engendrei, tirando fora o mastruz com leite, a hidroxicloroquina, a ivermectina e a azitromicina, vistas até então como coisa sem importância pela ciência, só resta ao povo apelar para outras esferas divinas. Como disse nosso colega baiano, radialista e compositor da música Súplica Cearense: “Oh! Deus, se eu não rezei direito o Senhor me perdoe, / Eu acho que a culpa foi / Desse pobre que nem sabe fazer oração / Meu Deus, perdoe eu encher os meus olhos de água / E ter-lhe pedido cheiinho de mágoa…”

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

SÃO JOSÉ, PERDOA-LHES, POIS NÃO SABEM O QUE FAZEM

Tempo de leitura: 4 minutos

Nesta quinta-feira (19) espero que São José possa abençoar todos os seus fiéis de Itabuna e outras cidades brasileiras que tanto sofrem com as más ações de seus políticos, livrando-os de todo o mal que eles [os maus políticos] pretendam causar.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Neste 19 de março, dia consagrado a São José, os fiéis e devotos do Santo Pai de Jesus Cristo não poderão acompanhar as tradicionais procissões em homenagem ao seu protetor, em várias cidades. A mística religiosa e os dogmas da Igreja Católica são importantes para manter a fé, porém o medo de uma epidemia (já pandemia) é maior e novos hábitos sucederão os mais antigos.

Ainda mais nos tempos atuais em que a tecnologia nos leva (ou impõe?) novos costumes, os virtuais, em que assistimos a celebração de missas em diversas igrejas do mundo inteiro pelas telas dos aparelhos de TV. Não tenho a menor ideia do que representará para o Santo Carpinteiro deixar de percorrer as ruas de Itabuna e outras cidades desacompanhado daquela multidão orando e cantando em seu louvor.

Para os católicos mais fervorosos a falta da tradicional procissão é uma tragédia nos mesmos parâmetros da pandemia do Coronavírus, que assola o mundo, ainda mais partindo da China, um país comunista. Mas não existe outro recurso senão obedecer aos padrões de comportamento a nós impostos pelos órgãos governamentais, a começar pelo Ministério da Saúde.

Concordo plenamente com os cuidados constantes nos procedimentos, protocolos que teremos que obedecer, pois têm força de lei e a desobediência poderá ser enquadrada nos crimes contra a saúde pública (arts. 267 e 268 do CPB). Por mais que as administrações públicas se esforcem, é da natureza do brasileiro desobedecer as recomendações, inclusive em prejuízo próprio.

Lendo e relendo a nota oficial publicada pela Diocese de Itabuna, confesso que fiquei com dúvidas a respeito das decisões das autoridades eclesiásticas, após ouvirem os médicos especialistas. Isto porque, cancelada a procissão, ficaram mantidas as celebrações de três missas (7, 10 e 15 horas), cujo número foi ampliado para quatro, com a missa a ser celebrada às 17 horas.

Como não sou autoridade em assunto algum – embora apenas me dê ao luxo de praticar a teimosia, já vislumbro e comparo generalidades –, comparei as multidões de fiéis que assistem às missas e acompanham a procissão. Foi então que me dei conta de que, como o propósito é reduzir as multidões e, consequentemente, o risco de contaminação pelo Coronavírus, me dei conta que tanto fazia seis como meia dúzia.

Pelos meus tresloucados cálculos, a procissão reúne um número bem maior de pessoas que as missas, porém se alguns dos fiéis estiver infectado pelo coronavírus o risco é o mesmo, por mais cuidados que tomem os participantes. Acredito – não tenho certeza – que no caso das missas – em ambiente fechado – a gravidade é ainda mais acentuada que na procissão, em local aberto, nas ruas de Itabuna.

Não é de hoje nem de ontem que a procissão em louvor a São José vem sendo contaminada pelo pior vírus que se conhece no mundo, o do mau político, que há muito teimam em participar – como todo o destaque – das procissões. Em todos os anos – notadamente os eleitorais, dois em dois anos – eles brotam do limbo e se apresentam ao lado do andor para carregar o santo, com a única finalidade de aparecer nas fotos.

Procissão de São José foi cancelada em 2020 por causa do coronavírus

São políticos que não dispõem da mínima intimidade com o Glorioso São José e com a comunidade itabunense, dentre outras em que é o Padroeiro, e mesmo assim se acham no direito de se postar à frente dos Congregados Marianos. Muitos desses políticos sequer são católicos e nem têm a intenção de se converter ao catolicismo, pelo contrário, são materialistas, comunistas, que alardeiam ser a religião o ópio do povo.

Pior, ainda, do que a conduta desses maus políticos – os mesmos que brigam de unhas e dentes por um estado laico na forma mais esdrúxula – são dos representantes da igreja que comungam do mesmo sentimento dos políticos. Somente para ilustrar, os comunistas – portanto, materialistas – Haddad e Manoela, em campanha presidencial foram à Basília de Aparecida e ainda comungaram o sagrado corpo de Cristo, o Santíssimo Sacramento.

