skip to Main Content
4 de julho de 2020 | 12:27 am

ALTERNATIVA À ABSTINÊNCIA DO “ZAP”

Tempo de leitura: < 1 minuto
Telegram vira alternativa

Telegram vira alternativa

Diante do bloqueio do WhatsApp por determinação judicial (ver nota abaixo), usuários do aplicativo buscam alternativas para evitar uma síndrome de abstinência.

A principal alternativa é o Telegram, um similar também gratuito e que supre perfeitamente a lacuna deixada pelo “zapzap”, apelido carinhoso do aplicativo bloqueado no Brasil.

Desde ontem, acredita-se que milhões de pessoas baixaram o Telegram e outros substitutos em seus smartphones. Também se popularizam aplicativos como VPN, que driblam o bloqueio judicial e viabilizam o uso do próprio WhatsApp.

PAGAMENTO DE COMPRAS POR SMARTPHONE CHEGA AO BRASIL

Tempo de leitura: 3 minutos
Cliente poderá fazer pagamento via celular em loja física (Foto Marcello Casal Jr/ABr).

Cliente poderá fazer pagamento via celular em loja física (Foto Marcello Casal Jr/ABr).

Da Agência Brasil

Depois de desbancar o cheque na preferência dos consumidores, o cartão de plástico começa a ser ameaçado. Chegou ao Brasil a tecnologia que permite o pagamento de compras em lojas físicas por meio de smartphones.

Em vez de inserir ou passar o cartão na máquina, o cliente aproxima o celular de um leitor com a tecnologia Near Field Communication (NFC). Inicialmente disponível apenas para telefones com o sistema Android, a novidade foi lançada nesta semana pelo Banco do Brasil e vale tanto para operações de crédito quanto de débito.

Diferentemente de outros países, onde os pagamentos por telefones móveis utilizam créditos de celulares, a solução adotada pelo Banco do Brasil (BB) usa cartões virtuais atrelados ao cartão físico. Por meio do aplicativo Ourocard-e, disponível no sistema Android, o correntista pode criar quantos cartões virtuais desejar, todos atrelados ao cartão de plástico do cliente e sem a cobrança de anuidade, que vale apenas para o cartão principal.

O vencimento da fatura, os benefícios e os atributos dos cartões virtuais seguem o cartão principal. “Essa é uma tecnologia pioneira em todo o mundo”, diz o vice-presidente de Negócios de Varejo do Banco do Brasil, Raul Moreira. Desde o ano passado, o banco oferece cartões virtuais para compras em sites eletrônicos. A ferramenta agora foi estendida às lojas físicas.

A compra por meio da tecnologia NFC funciona da seguinte forma: o lojista informa o valor da compra na máquina. Em vez de entregar o cartão com seus dados ao vendedor, o cliente abre o aplicativo, escolhe o cartão virtual que deseja usar e a forma de pagamento (crédito ou débito). Para concluir a transação, o comprador aproxima o celular do leitor, digita a senha do cartão e espera a emissão do comprovante. Compras abaixo de R$ 50 dispensam a senha.

Segundo Moreira, a tecnologia não oferece risco de clonagem. Ao fazer um pagamento, o sistema emite para a máquina uma chave de segurança que elimina qualquer possibilidade de captura do número do cartão do cliente. “A segurança é a mesma dos chips instalados nos cartões de plástico. Para o lojista, a tecnologia NFC reduz as filas nos caixas porque as transações são mais rápidas que no sistema tradicional”, explica.

Para evitar contratempos em caso de perda do celular, o usuário deve seguir os procedimentos padrões para o extravio de smartphones. Basta inserir uma senha segura para o aparelho, de modo que o ladrão não consiga desbloqueá-lo, ou programar a desativação remota do smartphone.

Na primeira etapa, a novidade está disponível apenas para clientes com cartões Ourocard Visa. Em maio, os clientes do Banco do Brasil com cartões Elo também poderão criar cartões virtuais. Apesar de a tecnologia estar em fase inicial, o vice-presidente do BB diz que 70% dos terminais nos pontos de venda estão preparados para a tecnologia NFC. “Nos Estados Unidos, apenas 15% das máquinas estão adaptadas ao NFC”, compara.

Raul Moreira diz que o banco pretende estender a tecnologia aos smartphones com os sistemas iOS (da Apple) e Windows Phone. No entanto, ainda não existe data para que a funcionalidade seja incorporada a esses aparelhos. “Decidimos dar prioridade ao Android, que responde por 80% do mercado brasileiro de smartphones. A utilização da ferramenta nos iPhones exige a definição de que solução a Apple pretende adotar para o NFC”, justifica.

