skip to Main Content
10 de julho de 2020 | 01:28 pm

ILHÉUS: PROFESSORES APONTAM CONTRADIÇÃO DE MARÃO, QUE DEMITIU 268 SERVIDORES

Dirigentes da APPI apontam contradição de Marão, que demitiu 268 servidores
Tempo de leitura: 2 minutos

Numa nota pública dura, a Associação dos Professores Profissionais de Ilhéus (APPI) diz que o prefeito Mário Alexandre, Marão, ao falar de seu empenho para assegurar o emprego de rodoviários demitidos pela ViaMetro, comete contradição e esquece o que fez com 268 servidores públicos em 2019.

A direção da APPI reforça ser entidade defensora do emprego. “Mas de TODOS os empregos”, acrescenta. Os dirigentes da Associação dos Professores também lembra que assinou nota de repúdio às demissões de trabalhadores da ViaMetro, do Grupo Brasileiro. “O que defendemos é que os nossos representantes políticos não usem o critério de dois pesos e duas medidas, priorizando a defesa dos interesses pessoais, em detrimento ao coletivo”, ressaltam.

E acrescentam:

– O prefeito que luta pela segurança e proteção de trabalhadores de empresas privadas, não teve o mínimo receio, nem tampouco nenhum tipo de solidariedade, com servidores que hoje vivem da ajuda sincera do povo de Ilhéus, recebendo cestas básicas mensais que garantem o prato na mesa de sua família.

Marão é criticado por demitir 268 servidores em 2019|| Foto Pimenta

Abaixo, a íntegra da nota.

Ao tornar público seu empenho para garantir o emprego dos 30 trabalhadores do sistema de transporte, recém-demitidos pelas empresas concessionárias do serviço, o prefeito de Ilhéus comete uma lamentável contradição. O discurso de hoje é um contrassenso ao gesto de ontem.

Quem hoje defende o emprego como uma importante conquista do trabalhador e como instituição mantenedora da sobrevivência da família, é o mesmo que, em janeiro de 2019, decretou um afastamento em massa na Prefeitura de Ilhéus, deixando 268 pais e mães de família, todos com mais de 30 anos de serviço público, sem chão, abandonados e sem direito a absolutamente nada, após dedicarem parte da vida ao serviço público.

Importante salientar: Somos defensores do emprego. Mas de TODOS os empregos. A APPI/APLB, inclusive, assinou a nota de repúdio da CTB contra as demissões dos trabalhadores da empresa Viametro, concessionária do serviço público de transporte coletivo municipal que promoveu a demissão de 100 trabahadores (as) no dia 24 de março. O que defendemos é que os nossos representantes políticos não usem o critério de dois pesos e duas medidas, priorizando a defesa dos interesses pessoais, em detrimento ao coletivo.

Lamentável que o prefeito Mário Alexandre, neste momento tão delicado da vida de todos os ilheenses, utilize-se do discurso eleitoreiro e esqueça que lá atrás não se comportou como um gestor preocupado com os seus próprios servidores.

A solidariedade de hoje não sensibilizou a atitude de ontem. O prefeito que luta pela segurança e proteção de trabalhadores de empresas privadas, não teve o mínimo receio, nem tampouco nenhum tipo de solidariedade, com servidores que hoje vivem da ajuda sincera do povo de Ilhéus, recebendo cestas básicas mensais que garantem o prato na mesa de sua família.

É como disse o advogado e jurista baiano Rui Barbosa: “Eu não troco a justiça pela soberba. Eu não deixo o direito pela força. Eu não esqueço a fraternidade pela tolerância. Eu não substituo a fé pela superstição, a realidade pelo ídolo”.

PARA BEBETO, REFORMA DA PREVIDÊNCIA NÃO PODE ATINGIR DIREITOS

Tempo de leitura: < 1 minuto
Deputado integra grupo que apresentará modelo alternativo de reforma (foto Sérgio Frances)

Deputado integra grupo que apresentará modelo alternativo de reforma (foto Sérgio Frances)

O deputado Bebeto Galvão (PPS), ligado à corrente Força Sindical, defende um modelo de reforma da Previdência Social que preserve direitos trabalhistas. Contrário ao estabelecimento de uma idade mínima para aposentadoria, como quer o governo, o parlamentar diz ser necessário buscar outros caminhos, como o combate à sonegação e a revisão da política de renúncia fiscal que beneficia instituições filantrópicas.

