skip to Main Content
26 de fevereiro de 2020 | 03:58 pm

HOSPITAL ILHEENSE, COSTA DO CACAU REFORÇA “DIA ESTADUAL DE REGULAÇÃO”

Hospital público ilheense reforçou Dia Estadual da Regulação
Tempo de leitura: 2 minutos

O Núcleo Interno de Regulação (NIR) do Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus, reforçou o Dia Estadual de Regulação. A unidade hospitalar sul-baiana autoriza o acolhimento de pacientes com diversas demandas dos serviços de saúde.

Referência em média e alta complexidade do interior baiano, o HRCC, dentro da sua capacidade instalada, ajuda a diminuição da fila de espera do Sistema de Regulação da Sesab, atendendo usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) de uma área que engloba 89 municípios e população média 2,5 milhões de habitantes.

Pacientes regulados e atendidos na unidade chegam principalmente das regiões sul, baixo-sul e extremo-sul da Bahia, até mesmo, em algumas demandas, da Central Sudoeste (Vitória da Conquista e municípios vizinhos), no sudoeste. O HRCC oferta a esses usuários procedimentos em ortopedia, cardiologia e hemodinâmica, entre outros.

Atendendo a solicitação da Central Estadual de Regulação Sul (CRSul), o HRCC intensificou o seu apoio na diminuição da fila de espera no estado, participando do planejamento estratégico do “Dia Estadual de Regulação”. Nos dias 14 e 15 de fevereiro, considerados os dias “D” da ação, o hospital autorizou o acolhimento de 22 pacientes nas especialidades de ortopedia, cardiologia e cirurgia cardíaca.

Nesse período específico foram regulados pacientes que estavam na tela do Sistema de Regulação de Urgência e Emergência (SUREM), principalmente aqueles casos com tempo de permanência acima de cinco dias.

Leia Mais

CHINA REGISTRA MAIS DE 1.000 MORTES PELO NOVO CORONAVÍRUS

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Comissão Nacional de Saúde da China informou que mais 108 pessoas morreram pelo novo coronavírus nessa segunda-feira (10), elevando o número de mortes no país para 1.016.

Alguns casos de morte foram registrados fora de Hubei, a província mais afetada, incluindo as cidades de Pequim e Tianjin. Foi a primeira vez que o número de mortes ultrapassou 100 em um único dia.

Autoridades sanitárias chinesas também disseram que 2.478 pessoas foram confirmadas com a infecção, aumentando o total de pacientes no país para 42.638.

Nesta terça-feira (11), o Comitê do Partido Comunista em Hubei anunciou que as duas principais autoridades sanitárias da província foram demitidas.

Nenhum motivo foi dado, mas acredita-se que elas tenham sido responsabilizadas pela propagação do vírus.

Já autoridades municipais de Wuhan, na província de Hubei, disseram ter proibido que pessoas com febre busquem tratamento em instituições médicas fora dos distritos em que vivem.

A infecção foi confirmada em mais de 1,5 mil pessoas em Wuhan, somente nessa segunda-feira. A cidade trabalha para prevenir o alastramento do vírus por meio da restrição de circulação de pessoas.

HOSPITAL ADOTA PROTOCOLO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PARA AGILIZAR ATENDIMENTO

Tempo de leitura: 3 minutos

Costa do Cacau adota classificação de risco baseada no Protocolo de Manchester || Foto Divulgação

O setor de emergência do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, adotou o atendimento aos pacientes por meio do Protocolo Estadual de Classificação de Risco. Esse procedimento, utilizado para acolher e classificar o risco dos pacientes, tem como base o Protocolo de Manchester, método de triagem que estabelece escala de urgência para atendimento de enfermos, criado em 1997, na Inglaterra.

Anderson Franco, gerente de Enfermagem do HRCC, destaca que essa ferramenta de organização das chamadas filas de espera no serviço de saúde tem como finalidade priorizar os atendimentos por potencial de risco, agravo à saúde ou grau de sofrimento. A classificação é feita de acordo com os sinais e sintomas apresentados pelos pacientes, garantindo um atendimento resolutivo e humanizado.

A classificação do estado do paciente é feita por enfermeiro capacitado, que, ao avaliar individualmente, por ordem de prioridade e chegada do mesmo, faz classificação por gravidade e tempo de atendimento. O paciente recebe uma pulseira com a cor correspondente ao seu agravo e tempo de espera. O protocolo, no HRCC, possui quatro cores: azul, verde, amarelo e vermelho.

