skip to Main Content
12 de agosto de 2020 | 09:33 pm

EMPRESAS INADIMPLENTES NÃO SERÃO EXCLUÍDAS DO SIMPLES EM 2020

Tempo de leitura: 2 minutos

As micro e pequenas empresas inadimplentes com o Simples Nacional não serão excluídas do regime especial em 2020, informou a Receita Federal nesta segunda (27). O Fisco atendeu a pedido do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e decidiu suspender o processo de notificação e de expulsão do regime como forma de ajudar os pequenos negócios afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Em 2019, mais de 730 mil empresas foram notificadas para exclusão do Simples por débitos tributários. Desse total, cerca de 224 mil quitaram os débitos e 506 mil empresas acabaram excluídas do regime.

De acordo com o Sebrae, a manutenção das empresas no Simples Nacional, regime que unifica a cobrança de tributos federais, estaduais e municipais num único boleto, representa uma ação importante para impulsionar a recuperação dos negócios de menor porte, que tiveram prejuízos com a paralisação das atividades.

Segundo levantamento do Sebrae e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), os pequenos negócios começam a recuperar-se da crise provocada pela pandemia de covid-19. O percentual de perda média do faturamento, que chegou a 70% na primeira semana de abril, estava em 51% na pesquisa mais recente, realizada entre 25 e 30 de junho. Foram ouvidos 6.470 proprietários de negócios em todo o país, entre microempreendedores individuais, micro empresas e empresas de pequeno porte.

PEQUENOS NEGÓCIOS TÊM SINAIS DE REAÇÃO, EMBORA LENTA, APONTA PESQUISA SEBRAE/FGV

Loja do Sebrae na Paulino Vieira, em Itabuna || Foto Maurício Maron
Tempo de leitura: 3 minutos

Após período crítico para manter os negócios em funcionamento, as micro e pequenas empresas brasileiras apresentaram sinais de pequena reação diante dos impactos da pandemia. Levantamento feito pelo Sebrae, em parceria com a FGV, no período de 25 a 30 de junho, constatou uma leve e gradual recuperação, com uma redução na queda média mensal do faturamento dos pequenos negócios.

Enquanto na primeira semana de abril, a perda média do faturamento chegou a 70%, no último levantamento esse percentual caiu para 51%. Apesar dessa pequena evolução, a pesquisa mostra também que a concessão de crédito para as pequenas empresas ainda não tem acompanhado o aumento significativo da procura desses negócios por empréstimos.

A pesquisa ouviu 6.470 participantes entre microempreendedores individuais (MEI), microempresas e empresas de pequeno porte. O levantamento aponta que desde o início da pandemia, 800 mil empresas conseguiram estancar a queda no faturamento. A proporção de pequenos negócios com redução no faturamento caiu de 89% para 84%, desde março, quando foi feita a primeira edição da pesquisa. Essa recuperação, entretanto não é igual para todos os segmentos. Alguns setores como o agronegócio, indústria alimentícia e pet shop/veterinária apresentam maior capacidade de retomada, ao contrário de setores mais diretamente afetados, como turismo e economia criativa.

“O estancamento na queda de faturamento sinaliza um tímido movimento de recuperação. Mas ainda estamos longe de vencer a crise. E sem o destravamento do dinheiro disponível nos bancos, essa retomada será extremamente lenta ou até fatal para os pequenos negócios, pois a reabertura implica em gastos e não necessariamente em demanda de clientes”, ressalta o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

O levantamento do Sebrae também mostrou que 30% das empresas voltaram a funcionar desde o início da crise, adaptando-se ao novo cenário, intensificando a transformação digital dos negócios com o aumento das vendas online. Em dois meses, 12% das empresas fizeram a adaptação do modelo de negócio para o formato digital. Ao mesmo tempo em que houve um aumento de 37% para 44% das empresas que estão utilizando ferramentas digitais para se manterem em funcionamento, houve uma redução de 39% para 23% das empresas que afirmam que só podem funcionar presencialmente.

