skip to Main Content
14 de julho de 2020 | 07:43 pm

ASSALTO AO BB: QUADRILHA LIBERA PMs E INCENDEIA CARROS

Tempo de leitura: < 1 minuto

A quadrilha que assaltou a agência do Banco do Brasil em Ibirapitanga, no sul da Bahia, liberou os dois policiais militares usados como reféns e também atearam fogo nos carros utilizados na ação criminosa. De acordo com o repórter Costa Filho, os policiais foram liberados na região de Ubatã, no sul-baiano. Confira mais informações no post abaixo.

IBIRAPITANGA: QUADRILHA ASSALTA BANCO E FAZ 2 PMs REFÉNS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Uma quadrilha com aproximadamente 10 homens assaltou, há pouco, a agência do Banco do Brasil de Ibirapitanga, no sul da Bahia, localizada na prefeitura. Os homens renderam seguranças e levaram dois policiais militares como reféns.

As primeiras informações são de que o bando usou, pelo menos, três carros na ação e tomou como rumo a cidade de Ubatã, também no sul-baiano, usando as BRs 101 e 030, informa o repórter Costa Filho, da rádio Jornal.

O assalto à agência ocorreu por volta das 10h. Os policiais foram tomados como reféns minutos antes da ação, numa barbearia. Os carros identificados como sendo da quadrilha, segundo testemunhas, são um Corola (ou Honda Civic), uma picape Fiat Strada e um Fiat Siena bege.

Equipes das políciais rodoviárias Federal e Estadual foram acionadas, além da Polícia Civil e a Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe), antiga Caerc.

Atualizado às 19h

ASSASSINATO REVOLTA BUERAREMA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um jovem foi assassinado a pedradas, ontem, no município de Buerarema, região sul da Bahia. O crime ocorreu nesta madrugada. O corpo de José Hamilton Bernardes, de 26 anos, foi encontrado numa área próxima à Casa do Forró. A polícia ainda não tem pistas do assassino.

O rosto do jovem, pessoa bastante querida no comércio bueraremense, ficou totalmente desfigurado com os sucessivos golpes. A morte de “Zé” provocou revolta da população. O corpo do comerciário será sepultado às 17h, em Buerarema.

O BATE-BOCA ENTRE SOLON E UBIRAJARA

Tempo de leitura: 2 minutos

O bate-boca na sala das comissões técnicas da Câmara de Vereadores, do vereador Solon Pinheiro (PSDB) e o comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar, Jorge Ubirajara Pedreira, gerou um grande mal-estar entre a polícia e o legislativo, hoje à tarde. O encontro seria para debater a segurança pública. Foram tiros para todos os lados. Abaixo, trecho dos mais densos da discussão de ambos:

Comandante – O senhor conhece a Lei Orgânica do munícipio?

Vereador – Tenho procurado conhecer (Solon pede ajuda à secretaria parlamentar).

Comandante – O senhor cumpre com as suas obrigações como cidadão e como edil?

Vereador – Sim.

Comandante – O senhor é candidato a deputado estadual?

Vereador – Isso não vem ao caso. Só a partir de 3 julho e é uma coisa que vai se definir com o partido. O senhor está me desrespeitando. Isso eu não aceito. Eu tenho legitimidade. Fui eleito pelo povo. Respeite esta Casa Legislativa. Estou preocupado com a violência em minha cidade, que estampa, diariamente, os jornais. O senhor foi convidado para debater segurança pública e não para fazer indagações à minha pessoa.

Comandante – O senhor conhece o decreto lei 667?

Vereador – Não.

Comandante – Que formação o senhor tem sobre segurança pública?

Vereador – Nenhuma.

Comandante – Quantas autoridades o senhor convidou para esta sessão?

Vereador – Todas ligadas a àrea de segurança pública.

Comandante – Qual a competência legal que a Câmara tem para debater segurança pública?

Vereador – Fui eleito pelo povo e tenho legitimidade para debater.

Comandante – Não, mas eu quero que o senhor responda.

Vereador – A Câmara está à disposição para ajudar na segurança pública.

Comandante – Agora eu me coloco à disposição para você me fazer a pergunta que quiser.

—–

Àquela altura, a audiência pública já perdia a sua razão de ser. Solon passa a palavra ao defensor público estadual Walter Fonseca Júnior. Este se levanta e diz que não havia condições para discutir sobre segurança pública “naquele clima”. Pediu licença e saiu. O juiz Waldir Viana, da 4ª Vara Cível, também se levantou e bateu em retirada. E, de fato, não houve audiência.