Pacientes classificados na cor azul deverão ser atendidos em até 4 horas, apresentam baixo risco de agravamento de saúde, não urgente. A cor verde significa que o enfermo deverá ser atendido em até 2 horas, apresenta baixo risco de agravamento de saúde, pouco urgente. Classificado com a pulseira amarela, o paciente deverá ser encaminhado ao atendimento médico em até 1 hora, condição que pode agravar sem atendimento, urgente. A pulseira vermelha indica atendimento imediato, com encaminhamento à sala de reanimação e acionamento da equipe médica, urgente.

Em 2019, a Emergência do hospital acolheu mais de 44 mil pacientes. A recepção do setor realiza o cadastro e identificação dos atendidos. Em seguida, é feita a classificação de risco por enfermeiro com competência técnica para esse procedimento, que direciona o enfermo às especialidades médicas de acordo as queixas e os quadros apresentados.

Após o preenchimento da ficha de atendimento, um painel central exibe todos os nomes que aguardam a classificação de risco. Com a definição da gravidade e enquadramento da cor indicada para o paciente, duas telas de apoio apresentam o nome, a coloração/gravidade, o consultório e especialidade que o mesmo deverá ser encaminhado.

Almir Gonçalves, diretor assistencial do HRCC, ressaltou o trabalho realizado pela equipe de profissionais do HRCC. “Especialistas presenciais no plantão como neurocirurgiões, ortopedistas e cirurgião trabalham de forma harmônica com a equipe de enfermagem”, disse.

Leia Mais

HOSPITAL COSTA DO CACAU É PIONEIRO NO IMPLANTE DE STENT FARMACOLÓGICO PELO SUS

Tempo de leitura: 2 minutos

Costa do Cacau é primeiro a fazer implante de stent farmacológico pelo SUS na Bahia

O Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC) é o primeiro hospital da Bahia a implantar o stent farmacológico em pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio de angioplastia, conforme indicação médica norteada pelas diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). O dispositivo possui um medicamento que reduz de forma significativa a oclusão (obstrução, fechamento), ao longo do tempo, da artéria do coração.

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas destacou a importância do HRCC na atuação da saúde pública do Estado. “O Hospital Regional Costa do Cacau é pioneiro em procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, como implantação de marcapasso CDIR e revascularização do miocárdio (ponte de safena). Agora, a meta é intensificar a realização de cirurgias cardíacas pelo interior da Bahia”.

De acordo com o diretor assistencial do HRCC, médico Almir Gonçalves, essa intervenção era somente realizada na rede particular e por convênios privados. “A implantação desse procedimento na saúde pública baiana, aqui no hospital, tem modificado a vida de muita gente. Uma decisão acertada do governador Rui Costa e do secretário Fábio Vilas-Boas, em conseguir empreender, iniciando pelo Hospital Regional Costa do Cacau, essa oferta para pacientes do SUS, os quais não têm plano de saúde”, disse.

O diretor assistencial assegura a qualidade e eficiência da implantação do stent farmacológico no HRCC. “Hoje oferecemos serviços equiparados a grandes centros, pela nossa estrutura, equipe e materiais”, disse.

Segundo Almir, muitos pacientes eram tratados com stents não farmacológicos, principalmente diabéticos. Quando o paciente era submetido a revisão depois de seis meses, um ano, o stent já estava fechado, comprometendo a saúde. “Hoje, a gente utiliza o stent farmacológico, que é diferenciado, tem maior custo, porém eleva a qualidade de vida do paciente, isso é um grande avanço para rede pública e para a população usuária do SUS”, enfatizou.

MAIS DE 135 MIL PESSOAS CONVIVEM COM HIV NO PAÍS E NÃO SABEM, SEGUNDO MS

Tempo de leitura: 2 minutos

Testes de HIV e Aids podem ser feitos gratuitamente na rede pública || Divulgação

Na vésperas do Dia Mundial de Luta Contra a Aids, celebrado no domingo (1), o Ministério da Saúde fez um alerta: 135 mil pessoas no Brasil convivem com o vírus HIV e não sabem. Na avaliação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, houve ganhos importantes nos últimos anos, mas ainda há uma série de desafios.

– Temos uma epidemia estabilizada em torno de 900 mil pessoas com casos de Aids, e podemos observar uma epidemia, principalmente em homens jovens, na faixa etária de 25 a 39 anos. É com essa população que precisamos trabalhar prioritariamente – disse.