“Há muitos caminhos para reverter o déficit, sem colocar em risco o direito do trabalhador”, afirma o deputado, que integra um grupo de trabalho responsável por discutir e propor sugestões sobre a reforma da Previdência ao governo.  O grupo, que apresentará suas propostas ao presidente Michel Temer no próximo dia 30, é formado principalmente por dirigentes de centrais sindicais.

A comissão se reuniu  com representantes do governo no início desta semana, no Palácio do Planalto, e reiterou a defesa da preservação dos direitos trabalhistas. Entre outros, participaram da reunião os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Fazenda, Henrique Meirelles.

TRABALHADORES FECHAM BR-101 EM ITABUNA

Tempo de leitura: < 1 minuto

protestoSindicalistas e estudantes interditaram a BR-101, em Itabuna, nesta terça-feira (10), num  protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A manifestação foi organizada pela Frente Brasil Popular, juntamente com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), sindicatos e a União da Juventude Socialista (UJS). A rodovia ficou interditada por três horas: das 6 às 9 da manhã.

Além de protestar contra o impedimento da presidente, os trabalhadores atacaram o Projeto de Lei 257/2016, que estabelece o Plano de Auxílio aos Estados e ao Distrito Federal e medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal. A proposta impõe restrições aos Estados, principalmente a redução de gastos com pessoal.

Para o vereador e presidente do Sindicato dos Comerciários de Itabuna, Jairo Araújo (PCdoB), está em curso um golpe contra os trabalhadores. “Querem acabar com os direitos da classe trabalhadora, não podemos permitir que Temer assuma e implemente seu projeto de ataque às conquistas trabalhistas”, disse ele.

As mobilizações de trabalhadores contra o impeachment acontecem hoje em cinco Estados e em Brasília.

PARA INAUGURAR UM PERÍODO NO PT

Tempo de leitura: 3 minutos

suicaLuiz Carlos Suíca

É difícil ver a estrada com fumaça ou com neblina, nesses casos é preciso se manter equilibrado e alerta. Assim temos atravessado a crise política e econômica brasileira, iniciada em 2015. E no momento de definição a respeito do impedimento, o povo e os movimentos precisam de uma nova atitude. Muitos são os debates internos do PT desde que me filiei, há 20 anos, e digo para todos que muito me orgulho em ter sido forjado por este partido, que foi um instrumento para que lideranças negras e populares pudessem implementar uma nova política, com mais atenção às periferias, cito a presença de Benedita da Silva, Vicentinho, Valmir Assunção, Senador Paim, Marina Silva, Lula e o próprio Rui Costa, como políticos que tiveram acessão dos movimentos de base.

Outro ponto fundamental no PT é a democracia interna. O único partido na história recente do Brasil que possui mecanismos consolidados – mesmo com suas eventuais falhas – de consulta direta ao filiado. Sem falar que sempre foi um partido de debate. Um espaço que reúne uma diversidade de tendências e setores sociais e profissionais, que compõem o PT e participam em diversos congressos, encontros, escolas de formação e grupos setoriais.

Desde o ascenso governamental, muitas questões internas se colocaram, especialmente a forma prática de lidar com a autonomia na relação entre partido, movimentos sociais, parlamento e governo. A tese majoritária que tem sido vitoriosa ao longo das gestões de Lula e início de Dilma apontou para garantir a unidade no PT, por meio da defesa irrestrita ao governo, apostando na ideia de que o ciclo de crescimento do partido estaria assegurado no arco de alianças forjado por Lula do primeiro para o segundo governo. Essa tese à época foi refutada por frentes como a Esperança Vermelha, porém, foi vitoriosa nos fóruns internos e nas práticas governamentais e da direção partidária ao longo dos anos.

Leia Mais

DE QUE LADO VOCÊ SAMBA?

Tempo de leitura: 2 minutos

luizLuiz Carlos Junior | lcjr65@gmail.com

 

Apesar de muita gente propalar o fim da luta de classes, ela continua existindo e continuará a existir enquanto existir o sistema capitalista.

 

Sempre lamento os comentários postados no Pimenta. Há sempre o predomínio de um pensamento retrógrado, conservador. Sempre há um ataque vigoroso às camadas mais marginalizadas e exploradas. Trabalhadores, mulheres, negros, homossexuais são os alvos principais.

