skip to Main Content
10 de agosto de 2020 | 12:41 am

TRINDADE SOB ALTÍSSIMA PRESSÃO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Não está fácil: além de explosões, Trindade também enfrenta turbulências

Não está fácil: além de explosões, Trindade também enfrenta turbulências

A caldeira que explodiu esta semana no Restaurante Popular, no Centro de Itabuna, simboliza de certa forma a situação do secretário da Assistência Social do município, José Carlos Trindade. Pelo que se diz nos corredores do Centro Administrativo Firmino Alves, Trindade vive um momento realmente explosivo.
Para começar, o secretário ficou mal com seu partido, o PRB, por ter se recusado a apoiar o candidato a deputado estadual José de Arimatéia (ficou com Ângela Sousa, do PSD) e ter dado uma votação aquém da esperada ao deputado federal Márcio Marinho.
O problema maior, porém, ultrapassa as questões eleitorais e adentra na esfera administrativa. É que em 2014 a Secretaria de Assistência Social provavelmente terá que devolver uma alta soma financeira ao governo federal por não ter executado o objeto dos convênios firmados. Esse fato tira o sono do prefeito Claudevane Leite.
Voltando à caldeira do restaurante, há informações de que a Vigilância Sanitária e a Defesa Civil já haviam alertado a Secretaria para a necessidade de uma manutenção preventiva, mas a advertência foi solenemente ignorada.
São tantas barbeiragens que poucos apostam na sobrevivência de Trindade como secretário.

CARIDADE JÁ ERA. AGORA É IMPACTO SOCIAL

Tempo de leitura: 3 minutos

Fernando VolpiFernando Volpi
 

A ciranda das ONGs devoradoras de verbas (nem todas, felizmente) está chegando ao fim. Surgem os empreendedores sociais, com a missão de causar impacto social e ambiental como jamais seria conduzido pelos governos.

 
Em meio a tantas denúncias de má aplicação de generosas verbas para as chamadas “organizações não governamentais” com foco na inclusão social, passando pela doação disso ou daquilo, cestas básicas e outras não tão básicas, auxílio sem controle algum e benesses que beiram o desperdício, além de formação escolar ou profissional que termina exatamente onde devia começar a sua missão (dar ao assistido condições de se manter com o que aprendeu e não simplesmente torná-lo orgulhoso ou vaidoso com o que faz sem faturar absolutamente coisa alguma e sem nenhuma perspectiva de crescimento), em meio a tudo isso e muito mais, vemos surgir uma nova corrente – felizmente e graças a Deus – que nada tem de ONG: são os empreendedores sociais.
Muitas empresas assim identificadas, notadamente no exterior e ainda timidamente no Brasil, já começam a ter mais impacto do que as ONGs e tendem a ganhar mais notoriedade pela eficaz contribuição aos setores da sociedade em que o poder se retirou (ou nunca esteve) ou não conseguiu atuar de modo eficiente enquanto terceirizava para ONGs criadas em cima da hora e no “jeitinho” certo para abocanhar estratosféricas verbas oficiais ou do setor privado desavisado. Para isso, já efervescia até um comércio de CNPJ com mais de três anos de registro, conforme a legislação exige para as dotações fermentadas na ganância e na corrupção.

Leia Mais

O DESENVOLVIMENTO EMPOBRECEDOR DE ITACARÉ

Tempo de leitura: 2 minutos

O turismo em Itacaré tem se caracterizado por ser ecologicamente predatório, economicamente concentrador, socialmente iníquo e culturalmente alienante”.

 

Economista aponta danos causados pelo turismo sem planejamento em Itacaré (foto Pimenta)

Economista aponta danos causados pelo turismo sem planejamento em Itacaré (foto Pimenta)

O aumento do fluxo turístico ocorrido nos últimos anos em Itacaré, no litoral sul da Bahia, e a falta de planejamento da atividade turística, têm provocado um desenvolvimento “empobrecedor”, que ameaça o ciclo turístico na região. Esse é o diagnóstico do economista Elton Silva Oliveira, que é mestre em cultura e turismo, pesquisador independente e socioambientalista. A conclusão está em sua tese desenvolvida no Mestrado em Cultura e Turismo, do extinto programa da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) / Universidade Federal da Bahia (Ufba).
Ex-integrante do Núcleo Temático de Turismo para o Desenvolvimento Regional da Uesc (NTT/UESC), o economista aponta os impactos socioambientais e econômicos do turismo em Itacaré e seus reflexos no desenvolvimento local. Para Oliveira, “o turismo em Itacaré tem se caracterizado por ser ecologicamente predatório, economicamente concentrador, socialmente iníquo e culturalmente alienante”.
O pesquisador observa que houve melhora sensível no IDH de Itacaré, mas, por outro lado, condena a forma como a atividade turística  se estabeleceu no município, gerando aumento do custo de vida, degradação ambiental, elevação dos índices de criminalidade, prostituição, tráfico de drogas, violência, especulação imobiliária, importação de mão-de-obra e ocupação urbana desordenada.