De acordo com os dados apresentados, das 900 mil pessoas com HIV, 766 mil foram diagnosticadas, 594 mil fazem tratamento com antirretroviral e 554 mil não transmitem o HIV. O balanço aponta ainda que o número de contaminados continua subindo no país: há um ano, eram 866 mil pessoas. Somente no ano passado, foram notificados 43,9 mil novos casos.

Ao ressaltar que o Brasil oferece acesso universal ao tratamento, não só de Aids, mas também HIV, o ministro da Saúde comemorou a redução nos casos e, também, na mortandade causada pela doença. Foram evitados quase 12 mil registros de Aids entre 2014 e 2018, e houve queda de mortalidade em 22,8% no período de cinco anos. “Encerrando o ano de 2019, veremos uma diferença ainda maior. Não podemos ter casos de morte com aids”, disse.

CAMPANHA

A nova campanha do Ministério é direcionada à população jovem, estrato em que a contaminação está crescendo. O foco é reforçar a importância da prevenção, testagem e tratamento: “Se a dúvida acaba, a vida continua. Precisamos incentivar o diagnóstico precoce para salvar vidas. O maior problema ainda é o medo. É importante esse incentivo para fazer o teste. Temos que atingir metas internacionais, como algumas cidades já estão fazendo. E o Brasil, da forma como está indo, ainda precisa testar 90% da população”, disse o diretor do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids, Gerson Pereira.

Até o fim do ano, o governo estima que serão distribuídos 462 milhões de preservativos, que segundo o Ministério é a forma mais eficaz de prevenção. HIV e Aids têm diferença. A primeira situação é quando a pessoa é portadora do vírus. Na segunda, o infectado já desenvolveu a doença.

TRANSMISSÃO VERTICAL

Mandetta também comemorou a informação de que o município de São Paulo receberá certificação pela erradicação vertical do HIV, quando o vírus é transmitido durante a gestação, parto e amamentação. No Paraná, as cidades de Curitiba e Umuarama foram as primeiras a serem certificadas em 2017 e 2019, respectivamente.

MUNICÍPIOS ESTÃO SOFRENDO MUITO COM A SAÚDE DE ITABUNA, AFIRMA MARCONE AMARAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Marcone Amaral é primeiro prefeito a criticar publicamente a saúde de Itabuna

Após mais de 20 secretários de municípios pactuados denunciarem a precariedade e cobrar melhorias na Saúde de Itabuna, há pouco o prefeito de Itajuípe, Marcone Amaral (PSD), também endossou as críticas. E foi mais longe.

– Os municípios circunvizinhos sofrem muito. Estamos vivendo momento muito complicado – disse Marcone Amaral em entrevista ao repórter Carlos Barbosa, no programa Interativa Agora,apresentado por Silmara Sousa, na Interativa FM.

O prefeito de Itajuípe tornou-se, assim, o primeiro dos gestores municipais a fazer crítica pública à gestão da Saúde de Itabuna. Marcone Amaral lamentou a situação de precariedade, com registro de negativa de atendimento, omissão de socorro e morte de bebês, como as ocorridas na Maternidade da Mãe Pobre (Ester Gomes) e no Hospital Manoel Novaes, na terça e ontem (27). Ainda na entrevista, Marcone disse que se reuniu com a provedoria da Santa Casa de Itabuna para discutir o atendimento aos pacientes de Itajuípe. Outra reunião será agendada.

Marcone está na Câmara de Itabuna, onde participa de um evento do PSD sul-baiano e para o qual são esperados prefeitos do sul da Bahia, deputados e o senador e presidente do PSD da Bahia, Otto Alencar, na Câmara de Itabuna.

Na última sexta (22), o prefeito Fernando Gomes “jogou” no colo do secretário Uildson Nascimento a insatisfação com a Saúde. Disse que daria a ele 60 dias para colocar a secretaria “nos trilhos”. A crítica foi feita durante solenidade no Hospital de Base. Uildson assumiu o cargo há menos de 90 dias. Foi o sexto nomeado para a Saúde desde janeiro de 2017, início do Governo Fernando Gomes.

COMISSÕES DA CÂMARA DEBATEM O CAOS NA SAÚDE PÚBLICA DE ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Câmara debaterá o caos na saúde pública de Itabuna

Duas Comissões Técnicas do Legislativo itabunense uniram-se para discutir, em audiência pública, o caos na saúde pública de Itabuna. A audiência está prevista para as 10h desta quinta (12), na Sala Filemon de Souza Brandão, e deve contar com a participação de membros do Conselho Municipal de Saúde.