Questionam o papel dos sindicatos. Quem não é dono de sauna (vive do suor alheio) sabe bem qual a importância do sindicato. Quem é assalariado sabe quem garante o reajuste, o ganho real, o vale-transporte, as folgas. Porque qualquer trabalhador que abra a boca pra reclamar de qualquer injustiça com o patrão será sumariamente demitido – “tem um exército de excluídos doidos pra ocupar o seu lugar” – dirá o patronato. O projeto de lei 4330, que pretende regulamentar a terceirização sem limites, está prestes a ser engavetado graças à pressão das centrais sindicais, mas a mídia não dá a menor pelota pra isso.

Quando as centrais realizaram manifestação contra o PL 4330, as tevês só cobriram porque as rodovias foram interditadas. Quando os operários e operárias da Trifil largaram a produção e saíram em cortejo do bairro Nova Itabuna até o cemitério, rumo ao enterro do operário sugado por uma centrifuga na Trifil, uma emissora local afirmou que “não tinha equipe para cobrir o acontecimento”. E eu também quero saber: por que as câmeras de segurança não mostram quando o sindicalista foi ameaçado de morte? Televisão é simulacro!

Quem gera emprego acumula capital às custas da exploração dos trabalhadores (e não estou falando de mais valia). Gerar emprego não dá direto a humilhar, explorar, obrigar seus funcionários a fazer horas extras e muitas vezes não pagar pelas horas trabalhadas, pois esta é a prática recorrente no comércio de Itabuna. Se perguntarem para os comerciários se eles preferem fazer hora extra ou folgar, a resposta é imediata: folga, porque não há garantia nenhuma de que vão receber pela hora extra trabalhada. Não por acaso, o não pagamento de horas extras é o campeão entre as denúncias que chegam ao sindicato.

Apesar de muita gente propalar o fim da luta de classes, ela continua existindo e continuará a existir enquanto existir o sistema capitalista, isto é inquestionável. Resta saber de que lado você samba. Os leitores do Pimenta sempre sambam do lado dos patrões, dos homofóbicos, dos machistas e reacionários em geral. #fato.

Ps: O feriado do Dia do Comerciário (30/10) é municipal e sua antecipação interessa ao segmento patronal. #ficadica.

Luiz Carlos Jr. é assessor do Sindicato dos Comerciários.

 

CENTRAIS PROMOVEM ATO EM ITABUNA HOJE

Tempo de leitura: < 1 minuto
Centrais

Representantes das centrais sindicais CUT, CTB e Força, além da UJS e Juventude PT se reuniram para definir detalhes e avaliar os preparativos para o Dia Nacional de Luta (11 de Julho) em Itabuna. Gilson Costa, da CTB, avalia que há expectativa de grande participação dos movimentos sociais e da população. O ato está programado para as 14 horas desta quinta-feira, saindo do Jardim do Ó. Conlutas e Anel também aderiram ao Dia Nacional de Luta com Greve e Mobilizações.

JABÓQUIO AGAIN?

Tempo de leitura: < 1 minuto
Jabes: desmentido por seis sindicatos.

Jabes: desmentido por seis sindicatos.

O empresário Valderico Reis representava a novidade na eleição de 2004. Conseguiu reunir no seu entorno uma boa equipe de marketing, comandada pelo jornalista Valdomiro Júnior.
E foi da cabeça da equipe que nasceu um personagem para contar as “aventuras” do prefeito Jabes Ribeiro, que – após reeleição em 2000 – não poderia participar da disputa pelo Palácio Paranaguá naquele ano, indicando Soane Nazaré para a peleja. O personagem ganhou o apelido de “Jabóquio”. Para a campanha do empresário, Jabes era chegada a, “vez em quando”, faltar com a verdade.
Hoje, o personagem ressurgiu via representações do funcionalismo público municipal. Nada menos que seis sindicatos emitiram nota para desmentir o prefeito Jabes Ribeiro e afirmar que, em nenhum momento, foram consultados pelo governo a respeito do fim do regime celetista na gestão municipal.
“Mesmo de forma antidemocrática e unilateral, o projeto foi aprovado, sancionado e publicado sem qualquer discussão”, alerta a nota assinada pelo Sinsepi, Sindguarda, Sigmi, Sindiacs, Sindatran e APPI-APLB-Sindicato (confira a íntegra mais abaixo).
Caberá ao prefeito explicar a “pegadinha” contra os quatro mil servidores municipais representados pelos seis sindicatos.
Em tempo: A Câmara de Vereadores de Ilhéus precisa explicar como um projeto complexo conseguiu ser aprovado a jato.

Back To Top