De uma forma geral, a pesquisa também mostra que houve uma redução na restrição de circulação de pessoas no período analisado, com queda de 63% para 54% nas medidas de quarentena (fechamento parcial) e lockdown (fechamento total). Por outro lado, observa-se que as regiões em que o nível de isolamento era menor, como Sul e Centro-Oeste, caminham agora em sentido contrário ao movimento nacional e tiveram que aumentar as medidas de isolamento. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a restrição subiu de 38% para 72% nos últimos 30 dias.

CRÉDITO

A 5ª edição da pesquisa do Sebrae mostra que houve, novamente, um aumento na proporção de empresas que conseguiram empréstimo, porém em um ritmo aquém do esperado (de 16% para 18%). Na contramão, o número de empresas que buscou empréstimos aumentou consideravelmente, principalmente entre as MPE.

Entre a 4ª e a 5ª edição da pesquisa, o percentual de empreendedores que buscaram crédito saiu de 39% para 46%. Entre os principais motivos para a recusa dos bancos está a negativação; sendo o CPF com restrição a principal razão pela não obtenção de crédito entre os MEI e a negativação no CADIN/Serasa, no caso das ME e EPP.

Confira abaixo outros dados da pesquisa

* O número médio de pessoas ocupadas nas empresas manteve-se (3,4) com redução (12% para 10%) na proporção de empresas que demitiram. O número médio de funcionários demitidos pelas empresas manteve-se (2,5).

* Cresceu (39% para 46%) a proporção de empresas que buscaram empréstimo. Já o crescimento da proporção de empresas que tiveram sucesso no pedido foi pequeno (16% para 18%).

* Houve uma Redução (63% para 54%) nas restrições de circulação de pessoas. No entanto, nas regiões onde essa restrição era menor no mês passado (Centro-Oeste e Sul), observa-se agora um aumento nas medidas de isolamento social.

* Foi verificado um aumento (45% para 59%) na proporção de empresas que mudaram sua forma de funcionar, e uma redução (43% para 29%) na proporção de empresas que haviam interrompido o funcionamento temporariamente.

* Cresceu (37% para 44%) a proporção de empresas que estão fazendo uso de ferramentas digitais para poder funcionar.

* Caiu (39% para 23%) a proporção de empresas que afirmam que só podem operar presencialmente.

CRESCE INTERESSE POR CURSOS A DISTÂNCIA PARA EMPREENDER, APONTA SEBRAE

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Sebrae registra aumento da procura por seus cursos a distância. O número de pessoas que se inscreveram nos cursos este ano já é maior que a demanda de todo o ano passado, conforme a entidade de apoio a micro e pequenas empresas. Em 2020, o número de inscrições até o momento é recorde – 1,5 milhão de pessoas -, cerca de 400 mil a mais que em 2019.

O curso de maior procura é o de Marketing Digital (177 mil interessados). Entre os mais procurados no portal do Sebrae também estão Gestão Financeira, Aprender a Empreender, Atendimento ao Cliente e Gestão de Pessoas. Todos os cursos são gratuitos.

A procura por mais capacitação online corresponde ao movimento que se verifica em outras modalidades de ensino, desde a educação básica à pós-graduação, por causa das medidas de distanciamento social para conter a propagação da covid-19.

Além de ser uma alternativa de qualificação, cursos como de Marketing Digital podem ser estratégicos para a manutenção de negócios em novas bases. “Com a pandemia, muitos empresários se viram obrigados a fechar as portas e passar a vender seus produtos de modo online, para manter os negócios em funcionamento”, diz o Sebrae em nota.

“Neste momento de pandemia, em que as empresas precisam enfrentar a ausência presencial dos clientes, a busca por novas ferramentas de venda online tornou o marketing digital algo muito poderoso em relação ao tradicional”, afirma o Sebrae.