Leia Mais

INSCRIÇÕES PARA O "MINHA CASA, MINHA VIDA" ABERTAS ATÉ O DIA 31

Tempo de leitura: < 1 minuto
Conjuntos residenciais Jardim América I e II (foto Carol Garcia)

Conjuntos residenciais Jardim América I e II (foto Carol Garcia)

A Prefeitura de Itabuna mantém abertas até o dia 31 deste mês, em sua página na internet, as inscrições para o Programa Minha, Casa Minha Vida. De acordo com a Secretaria da Assistência Social, serão construídas este ano 2.052 novas unidades habitacionais no município. Os imóveis, destinados às famílias com renda mensal de até R$ 1.600, serão construídos na área da Fazenda São José, em Ferradas, e irão integrar os condomínios residenciais Jubiabá (com 996 apartamentos) e Gabriela (com 1.056 unidades).
A previsão do governo é de que os empreendimentos sejam entregues no segundo semestre deste ano. Têm prioridade famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social, como as moradoras de regiões ribeirinhas. Os conjuntos habitacionais terão áreas de lazer, quadra, quiosque e parque infantil. Cada apartamento é dividido em dois quartos, sala, cozinha e área de serviço. O projeto prevê ainda implantação de serviços de saúde, educação e social.
O investimento na construção dos dois condomínios será de aproximadamente R$ 130 milhões. A Prefeitura tem como contrapartida a instalação de rede de esgoto e pavimentação da via de acesso aos imóveis. No ano passado, foram entregues cerca de mil apartamentos do conjunto residencial Jardim América I e II, no bairro Nova Califórnia.

CADASTRO FACILITA ACESSO A PROGRAMAS SOCIAIS EM CANAVIEIRAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Trabalhadores rurais, quilombolas, povos indígenas, extrativistas, pescadores e assentados da reforma agrária de Canavieiras podem obter, até este sábado (2), a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP). O cadastramento acontece das 7h30 às 17h, no escritório local da EBDA (Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola), no Centro da cidade.

De acordo com a empresa, cerca de 70 produtores já foram cadastrados e a meta é emitir 200 declarações. “O documento é essencial para que o agricultor familiar ou pescador possa participar de diversos programas dos governos federal e estadual, como o Minha Casa Minha Vida Rural, que financia a compra de material de construção para moradias em área rural”, explica o técnico da EBDA, Iranilton Goés.

Para que os agricultores possam obter a DAP, é necessário apresentar documentos pessoais, documentação da terra e dados acerca de seu estabelecimento de produção, como área, número de pessoas residentes, composição da força de trabalho e da renda e endereço completo. No caso dos pescadores, é necessário apresentar atestado de função, emitido pela Bahia Pesca por meio das associações ou colônias de pesca.

O agricultor familiar que possui a DAP pode participar de todos os programas do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) voltados ao seu perfil. Dentre algumas iniciativas, destacam-se a Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), prestada pela EBDA, que ajuda no fortalecimento das atividades agrícolas. O acesso ao crédito também só é possível com a DAP, incluindo as linhas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). “Vale ressaltar que nenhuma taxa é cobrada para a obtenção da DAP”, alerta Goés.

GOVERNO COMEMORA DEZ ANOS DO BOLSA FAMÍLIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff e vários ministros participam hoje (30) de cerimônia em comemoração aos dez anos do Bolsa Família. Será às 11h no Museu da República.

Vários ministros participam da solenidade, entre eles Guido Mantega, da Fazenda, Alexandre Padilha, da Saúde, e Tereza Campello, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Também estarão presentes parlamentares e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Hoje, 13,8 milhões de famílias recebem o Bolsa Família, o que representa  50 milhões de pessoas.  Com o programa, 36 milhões de brasileiros saíram da linha de pobreza extrema.

Como parte das comemorações, será lançado às 16h, também no Museu da República, o livro Programa Bolsa Família – Uma Década de Inclusão e Cidadania. A iniciativa é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Ministério do Desenvolvimento Social. O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos e presidente do Ipea, Marcelo Neri, e a ministra Tereza Campello apresentam a obra. Os artigos reunidos na publicação traçam um panorama da evolução do programa, resgatam as principais contribuições do Bolsa Família para as políticas de assistência social e apresentam dados sobre seu impacto nos indicadores de saúde, educação e proteção social e na redução da pobreza.

SECRETARIA CADASTRA TRABALHADORES

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Balcão de Empregos, instalado na Secretaria de Desenvolvimento Social de Ilhéus, continua a receber currículos de pessoas que buscam um lugar no mercado de trabalho. O serviço monta um banco de dados com o objetivo de facilitar o contato entre empregadores e possíveis futuros empregados.