Dizem que o castigo vem a cavalo e, ao que parece, estamos justamente no período da pré-campanha eleitoral e, por certo, em volta do andor do Glorioso São José estariam a rodá-lo esses fariseus para levar o andor. Lembro-me muito bem da campanha vitoriosa feita pelo jornalista Charles Henri para separar o joio do trigo, ao destinar aos membros do Tiro de Guerra a função de carregar o andor.

Nesta quinta-feira (19) espero que São José possa abençoar todos os seus fiéis de Itabuna e outras cidades brasileiras que tanto sofrem com as más ações de seus políticos, livrando-os de todo o mal que eles [os maus políticos] pretendam causar. Rogo, ainda, que os padres com orientações políticas materialistas também tenham a ombridade de defender o comunismo em outra freguesia.

Mas como São José é Pai de Jesus e Deus de todos nós, confiemos nesse milagre.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

PROCISSÃO ENCERRA HOMENAGENS A SÃO JOSÉ

Tempo de leitura: < 1 minuto
Homenagens a São José serão encerradas nesta quinta (Foto Erivaldo Bonfim).

Homenagens a São José serão encerradas nesta quinta (Foto Erivaldo Bonfim).

Os católicos itabunenses encerram, nesta quinta (19), as homenagens a São José. A programação de amanhã, feriado municipal, terá missas e procissão, que percorrerá as principais ruas e avenidas do centro da cidade. A procissão começará às 16 horas.

Monsenhor Moizés de Souza ressalta que as pregações no novenário abordam subtemas que ajudam a comunidade a refletir “sobre o verdadeiro segmento a Jesus Cristo, que por si só implica no serviço que prestamos aos mais carentes e marginalizados da sociedade”.

BISPO CRITICA PROPOSTAS A FAVOR DO ABORTO E COBRA MELHORIA EM SERVIÇOS PÚBLICOS

Tempo de leitura: 2 minutos
Dom Ceslau cobra políticos durante bênção na Catedral (Foto Pimenta).

Dom Ceslau cobra políticos durante bênção na Catedral (Foto Pimenta).

O bispo da Diocese de Itabuna, Dom Ceslau Stanula, cobrou dos políticos que utilizem o poder para “servir o bem ao povo” e fez críticas diretas a propostas de descriminalização do aborto. No início da noite desta quarta (19), o bispo e o monsenhor Moisés Souza encerraram os festejos ao padroeiro da diocese e de Itabuna, São José.
Stanula falou de sonhos, serviços públicos e eleição e acrescentou que deputados e senadores evangelizam ao servir o bem:
– A forma de evangelizar dos senhores é servir o bem ao povo. Os senhores devem diminuir as filas do INSS, o tempo de espera para serem atendidos estes povos que, muitas vezes, morrem antes de receber a ficha para ser atendido [em unidade de saúde]. Façam a evangelização justamente desse jeito – ensinou.
Políticos acompanharam bênção dom bispo diocesano (Foto Pimenta).

Políticos acompanharam bênção dom bispo diocesano (Foto Pimenta).

A mensagem do bispo foi ouvida não só pelos fiéis católicos, mas por deputados e pré-candidatos, como Geraldo Simões, Davidson Magalhães, Augusto Castro, Aldenes Meira e o ex-prefeito Capitão Azevedo, além do vice-prefeito Wenceslau Júnior.
Dom Ceslau ainda completou dizendo acreditar que, ao criar leis “contra a vida, a família e a sociedade”, os parlamentares transformam o Congresso Nacional “não em templo de Deus, mas em templo do inimigo”. Era uma crítica sutil a temas como descriminalização do aborto.
O bispo também investiu contra a divisão (“alas”) no parlamento brasileiro e falou de um sonho com São José.
– Ele me disse assim: eu ouvi falar que lá na casa dos deputados e dos senadores existe “ala evangélica”, “ala não sei de que”. Eu nunca ouvi falar de “ala dos católicos. Lá (no Congresso), são os homens do povo, que devem unicamente olhar a Deus e ao povo cristão, ao povo que realmente sofre.

PROCISSÃO DE SÃO JOSÉ REÚNE MAIS DE 15 MIL EM ITABUNA

Tempo de leitura: 2 minutos
Bispo Dom Ceslau (centro) puxou rebanho de fiéis em procissão (Foto Pimenta).

Bispo Dom Ceslau (centro) puxou rebanho de fiéis em procissão (Foto Pimenta).