EMPRESAS INVESTEM EM NOVAS EXPERIÊNCIAS PARA O DIA DOS NAMORADOS

Tempo de leitura: 3 minutos

Com o isolamento social causado pela pandemia do novo Coronavírus, o Dia dos Namorados será diferente para milhares de casais. Os empreendedores têm busca se adaptar a esse novo momento para oferecer novas experiências que possam ser realizadas de casa, como deve ser durante este período, seja na área gastronômica, de vestuário ou calçados. O negócio é se reinventar.

Em Salvador, o restaurante Origem apostou na oferta do menu degustação para os namorados curtirem a noite romântica em casa. Os pedidos, que estão sendo feitos por telefone, são entregues com toda a orientação sobre higiene, montagem dos pratos e harmonização com cervejas.

“Pensamos em um formato que as pessoas possam vivenciar a experiência que ela tinham no restaurante, mas em casa. É uma forma também de matar um pouco a saudade do restaurante”, afirma Fabrício Lemos, proprietário do Origem, restaurante pioneiro em oferecer o menu degustação na capital baiana.

CHOCOLATE

Outra forma de surpreender no Dia dos Namorados é oferecer presentes diferentes do tradicional e valorizando a produção local. Pensando nisso, a Cooperativa da Agricultura Familiar e Economia Solidária da Bacia do Rio Salgado e Adjacências (Coopfesba), de Ibicaraí (BA), que administra a marca Bahia Cacau, está vendendo kits especiais para esta data. Os pedidos são feitos por telefone e serão entregues em casa para a região sul do estado.

Para quem quer acordar no Dia dos Namorados com um cheirinho de café lá da Chapada Diamantina, a Cooperativa de Cafés Especiais e Agropecuária de Piatã oferece opções de café gourmet, especial e tradicional. E o brinde pode ser em grande estilo, com as cervejas artesanais de maracujá da Caatinga e de umbu, da Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (Coopercuc), que podem ser adquiridas no site, onde reúne todos os produtos da agricultura familiar da Bahia e serão entregues no conforto de casa.

REDES SOCIAIS E DRIVE THRU

Em Itabuna, uma empresa de calçados, bolsas e acessórios, franquia da Arezzo no Shopping Jequitibá, decidiu investir em redes sociais, em delivery e drive thru para o Dia dos Namorados. Os pedidos são feitos pelo WhatsApp, no site ou pelo Instagram. O site reúne produtos com descontos que podem chegar a 50%.

O novo momento tem desafiado as empresas a se reinventarem durante a crise causada pela pandemia do Coronavírus. Diante da atual situação, a reinvenção ou inovação é importante para que as empresas tenham a capacidade de se adequar ao novo momento e adequar às novas necessidades que os clientes possuem.

INOVAÇÃO

“Esses clientes esperam, no contato com essa empresa que ele tem relacionamento, perceber e sentir essa experiência na jornada. O cliente precisa sentir que a empresa está sendo empática com o novo momento, a nova necessidade. Tudo isso pode ser atendido pela inovação. Seja na forma diferente de entregar, ou na capacidade da empresa em levar essa experiência ao cliente em outro momento, ou seja, se diferenciar das demais”, afirma o gerente do Sebrae em Salvador, Rogério Teixeira.

Ele completa que a inovação é fundamental nesse processo e vai fazer com que essa empresa se destaque e tenha a atenção desse cliente e suas novas formas de consumir produtor e serviços, nunca esquecendo de superar as expectativas no atendimento das demandas.

“É o que chamamos de Over Delivery, a capacidade que a empresa tem de surpreender o cliente, entregar além do que previamente foi combinado. Essa é a palavra de ordem no momento”, completa Teixeira.