O governo local afirma que há uma expectativa de grande absorção de mão de obra em projetos como a construção da nova ponte entre o centro de Ilhéus e a zona sul, bem como em empreendimentos ligados à exploração de petróleo.

Os cadastros podem ser feitos de segunda a sexta-feira, das 8 às 13 horas, na sede da SDS.

FICC APOSTA NOS AGENTES DE CULTURA

Tempo de leitura: < 1 minuto
Roberto José, presidente da Ficc, ao lado da atriz Eva Lima (foto Thiago Pereira)

Roberto José, presidente da Ficc, ao lado da atriz Eva Lima (foto Thiago Pereira)

A Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (Ficc) está apostando no trabalho dos agentes de cultura para combater a violência nos bairros da cidade e criar novas referências para os jovens.

O tema foi tratado recentemente pelo presidente da instituição, Roberto José da Silva, em entrevista ao PIMENTA, e voltou a ser lembrado nesta quinta-feira, 17, quando a Ficc reuniu a imprensa e colaboradores para fazer um balanço dos primeiros dez meses da atual gestão e apresentar projetos.

Segundo Roberto José, os agentes de cultura têm a missão de fomentar o gosto pela arte e descobrir talentos nas comunidades, para as quais já foram selecionados 25 “operadores culturais”. Outros seis foram garimpados no Conjunto Penal de Itabuna e farão o mesmo trabalho dentro da unidade carcerária. O presidente afirma que a ação está relacionada ao projeto “Cidade de Paz”.

No encontro desta quinta-feira, a Ficc informou sobre os projetos que já cadastrou para captação de recursos junto ao Sistema de Convênios do Governo Federal (Siconv), Petrobras, Embaixada da Alemanha e Fundação Palmares, entre outras instituições. A fundação também lançou hoje o primeiro número de seu boletim informativo e manifestou apoio à campanha Outubro Rosa,  de prevenção do câncer de mama.

PREFEITO DISCUTE PROJETOS HABITACIONAIS

Tempo de leitura: 2 minutos
Comitiva de Itabuna com técnicos do Ministério das Cidades

Comitiva de Itabuna com técnicos do Ministério das Cidades

A Prefeitura de Itabuna tem a expectativa de entregar 4.500 novas moradias a famílias de baixa renda até o final do próximo ano. Os projetos habitacionais de interesse do município estão sendo discutidos no Ministério das Cidades, em Brasília, pelo prefeito Claudevane Leite.

Para viabilizar os empreendimentos, o governo municipal precisa criar as condições necessárias, como oferta de água tratada, rede de esgoto, vias de acesso pavimentadas e transporte público.  Um dos projetos é o condomínio Jorge Amado, com 2.012 apartamentos, no bairro de Ferradas, que visa contemplar famílias com renda até três salários mínimos. O conjunto habitacional, financiado com recursos do “Minha Casa, Minha Vida”, do governo federal, terá que incluir escola, creche, centro de assistência social e quadra de esportes.

“Além disso, estamos trabalhando junto à Caixa para a retomada a das obras do Condomínio Itabuna Parque, na região do bairro São Roque, e a construção do Vila São José, em Ferradas”, afirma o prefeito. Nos dois projetos, está prevista a oferta de 1.400 residências. Outros 500 apartamentos, no Jardim América II, deverão ser entregues ainda este mês.

Claudevane Leite está acompanhado em Brasília pelo vice-prefeito e secretário de Planejamento e Tecnologia de Itabuna, Wenceslau Júnior, e pelo presidente da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), Ricardo Campos. O gestor pleiteia a inclusão de Itabuna no Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR), cujo foco é a construção de moradias para pequenos agricultores.

MORADORES ISOLADOS EM CONDOMÍNIO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Moradores dizem que foram abandonados pela prefeitura

Moradores dizem que foram abandonados pela prefeitura

O “sonho da casa própria” está se tornando pesadelo para quem vive no condomínio Morada do Porto, em Ilhéus. Construído na rodovia Ilhéus – Itabuna, próximo ao Banco da Vitória, o conjunto residencial sofre com a falta de atenção do governo ilheense.

Representante da comunidade, Nildo Oliveira se queixa da demora da Secretaria Municipal da Assistência Social para viabilizar o cadastro dos moradores a programas federais. Outra queixa é a oferta insuficiente de transporte público.

Segundo Oliveira, a creche e o posto de saúde do condomínio estão fechados e, recentemente, um homem de 65 anos e uma criança de 8 faleceram em razão da demora do atendimento.

Mais uma demonstração de descaso: o Ministério das Cidades dispõe de recursos para a construção de escola e centro comunitário no condomínio, mas as obras ainda não foram iniciadas porque a Prefeitura não apresentou o projeto.

Back To Top