Cerca de 15 mil fiéis católicos participaram há pouco da procissão de São José, em Itabuna. Após cumprir trajeto por algumas das principais ruas do centro, os católicos se reuniram no largo da Catedral de São José para encerrar as homenagens ao padroeiro do município sul-baiano.
A procissão e a bênção ao Santíssimo Sacramento encerraram a programação de homenagens a São José. As festividades começaram com o novenário, no dia 10. Hoje, foram realizadas alvorada e missas festivas às 10h e às 14h, com a procissão na sequência.
O bispo Dom Ceslau Stanula mandou duro recado aos políticos. Ele criticou propostas como a descriminalização do aborto e os péssimos serviços prestados pelo poder público ao cidadão, principalmente na área de saúde. De forma sutil, também criticou projetos que afetam “a família e a sociedade”.
Fiéis disputam espaço para carregar a imagem do santo padroeiro (Foto Pimenta).

Fiéis disputam espaço para carregar a imagem do santo padroeiro (Foto Pimenta).

Milhares de fiéis participaram de homenagem a São José em Itabuna (Foto Pimenta).

Milhares de fiéis participaram de homenagem a São José em Itabuna (Foto Pimenta).

APESAR DE CONTAS REJEITADAS, AZEVEDO DIZ QUE PODE DISPUTAR ELEIÇÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Azevedo cumprimenta mulher durante procissão de São José (Foto Gilvan Rodrigues Propaga).

Azevedo cumprimenta mulher durante procissão (Foto Gilvan Rodrigues Propaga).

O ex-prefeito Capitão Azevedo (DEM) saiu do período de reclusão. Hoje, estava na ala dos políticos que participaram da procissão de São José. Ele participou de todo o trajeto da procissão e assistiu à bênção ao Santíssimo Sacramento no largo da Catedral de São José, não subindo ao espaço reservado aos políticos.
Acompanhado por um assessor, o ex-prefeito deixou a catedral antes que o bispo Dom Ceslau Stanula e o monsenhor  Moisés Souza encerrassem a bênção. Na saída, Azevedo conversou rapidamente com a reportagem do PIMENTA.
BLOG PIMENTA – O senhor será candidato?
CAPITÃO AZEVEDO – Não sei ainda. Estou analisando cenários.
PIMENTA – Sairá candidato a deputado estadual ou federal?
AZEVEDO – Ainda estamos conversando, avaliando.
PIMENTA – O senhor depende exatamente de quê? É o aspecto legal, a rejeição das contas [de 2011]?
AZEVEDO – Não, não. Eu posso [disputar eleição].
______
O ex-prefeito teve as suas contas de 2011 rejeitadas pela Câmara de Vereadores em dezembro passado (relembre aqui). Pela Lei Ficha Limpa, o democrata está proibido de concorrer às eleições por até oito anos. Azevedo recorrerá à justiça para tentar anular a decisão do legislativo.

"VAI PASSANDO A PROCISSÃO…"

Tempo de leitura: < 1 minuto

Hoje é Dia de São José, padroeiro de Itabuna. Às 16h, Igreja Católica realiza a tradicional procissão em homenagem ao santo. O evento religioso atrai fiéis e, em ano eleitoral, políticos de todas as cores…

CATÓLICOS PRESTAM HOMENAGENS AO PADROEIRO DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto
(Foto Pedro Augusto)

Interior da Catedral de São José, em Itabuna (Foto Pedro Augusto).

Uma missa dedicada ao aniversário da Catedral da Igreja Católica em Itabuna encerra nesta terça (18), às 19h, o novenário em homenagem a São José, padroeiro de Itabuna. A missa será celebrada pelo bispo Dom Ceslau Stanula.
A programação em homenagem a São José será encerrada nesta quarta (19), com alvorada festiva, missas festivas às 10h e às 14h e a tradicional procissão, saindo da Catedral às 16h.

CATÓLICOS ITABUNENSES PRESTAM HOMENAGENS A SÃO JOSÉ

Tempo de leitura: < 1 minuto
Novenário atrai milhares de fiéis à Catedral de São José (Foto Erivaldo Bonfim).

Novenário atrai milhares de fiéis à Catedral de São José (Foto Erivaldo Bonfim).

Começou ontem (10) o novenário em preparação à festa do padroeiro de Itabuna, São José. As homenagens vão até o dia 19 de março no município e nas paróquias da Diocese de Itabuna. Os católicos lotaram a Catedral de São José.
Hoje (11) a programação reunirá paróquias de Santa Inês e de Nossa Senhora Aparecida, além das Associação das Senhoras de Caridade, Sociedade de São Vicente de Paulo, Cursilho de Cristandade, Apostolado da Oração, Caminho Neocatecumenal e Comunidade Canção Nova. As escolas Lua Nova, Curumim, Pio XII e Carrossel também se integram às homenagens nesta terça.
ALVORADA E PROCISSÃO
A programação para o Dia de São José, 19 de março, já está definida, conforme o assessor de comunicação da Diocese de Itabuna, Erivaldo Bonfim. Uma alvorada festiva às 5h abrirá a programação, tendo, na sequência, a Missa Festiva, presidida pelo pároco da Catedral, Monsenhor Moizés, às 7h.
Às 10h do dia 19, haverá  concelebração eucarística, presidida pelo bispo diocesano, Dom Ceslau Stanula, e que terá como pregador o arcebispo de Feira de Santana, Dom Itamar Vian. A Comenda de São José será entregue ao final da celebração.
Os festejos a São José serão encerrados na parte da tarde, com missa de romaria e a tradicional procissão, finalizando com a bênção do Santíssimo Sacramento.