—–

Na saída, o ainda comandante do 15º BPM disse que não aceitava que a segurança pública servisse de “palanque eleitoral”. Era uma referência ao fato de Solon ser pré-candidato a deputado estadual. “Repudio a atitude dele e de qualquer um que queira fazer o que não é de sua alçada”, disse Jorge Ubirajara. Mais que isso: “Ele é um descontrolado. Não sabe o que diz”.

—–

Solon Pinheiro rebateu o comandante. Ao repórter Fábio Roberto, da rádio Nacional, disse que não tirava o chapéu para o algoz. “Não tiro e não me arrependo. Ele já vai tarde [comandar a PM em Vitória da Conquista]“.

Todos que estavam na “quase” audiência deixaram a sala. Mas o tenente-coronel permaneceu no local, de lá saindo apenas quando abordado para uma entrevista ao repórter Fábio Roberto e ao jornalista Domingos Matos, do blog O Trombone.

A MÃE

Tempo de leitura: 3 minutos

Daniel Thame | www.danielthame.blogspot.com

Algumas mães, de tão devotadas, costumam dar a vida pelos filhos.

O instinto maternal se manifesta de forma tão intensa que eles não hesitam em submeter-se ao sacrifício para preservar aqueles a quem, numa das mais sublimes manifestações da natureza, deram a vida.

Mães, invariavelmente, sonham que seus filhos e filhas se tornarão homens e mulheres respeitáveis e levarão uma vida digna.

Mães, se pudessem, teriam seus filhos e filhas junto delas, como se fossem eternamente crianças necessitando de afeto e proteção, como se o ciclo da vida ficasse paralisado, quando na verdade segue seu curso natural.

É de se imaginar, portanto, a dor de uma mãe quando um filho se desvia do caminho que ela idealizou.

Mais do que isso, quando o filho se transforma em ameaça.

Foi isso que o aconteceu num episódio ocorrido em Itabuna, exemplar pela desagregação que a droga, especialmente o crack, vem provocando como fator de desestrutura familiar.

Primeiro, a mãe percebeu que o filho, até então um dedicado estudante de uma das mais rigorosas escolas públicas de Itabuna, estava mudando de comportamento.

O menino carinhoso se tornara ausente e até agressivo com ela.

Abandonou a escola e passou a andar naquilo que mães zelosas costumam definir vagamente como “más companhias”.

Não demorou muito para ela descobrir que o filho, de 17 anos, estava viciado em crack e, pior, acumulando dívidas com traficantes, que têm o hábito nada ortodoxo de quitar esse tipo de débito com a execução do devedor. Por “execução”, entenda-se assassinato.

A mãe fez um imenso sacrifício e pagou um débito de R$ 800,00 que o filho tinha com o tráfico, mas novas dívidas foram contraídas.

Quando os apelos para que largasse o vício se tornaram inúteis, a mãe, num gesto de desespero, avisou que iria procurar a polícia.

“Se você fizer isso, eu te dou um tiro na cara”, foi a resposta do filho.

O rapaz não estava blefando.

Ao encontrar um revólver no quarto do filho, ela constatou que ele havia subido mais um perigoso degrau na escala natural do vício: ele provavelmente estava cometendo assaltos para conseguir dinheiro ou qualquer objeto (relógios, celulares, tênis, etc.) para trocar pelas pedras de crack.

Deve ter percebido também que a expressão “eu te dou um tiro na cara” não era apenas um desabafo de quem já perdeu qualquer respeito pele mãe.

Era uma ameaça real.

Tão real que, ao dar pela falta do revólver, que a mãe havia escondido, o rapaz passou a quebrar objetos da casa e a agredi-la fisicamente.

Solução: a mãe chamou a polícia e entregou o próprio filho. Como é menor e não pode ficar preso, ela pediu que ele seja internado num centro de reabilitação, instituição de efeito duvidoso, mas que se apresenta como única alternativa.

“É melhor ver meu filho preso do que ver ele morto”, desabafou a mãe, incapaz de admitir (de novo pelo instinto maternal) de que nessa história havia grandes chances de que poderia morrer pelas mãos do filho a quem deu a vida.

Essa história da vida real, que se repete à exaustão, só terá fim quando as autoridades (in)competentes e a sociedade (des)organizada se derem conta de que o crack é um caso de calamidade pública.

Uma imensa, ameaçadora, e devastadora calamidade.

Daniel Thame é jornalista, blogueiro e autor de “Vassoura”, que será lançado em breve.