PANDEMIA REDUZ FATURAMENTO DE 86% DAS EMPRESAS BAIANAS, APURA SEBRAE

Tempo de leitura: 2 minutos

A pandemia do coronavírus reduziu o faturamento de 86% das empresas baianas, de acordo com a segunda edição da pesquisa feita pelo Sebrae Bahia para analisar os impactos econômicos da pandemia. O resultado deste levantamento capta os efeitos econômicos dos últimos três meses. O percentual é menor que os 91% da primeira rodada da pesquisa, em abril.

O levantamento de agora foi feito no período de 18 a 28 de maio, com empresários de várias regiões do estado. A pesquisa mostrou também que 45% dos estabelecimentos estão em atividade e outros 44% suspenderam, temporariamente, os serviços.

Com a mudança de comportamento do consumidor, devido ao isolamento social, 58% dos entrevistados disseram que estão atendendo à distância, sendo que 26% do total começou a atender nesta modalidade após o isolamento social. As principais dificuldades relatadas pelos empreendedores quanto à esta forma de atendimento são falta de sistema de tecnologia e estrutura para logística de entrega.

FINANÇAS

Com a redução do faturamento, as empresas baianas estão recorrendo a alternativas para manter o funcionamento. Pela pesquisa, 26% dos negócios suportam apenas mais um mês de fechamento das atividades econômicas. Cerca de 46% dos empresários terão que solicitar empréstimos se a quarentena durar até o final de junho.

A pesquisa mostrou também que apenas 16% das empresas já foram beneficiadas com prorrogação de dívidas junto aos bancos. Conforme o levantamento, 47% dos empresários acreditam que a economia brasileira voltará a se recuperar em 12 meses.

NOVAS MEDIDAS

A chegada do coronavírus trouxe também um novo comportamento para as empresas, com adoção de medidas que reduzam a possibilidade de transmissão do vírus. Apesar de 96% das empresas que participaram da pesquisa não apresentarem caso de COVID-19, mais de 50% delas iniciaram práticas de higiene e evitaram aglomerações no ambiente de trabalho, estabelecendo o distanciamento físico adequado no atendimento ao público e entre os colaboradores.

Leia Mais

SEBRAE OFERECE CONSULTORIA FINANCEIRA GRATUITA A EMPRESAS NO SUL DA BAHIA

Consultoria online é ofertada gratuitamente pelo Sebrae no sul da Bahia || Foto Divulgação/Sebrae
Tempo de leitura: 2 minutos

Os micro e pequenos empresários do sul da Bahia podem contar com assessoria financeira gratuita do Sebrae. A consultoria online Presença Financeira tem sido bastante procurada por empresários que buscam orientações em meio à crise gerada pela pandemia de covid-19, segundo o escritório do Sebrae em Ilhéus, que atende a região sul. O serviço já registrou mais de 200 agendamentos para consultoria financeira e digital.

Os atendimentos são feitos por um consultor especialista e um analista do Sebrae. Os clientes podem sanar dúvidas ou até mesmo aprender como melhorar a gestão de contas e equilibrar dívidas e tributos, além de entender se este é um momento propício para compras ou de focar no estoque.

A gerente regional do Sebrae em Ilhéus, Claudiana Figueiredo, destaca que os clientes atendidos com as soluções desenhadas pelo Sebrae Bahia, neste cenário de desafios ocasionados pela pandemia, “têm sinalizado uma grande percepção de valor e aplicabilidade das recomendações recebidas”.

– Diariamente, estamos atendendo as demandas espontâneas, mas também estamos em contato através de ligações e outros meios para saber como os nossos clientes estão, quais as dificuldades e, a partir de uma escuta empática e ativa, ofertamos a solução mais convergente com a necessidade apresentada – explica Claudiana Figueiredo.

Embora o momento seja de dificuldades, Fernanda Sepúlveda, proprietária da loja de moda fitness Body de Luxo, em Itabuna, considera que este é o momento para encarar as oportunidades e enxergar melhoria os negócios. “A consultoria me trouxe vários benefícios e informações que eu desconhecia e já fiquei com o meu ‘dever de casa’”, frisa a empresária que participou da consultoria Presença Financeira.