LÁ VAI PASSANDO A PROCISSÃO…

Tempo de leitura: < 1 minuto
Procissão de São José foto Thadeu Brasileiro

Procissão reuniu milhares de fiéis católicos nesta terça (Fotos Thadeu Brasileiro).

Milhares de pessoas participaram da tradicional procissão em homenagem a São José, nesta terça, 19. O santo é o padroeiro de Itabuna. O evento reuniu fiéis e políticos, dentre eles o vice-prefeito Wenceslau Júnior, que representou o prefeito Claudevane Leite, que, por ser evangélico, não participou do evento.

Os fiéis percorreram as principais avenidas da região central de Itabuna e encerraram a procissão na Catedral de São José, com a bênção do Santíssimo Sacramento em celebração do bispo diocesano Dom Ceslau Stanula.

Luís Sena (cabelos brancos), Davidson e Wenceslau conversam em procissão (Foto Thadeu Brasileiro).

Luís Sena (cabelos brancos), Davidson e Wenceslau conversam em procissão (Foto Thadeu Brasileiro).

HOMENAGENS A SÃO JOSÉ

Tempo de leitura: < 1 minuto
Procissão encerra as festividades em homenagem ao santo padroeiro (Foto Pimenta/Arquivo 19.03.12).

Procissão encerra homenagens ao santo padroeiro (Foto Pimenta/Arquivo 19.03.12).

Itabuna comemora hoje o Dia de São José, padroeiro do município, e a expectativa dos organizadores é que se tenha uma das maiores procissões da história, devido à movimentação de fiéis durante o novenário iniciado em 10 de março, nas celebrações eucarísticas.
– O que pudemos perceber foi que o povo católico tem uma grande veneração por São José, principalmente pelo exemplo de obediência à Palavra de Deus e por sua fidelidade ao seu plano salvífico concretizado em Jesus Cristo – disse o monsenhor.
A programação de hoje começou às 5 horas, com alvorada, e prosseguiu com missas às 7h e 10h. À tarde, haverá missa de romaria (14h, na Catedral de São José), seguida de procissão às 16h, saindo da catedral e percorrendo as principais ruas e avenidas do centro de Itabuna. O Dia de São José é reconhecido como feriado municipal.

MISSA PARA OS ADVOGADOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

A subseção itabunense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) convida os profissionais da classe para a missa que será dedicada aos advogados, dentro das comemorações em louvor a São José, padroeiro de Itabuna. 
A missa está programada para hoje (11), a partir das 18 horas, na Igreja de São José.

“PARO ANO” SAI MIÓ

Tempo de leitura: < 1 minuto

Deputado estadual estreante assustou-se com a veemência do bispo de Itabuna, Dom Ceslau Stanula, nas críticas à Saúde, ontem. Mais do que isso, o parlamentar ficou assustado mesmo foi com os aplausos recebidos pelo bispo diante das críticas proferidas.

Ainda em frente à Catedral de São José, o parlamentar adiantou que tomará os devidos cuidados antes de ir à procissão em 2012:

Paro ano, vou dar cinco milzinho pra ajudar a Igreja.

Os amigos do parlamentar de bico longo e os fiéis que assistiram à cena ficaram estupefatos.

NÃO FALTA É PADRINHO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Josias participa de frente parlamentar de apoio às Santas Casas

Se depender da quantidade de padrinhos, a Santa Casa de Misericórdia de Ilhéus pode vislumbrar dias menos tormentosos. Mais cedo, o PIMENTA informou que os deputados Geraldo Simões (federal) e Ângela Sousa (estadual) vão se reunir nesta quarta-feira, 23, com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em busca de soluções para o Hospital São José, que pertence à instituição filantrópica.

Quem também se mostra interessado pela causa é o deputado federal Josias Gomes (PT), que nesta terça-feira, 22, na Câmara dos Deputados, participa da reinstalação da frente parlamentar  de apoio às Santas Casas de Misericórdia.

Gomes, acompanhado por autoridades ilheenses,  aproveitou a presença de Alexandre Padilha na Bahia, semana passada, para também expor o quadro crítico do São José.

Agora é esperar que das reuniões e conversas de gabinete saia alguma solução concreta para o hospital…

Back To Top