Há uma semana usando o cartão virtual no smartphone, o engenheiro Guilherme Rodrigues, 31 anos, aprova a tecnologia. “Além de agilizar o pagamento, acho mais seguro que o cartão tradicional porque o risco de clonagem é menor”, diz. Segundo ele, a maior dificuldade, até agora, tem ocorrido com lojistas que não sabem operar o NFC: “É uma questão temporária, que vai ser resolvida quando os comerciantes se habituarem ao sistema”.

Para usar a tecnologia, é necessário ter um celular Android com função NFC. O telefone deve ter ainda sistema operacional mínimo Kit Kat 4.4.2 e acesso à internet móvel ou ao wi-fi.

CARTEIROS USARÃO SMARTPHONES PARA ATUALIZAR ENTREGAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da Agência Brasil
Até o fim do ano, cerca de 50 mil carteiros do país irão utilizar aparelhos de telefone celular com acesso à internet (smartphones) para atualizar em tempo real o status de entrega de correspondências rastreadas. A partir de maio, profissionais de 14 estados já vão receber os equipamentos para a atualização de entregas de encomendas feitas pelo Sedex 10.
Com o novo sistema, os carteiros vão poder atualizar o sistema de rastreamento pelo telefone celular, tanto na hora em que recebem a encomenda no centro de tratamento como no momento da entrega. Atualmente, essa atualização só é feita ao final do dia, quando o carteiro retorna para a central de entrega. A mudança também deverá gerar economia de papel, já que a lista de entregas do dia será disponibilizada para os carteiros no próprio smartphone.
A previsão dos Correios é investir R$ 3 milhões até o fim do ano com implantação de sistemas, compra de softwares e tecnologia da informação. O valor também inclui o treinamento dos carteiros para se adequarem à nova tecnologia, que já foi testada em cidades do interior de São Paulo. De acordo com a empresa, o novo recurso vai garantir que os clientes saibam em tempo real o status de sua encomenda e vai aumentar a qualidade e a segurança das informações sobre as entregas.
Leia mais

IPHONE 5 COMPRADO NOS EUA FICA ATÉ R$ 1 MIL MAIS BARATO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da CBN

Trazer um iPhone 5 dos Estados Unidos sai quase R$ 1 mil mais barato do que comprar o smartphone no Brasil, apesar dos impostos e da cotação do dólar. O modelo mais simples, com 16 GB de armazenamento, custa US$ 650 desbloqueado.

Com o imposto de 8,875% cobrado em Nova York, mais 6,38% de IOF no cartão de crédito, o aparelho sai por R$ 1.611. Mas a isenção de impostos para celulares comprados no exterior se aplica somente para um item, de uso pessoal, por viajante.

SMARTPHONES DEVEM SUPERAR COMPUTADORES EM VENDAS NO BRASIL

Tempo de leitura: < 1 minuto

Do Valor Econômico

Os smartphones caíram no gosto dos brasileiros e, pela primeira vez, vão ultrapassar as vendas de computadores no país. Segundo dados da consultoria IDC, a expectativa é de que sejam vendidos 10 milhões de smartphones neste ano, o dobro de 2010. Os micros de mesa ou desktops vão somar 7,7 milhões de unidades, e os notebooks, 8 milhões. Em 2012, a projeção é de que os celulares superem as duas categorias de computadores juntas.

Os smartphones são celulares que usam sistemas operacionais, a exemplo dos computadores, o que os diferencia dos telefones comuns. Os aparelhos são capazes de executar várias tarefas ao mesmo tempo e oferecem funções avançadas, como edição de vídeos em alta definição. O principal atrativo é a capacidade de navegar na internet com uma facilidade semelhante à de um PC.

A popularização dos smartphones é decorrência de uma combinação de motivos, que inclui maior oferta de modelos, preços em queda e promoções das operadoras nos pacotes de internet. Esses fatores permitem que os aparelhos, até recentemente considerados uma exclusividade de executivos, fiquem acessíveis a um número maior de consumidores. Há modelos para todos os gostos e bolsos. Os mais baratos custam em torno de R$ 600 e os mais caros passam de R$ 2 mil. Dependendo da operadora, os aparelhos podem até sair de graça.

Back To Top