Os presidentes Enderson Guinho, da Comissão de Saúde, e Jairo Araújo, da Comissão de Direitos Humanos, ressaltam que a proposta é oportunizar ao Conselho o espaço para apresentação do diagnóstico traçado sobre a saúde itabunense.

Ainda segundo os presidentes das duas comissões, a partir do diagnóstico, o legislativo terá condições para sugerir alternativas de superação do quadro crítico da saúde no município. No âmbito da Prefeitura de Itabuna, a Pasta enfrenta sucessivas crises com sucessivas trocas de comando. Desde o início do Governo Fernando Gomes, em janeiro de 2017, o município já teve seis secretários de Saúde. O último, Uildson Nascimento, tomou posse na semana passada (veja aqui).

BRASIL PODE PERDER CERTIFICADO DE ELIMINAÇÃO DO SARAMPO, ALERTA OPAS

Tempo de leitura: 2 minutos

Brasil pode perder certificação contra o sarampo || Foto Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Brasil tem até fevereiro de 2019 para reverter os surtos de sarampo registrados em diversas áreas do país – sob pena de perder o certificado de eliminação da doença, concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) em 2016. O alerta foi feito pela assessora regional de Imunizações da entidade, Lúcia Helena de Oliveira, durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro.
Dados do Ministério da Saúde mostram que, até 24 de setembro, foram confirmados 1.766 casos de sarampo, dos quais 1.367 no Amazonas e 325 em Roraima.
Há ainda, segundo a pasta, quase 8 mil casos em investigação em ambos os estados, além de casos isolados em São Paulo (3), no Rio de Janeiro (18), no Rio Grande do Sul (29), em Rondônia (2), em Pernambuco (4), no Pará (14) e em Sergipe (4).
Lúcia Helena de Oliveira lembrou que a Venezuela, de onde veio a cepa de sarampo identificada no Brasil, perdeu seu certificado de eliminação em junho deste ano.
CORRIDA CONTRA O TEMPO
O critério adotado pela Opas para conferir transmissão sustentada é que o surto se mantenha por um período superior a 12 meses. As autoridades sanitárias brasileiras, portanto, correm contra o tempo, já que os primeiros casos da doença no Norte do país foram identificados no início do ano.
“Sabemos que os casos no Brasil são de importação, lamentavelmente, pelas condições de saúde em que vive a Venezuela. Mas só estamos tendo casos de sarampo no Brasil porque não tínhamos cobertura de vacinação adequada. Se tivéssemos, esses casos viriam até aqui e não produziriam nenhum tipo de surto”, destacou a assessora da Opas.
Atualmente cerca de 4,4 mil municípios atingiram a meta de vacinação estipulada por meio de campanha, o que representa que aproximadamente 1,3 mil cidades permanecem com coberturas vacinais que deixam a desejar.
“As importações continuarão sendo uma ameaça permanente. A única forma de evitar a disseminação do vírus é obtendo coberturas vacinais acima de 95% em todos os municípios – não somente em nível de país”, ressaltou Lúcia Helena Oliveira.

ITABUNA E ILHÉUS CORREM RISCO DE SURTO DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA, DIZ MINISTÉRIO DA SAÚDE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Itabuna e Ilhéus correm risco de epidemia de dengue zika e chikungunya

O novo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), divulgado nesta sexta-feira (8), mostra que dezenas de municípios baianos correm sério risco de enfrentar um surto de dengue, zika e chikungunya. De acordo com o Ministério da Saúde, a situação é muito preocupante em localidades como Itabuna (13,1%) e Ilhéus (11,6%).
Em Itabuna, de cada 100 imóveis pesquisados, pelo menos 13 estão com larvas do mosquito Aedes aegypti. Em Ilhéus, a situação é parecida. Foram encontrados criadouros em 11 de cada 100 imóveis visitados pelos agentes de combate a endemias. O risco de surto  de dengue, zika e chikungunya é muito alto também em Buerarema (9,1%), Ibicaraí (10,2%) e Itapé (8,1%).
Há risco de surto ainda em Camacan, Itapintaga, Jussari, Canavieiras, Itajuípe e Mascote. Nessas localidades, os índices de infestação de larvas do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya variam de 4,9% a 7,1%. O município com o maior índice infestação no país é baiano. Em Itiúba, de cada 100 imóveis pesquisados, 28,6% estão com criadouros.
Os dados do Ministério da Saúde mostraram ainda que 1.153 (22%) municípios em todo o país apresentaram alto índice de infestação do Aedes aegypti. Além das cidades em situação de risco, o levantamento identificou 2.069 localidades em alerta, com o índice de infestação predial (IIP) entre 1% a 3,9% e 1.711 municípios com índices satisfatórios, inferiores a 1%.