A receptividade dos empresários baianos tem sido positiva. “Isso mostra que estamos no caminho certo e ofertando o que é mais adequado para o momento. Entretanto, estamos atentos também às necessidades futuras no processo de recuperação desses empresários” aponta a gerente da Unidade de Atendimento Coletivo, Célia Fernandes.

Leia Mais

PESQUISA DO SEBRAE APONTA MAIOR ADESÃO DAS EMPRESAS AO ATENDIMENTO NA BAHIA

Tempo de leitura: 2 minutos

Pesquisa Sebrae feita no período de 13 a 16 de abril apontou que 49% dos entrevistados estão com seus negócios atendendo remotamente e 20% deles iniciaram o atendimento remoto na pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Dos negócios que iniciaram o atendimento remoto após a pandemia, apenas 3% tiveram aumento das vendas. Para 14%, o faturamento não sofreu mudanças e outros 26% sofreram queda na receita.

Dentre os que atendem remotamente, as principais dificuldades encontradas com esta nova forma de atender foram falta de estrutura logística para entrega (43%), falta de tecnologia adequada ao seu negócio (36%), além de falta de produtos/embalagens para entrega (19%) e de funcionários para a operação (16%).

Outros obstáculos encontrados pelos empreendedores foram a falta de clientes (12%) e de espaço físico para a manutenção do estoque (9%). Após o fim da pandemia 71% dos entrevistados disseram que pretendem incluir o atendimento online no seu empreendimento, demonstrando um crescimento desta modalidade de serviço depois da crise.

Outro dado levantado pela pesquisa foram as formas que os empreendedores estão buscando orientações para gerir o negócio. Dos entrevistados, 45% dos que estão procurando ajuda do Sebrae Bahia preferem que o atendimento seja feito por e-mail, com envio de conteúdos especializados, e 34% por aplicativos de mensagens. Marketing Digital, empreendedorismo e finanças são os assuntos que mais geram interesse para 40% dos empresários.

A PESQUISA

O levantamento do Sebrae Bahia teve como objetivo identificar como os pequenos negócios baianos estão sendo afetados e reagindo aos efeitos de restrição e isolamento causados pelo COVID-19. A amostra teve a participação 358 empreendedores que integram o cadastro do Sebrae Bahia.

Quanto ao porte dos negócios que participaram da pesquisa, 37% são de Microempreendedores Individuais (MEI), 35% são Microempresa e 8% estão enquadradas como Empresa de Pequeno Porte.

Dos entrevistados, 54% são do sexo masculino e 46% são mulheres. A idade média dos empreendedores ouvidos é de 43 anos, com incidência maior na faixa etária de 36 a 45 anos. 56% do público ouvido possui pós-graduação.

Quanto aos setores de atuação, 35% são do serviço, outros 35% são do comércio e 9% da indústria. O tempo médio de atividade dos participantes no mercado é de 9 anos. A pesquisa completa pode ser consultada neste link.

SEBRAE: MERCADO DE MARMITAS CRESCE MAIS DE 130% EM CINCO ANOS

Negócio de marmitas cresce mais de 130% em 5 anos no país
Tempo de leitura: 2 minutos

O número de empresários do ramo de alimentação para consumo domiciliar (que corresponde às marmitas e outras refeições embaladas) cresceu expressivamente no país nos últimos cinco anos. Os dados do Ministério da Economia apontam para um crescimento de 134% no período. Saltou de 102,1 mil em 2014 para 239,8 mil no ano passado.

A explicação para esse salto está principalmente na atividade dos Microempreendedores Individuais (MEI), que representavam 91,6% do total de empresários desse segmento em 2014 e que, no ano passado, passaram a responder por cerca de 94% (225,6 mil) do universo de empreendedores registrados.