ASSASSINOS DE LACERDA PERMANECEM IMPUNES

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um ano depois da morte do aposentado Zenildo Lacerda, 62, a polícia de Itabuna ainda não conseguiu prender os autores do crime. Uma missa na Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Itabuna, lembrará os 12 meses sem Zenildo. Familiares e amigos participam do ato religioso, às 9h.

O assassinato ocorreu na noite do dia 25 de abril do ano passado. Zenildo estava com a esposa no bar Amarelinho, na rua Almirante Barroso, centro da cidade. Um homem desceu de uma moto e atirou três vezes no aposentado, que teve morte instantânea.

Dos disparos, dois atingiram Zenildo. Ele estava de costas para a rua, sentado na calçada e foi surpreendido. O atirador abandonou a moto e fugiu em um Fiat Uno. Dois homens davam cobertura ao assassino.

Zenildo Lacerda era uma morte anunciada desde que começou a investigar a execução do filho, Neto Lacerda, morto na praça do Trabalho, no Pontalzinho, em março de 2006. O aposentado denunciou os nomes dos envolvidos no crime.

Quando a polícia chegou a um dos denunciados, este encontrava-se com um salvo-conduto expedido por um juiz itabunense. Zenildo Lacerda descobriu os nomes dos supostos criminosos após rastrear a movimentação de cheques que estavam em mãos do filho, assinado em 2006.

Por conta da impunidade no caso, apesar das provas contra os autores dos dois crimes, a família teme se pronunciar publicamente sobre as investigações.

ADRIANO RESPONSABILIZA A PM POR VIOLÊNCIA EM BARRO PRETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O prefeito de Barro Preto, Adriano Clementino (PMDB), culpou o comando do 15º Batalhão da Polícia Militar pela violência que imperou na festa de aniversário da cidade, no último sábado (17). Duas pessoas foram mortas nos festejos (confira aqui).

O prefeito esclareceu que enviou ao comando, “a tempo e hora”, ofício comunicando a realização da festa e, também, a necessidade de policiamento. O ofício foi recebido pela PM às 13h35min do dia 14, conforme fac-símile.

Os crimes ocorridos no final de semana, afirma Clementino, colocaram em risco também a sua integridade física e a da sua família, pois a população, comovida, teria atribuído ao prefeito a responsabilidade pelas mortes de Ricardo Souza Santos e uma outra pessoa de prenome Pedro.

Adriano Clementino lamenta os crimes e observa que o seu governo colabora sempre com a polícia, oferecendo combustível para viatura e casa de apoio e alimentação para policiais militares.

E A SEGURANÇA, Ó…

Tempo de leitura: < 1 minuto

O casal de apresentadores Kelly Dourado e Frankvaldo Lima foi à Usemi, no São Caetano, para receber homenagem pela cobertura da Copa Verão de Futebol. Ao sair da festa, nesta noite, Kelly e Frankvaldo encontraram o carro arrombado. Os donos do alheio levaram CD player e máquina fotográfica.

Ladrões levam CD player e máquina (Foto Fábio Roberto).

BALA PERDIDA ATINGE CRIANÇA; “PITY” É ASSASSINADO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Uma criança que estava na porta de casa acabou atingida por uma bala perdida nesta noite de terça-feira, 13, no bairro Nova Ferradas, em Itabuna. Lucas Dias, de 7 anos, foi levado para o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (Hblem).

Ele estava próximo de Wallace Xavier, “Pity”, que acabou morto com oito tiros disparados por dois homens. Pity era velho conhecido da polícia e acusado de homicídio.

A informação de vizinhos é de que os dois bandidos atiravam em Pity e este ainda tentava correr da dupla. Lucas brincava na rua no momento do crime. As informações são do repórter Fábio Roberto.

SEIS FOGEM DA CADEIA DE BARRO PRETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Nesta madrugada, seis presos fugiram da cadeia pública de Barro Preto, no sul da Bahia. Cinco são envolvidos com o tráfico de drogas e um é acusado de homicídio. De acordo com moradores, a cadeia não tem carcereiro nem policiais civis para fazer a custódia dos presos.

Nesta madrugada, parte dos presos se sentiu à vontade para tomar o caminho da rua. Seis preferiram ficar. De acordo com o repórter João Ailton, os fugitivos são Adenildo Vargem Barbosa, Lenomar Bernardes Oliveira, Carleandro Silva, Cléber Dias Cerqueira, Fábio Silva e Gildeon de Jesus.

Back To Top