OS IMPACTOS ECONÔMICOS NEGATIVOS PROVOCADOS PELO CANCELAMENTO DO CARNAVAL ANTECIPADO DE ILHÉUS

Tempo de leitura: 3 minutos

Edson Alves | edsonciso@hotmail.com
 

Hotéis, bares, restaurantes, supermercados, casas de veraneio, ambulantes, além de setores da área cultural e uma grande parte do setor da economia local são afetados direta e indiretamente durante a realização de um carnaval.

 
Em primeiro lugar, gostaríamos de tecer críticas diretas à falta de planejamento dos gestores do turismo na cidade de Ilhéus (BA), mais diretamente, ao poder público municipal, pois o mesmo, associou a crise na área da saúde pública à não realização do carnaval antecipado. É como se os problemas na saúde pública do município tivessem nascido no mês de fevereiro desse ano, e já tivessem data marcada para acabar, junho de 2018, com uma épica festa junina.
Em uma cidade turística como Ilhéus, o discurso que o prefeito utilizou caiu como uma luva, ou seja, se ajustou muito bem à situação desejada pelo gestor e aos olhares do “senso comum”, mas, ao mesmo passo, como uma falácia para os investidores da área do turismo e para os especialistas em administração pública.
Mediante essas afirmações, (PETROCCHI 2002, p, 12), declara:
“As deficiências do turismo passam inicialmente pela falta de conscientização da população para a sua importância, o que é uma questão cultural. Se a população não se sensibiliza por determinados temas, o político automaticamente o descarta. O político reflete os desejos, as aspirações e as preocupações da população. A população em geral não dá a devida importância ao turismo, e essa indiferença é fatal”.
O carnaval é um negócio altamente lucrativo para o setor turístico no Brasil. Segundo levantamento do Ministério do Turismo. No ano de 2016, cerca de 9,8 milhões de turistas circularam pelo país no mês de fevereiro, gerando um acréscimo de R$ 9,6 bilhões à economia nacional, com forte impulso ao setor de serviços. O faturamento do período representava cerca de 3%, do total gerado anualmente pela indústria de viagens e turismo do país.
O impacto do Carnaval é grandioso para a economia de Ilhéus. As atividades ligadas ao turismo representam aproximadamente 5% do Produto Interno Bruto (PIB) da Bahia na festa. A cadeia produtiva do Carnaval é complexa e envolve diferentes setores da economia.
Na Bahia, no ano de 2014, a estimativa foi de que 707 mil turistas visitaram as cidades de Salvador, Porto Seguro, Trancoso, Arraial D’Ajuda e a famosa Costa do Sauipe. Já no ano de 2016, o fluxo de turistas movimentou cerca de R$ 900 milhões na economia do estado.
Entender os aspectos e os números do carnaval se faz necessário para que possamos compreender a grandiosidade de um evento deste porte para a economia ilheense.
Hotéis, bares, restaurantes, supermercados, casas de veraneio, ambulantes, além de setores da área cultural e uma grande parte do setor da economia local são afetados direta e indiretamente durante a realização de um carnaval.
Neste sentido, Ilhéus perde – e muito, quando uma gestão sem planejamento cancela um evento deste porte, mas, sobretudo, o “Carnaval Antecipado” no município. Pois os empreendedores locais haviam planejado ou estavam se planejando para receber toda uma demanda que impulsionaria os números da economia local.
É preciso que o gestor maior do município coloque o carnaval antecipado no calendário turístico da cidade como uma coisa prioritária de seu governo. Por fim, a Secretaria Municipal de Turismo deve ter consciência da sua responsabilidade enquanto agente de promoção do turismo na região e, nesse contexto, buscar unir esforços continuados para fazer o resgate do carnaval antecipado de Ilhéus.
Edson Alves é graduado em Ciências Sociais e Especialista em Gestão Pública Municipal pela Uesc.

Back To Top