Os últimos números do Portal do Empreendedor (janeiro 2020) confirmam que essa tendência se mantém forte. Apenas entre novembro (2019) e janeiro, o portal já registrou a criação de quase 3 mil novos MEI especializados na produção de alimentos para consumo domiciliar. “O Sebrae está atento a esta tendência de mercado, por isso possui um trabalho direcionado para minimizar a carga de burocracia e permitir que os empreendedores possam seguir atendendo esta demanda crescente, atuando como MEI”, explica o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

MARMITAS FRESCAS OU CONGELADAS

Os números confirmam a importância dessa atividade já tradicional no país como uma das alternativas mais buscadas no momento do desemprego, mas também indicam um movimento natural do mercado que busca desenvolver novos modelos de negócio que respondam à demanda de um consumidor mais exigente e seletivo, que não está necessariamente disposto a pagar muito mais por produtos de qualidade.

Esse público se divide em dois grupos principais.

Leia Mais

SEBRAE VAI OFERECER 38 MIL VAGAS NA BAHIA PARA A SEMANA DE CAPACITAÇÃO EMPRESARIAL

Tempo de leitura: 2 minutos

Há vagas para cursos no Sebrae em Ilhéus || Foto Maurício Maron

O Sebrae Bahia vai oferecer mais de 38 mil vagas em cursos presenciais e online na 45ª Semana Sebrae de Capacitação Empresarial, com programação em diversas regiões do estado.Os cursos serão ministrados no período de 1º a 5 de outubro.A programação completa já está disponível na internet (veja o endereço no final do texto).

Neste ano, a Semana Sebrae abordará temas como marketing, vendas, finanças, planejamento e gestão em mais de 90 municípios, incluindo Salvador, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Barreiras, Ilhéus, Jacobina, Juazeiro, Santo Antônio de Jesus, Irecê e Teixeira de Freitas.

De acordo com o Sebare, uma das novidades desta edição do evento são as capacitações online, que vai promover aulas ao vivo e pelo WhatsApp. São mais de 12 mil vagas somente nesta modalidade em cursos sobre marketing digital, estratégias de venda e retenção de cliente pelas redes sociais e finanças.

“FÓRMULA DO SUCESSO EMPRESARIAL”

Os empreendedores também já podem baixar o e-book “Fórmula do Sucesso Empresarial”, que trata de temas sobre o aprimoramento das habilidades e competências para o sucesso empresarial. A obra apresenta tópicos sobre o desenvolvimento da mentalidade empreendedora, motivação, estabelecimento de metas e desenvolvimento da liderança.

Leia Mais

COMÉRCIO: SEBRAE DÁ DICAS PARA AUMENTAR AS VENDAS DO DIA DOS PAIS

Tempo de leitura: 2 minutos

Dia dos Pais está entre as principais datas do comércio no Brasil

O Dias dos Pais, comemorado no dia 11 de agosto deste ano, é uma das cinco principais datas para o varejo no país. Preparar-se para aproveitar essa oportunidade é praticamente uma obrigação para qualquer empresário, destaca o canal do Sebrae.

As datas comemorativas funcionam como um incentivo principalmente para o setor do comércio. É importante estar atento a todos os detalhes, desde a promoção de ofertas até a qualidade do atendimento. Além de impulsionar as vendas do período, um planejamento bem executado contribui para a fidelização de clientes que podem voltar a procurar o negócio em outras ocasiões.

Definir uma estratégia voltada para a data, produzir pacotes e kits promocionais, mexer na vitrine para torná-la mais atraente aos olhares dos consumidores e criar uma identidade visual são algumas iniciativas que podem esquentar as vendas e dar uma maior visibilidade ao empreendimento. As redes sociais também são uma alternativa importante para esse período.

O Sebrae separou cinco dicas para que os empreendedores possam se organizar para a data, confira no leia mais, a seguir.

Leia Mais
Back To Top