skip to Main Content
5 de abril de 2020 | 10:35 am

A POLÍTICA MINÚSCULA

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense

 

Fico a imaginar a imagem do Brasil lá fora, lá nos estrangeiros, como diz o povão de Deus. Dois ex-presidentes presos, troca de acusações entre os Poderes da República, declarações desastrosas de gente do primeiro escalão do governo Bolsonaro e o cotidiano noticiário da corrupção.

 

 

A primeira preocupação com a prisão de Michel Temer foi em relação ao trâmite da reforma Previdenciária nas duas Casas do Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados e Senado da República.

Se o MDB, legenda do presidiário Temer, iria causar problemas ao governo Bolsonaro como forma de vingar do calabouço a que será submetido o ex-presidente. Se os parlamentares do emedebismo, mais especificamente os temistas, ficariam rebeldes e incontroláveis.

Mas logo perceberam que o MDB não era o ponto principal no tocante às reformas que o governo Bolsonaro pretende aprovar no Parlamento, cuja tradição é a política do toma lá, dá cá.

Quem passou a assumir a preocupação maior foi o também preso Moreira Franco, ex-governador do Rio de Janeiro e político influente da era temista no Palácio do Planalto.

E agora? É a pergunta entre os senhores parlamentares, se referindo ao fato de que Moreira Franco é sogro de Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, que tem a prerrogativa regimental de pautar os projetos.

Outro detalhe é que o PT, pelo menos até ontem, foi a única legenda que condenou o ato da Polícia Federal, obviamente com o aval de Sérgio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública. O PT emitiu uma nota se posicionando contra a prisão de Michel Temer. Só faltou a palavra solidariedade.

Teremos o “Lula Livre” e o “Temer Livre” disputando quem vai ser solto primeiro, se a maior liderança do petismo ou o articulador-mor do impeachment de Dilma Rousseff.

A prisão de Temer joga um balde de água fria no discurso de que a Justiça está perseguindo Lula. Só falta a prisão de Aécio Neves para que a água fique mais gelada. O ex-presidenciável tucano parece imune diante dos rigores da lei, do “dura lex, sed lex”.

Fico a imaginar a imagem do Brasil lá fora, lá nos estrangeiros, como diz o povão de Deus. Dois ex-presidentes presos, troca de acusações entre os Poderes da República, declarações desastrosas de gente do primeiro escalão do governo Bolsonaro e o cotidiano noticiário da corrupção.

Pois é. Eles, os políticos, os com “p” minúsculo, simulacros de homens públicos, contam com a sorte de ter um povo pacífico e acomodado, sem vontade de “arrancar” suas orelhas.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

FINAL PREVISÍVEL

Tempo de leitura: 2 minutos

Marco Wense
 
 

A estrondosa rejeição de Temer, detectada nas pesquisas como a maior da história da República, vai contaminar a campanha do tucano. Se a verdade pegar, que o candidato de Temer é Alckmin, o tucano vai ter muitas dificuldades para passar de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos.

 
Um final de novela previsível: o centrão, formado pelo DEM, PR, PP, SD e o PRB, vai apoiar   o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB), que passa agora a ser o candidato de Michel Temer e do seu governo.
É esse ponto que deve ser explorado pelos adversários do continuísmo. Aliás, a torcida no “blocão” é pela manutenção da candidatura de Henrique Meirelles pelo MDB, o que serviria para disfarçar o apoio do presidente Temer e da sua turma ao ex-governador de São Paulo.
A notícia de que o centrão (ou blocão) vai ficar com Alckmin foi efusivamente comemorada no Palácio do Planalto. Aos partidos de esquerda e centro esquerda, cabe a responsabilidade de uma urgente reflexão para se chegar a um consenso em torno da imprescindível união, sob pena de um segundo turno sendo disputado entre dois nomes que representam o campo ideológico inverso.
PT, PDT, PSB e o PCdoB precisam sentar na mesma mesa e buscar um consenso em torno do melhor caminho que devem percorrer. Se Ciro Gomes errou em procurar o centrão (ou blocão), o PT, PSB e o PCdoB também cometeram seus erros, principalmente o PT quando fez de tudo para isolar Ciro na corrida presidencial. Resta agora  a busca urgente por um diálogo. O que passou, passou.
Problema maior é o que já começa a atormentar Alckmin: o tucano é o candidato do presidente Michel Temer e do MDB de Eduardo Cunha, Cabral, Geddel, Moreira Franco, Romero Jucá, Eliseu Padilha e companhia Ltda.
A estrondosa rejeição de Temer, detectada nas pesquisas como a maior da história da República, vai contaminar a campanha do tucano. Se a verdade pegar, que o candidato de Temer é Alckmin, o tucano vai ter muitas dificuldades para passar de dois dígitos nas pesquisas de intenção de votos.
Finalizo dizendo que é bom que as coisas comecem a ficar transparentes, com a definição de quem é quem, o que querem e de que lado estão.
Marco Wense é articulista político.

A INCÓGNITA PRESIDENCIAL DE 2018

Tempo de leitura: 2 minutos

Áureo Júnior | aureojunior1996@gmail.com
 
 

Neste sentido podemos inferir que, se Lula não puder registrar sua candidatura, a alternativa mais racional para o PT chegar ao poder novamente é ser vice em uma dobradinha Ciro-Haddad (PT) ou Ciro-Wagner(PT).

 
No presente ano podemos ter uma disputa presidencial sem a polarização PT x PSDB que foi constante nas últimas eleições. Se com Lula na disputa só resta saber quem será o seu adversário no segundo turno, sem ele a competição fica muito embolada entre Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Joaquim Barbosa (PSB), Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT). Como todos os citados estão pontuando razoavelmente bem, dificilmente abrirão mão de candidatura própria.
Neste sentido podemos inferir que, se Lula não puder registrar sua candidatura, a alternativa mais racional para o PT chegar ao poder novamente é ser vice em uma dobradinha Ciro-Haddad (PT) ou Ciro-Wagner(PT), pois esses dois nomes citados pelo partido para uma eventual candidatura atingiram somente 2% dos votos na última pesquisa do Datafolha.
Podemos também notar que o deputado Bolsonaro vem há muito tempo mantendo sua base de votos, que gira em torno de 15%, porém não consegue decolar. Situação essa que tende a piorar com o início dos debates, pois o mesmo tem limitações para argumentar sobre alguns assuntos como economia, por exemplo.
Também é importante lembrar que, embora não sejam protagonistas, temos outros candidatos muito interessantes, com uma boa oratória e que certamente vão enriquecer os debates, como Guilherme Boulos(PSOL), Manuela D’ávila(PCdoB), João Amoêdo(NOVO), Flávio Rocha(PRB) e o próprio presidente Michel Temer(MDB).
Áureo Júnior é estudante de Pedagogia na Faculdade Educacional da Lapa (Fael).

FECHAR A FAFEN É ATO CRIMINOSO DE TEMER E DA PETROBRAS, DIZ BEBETO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Bebeto: Fechar a Fafen é ato criminoso || Foto Divulgação

O fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia (Fafen-BA) vai provocar mais de 700 demissões na empresa pertencente à Petrobras, na Bahia. A petrolífera brasileira alega que a unidade vem gerando prejuízos anuais. O deputado federal Bebeto Galvão (PSB-BA) reagiu contra o fechamento da Fafen durante discurso na Câmara Federal, nesta semana.
Para o parlamentar, o fechamento da unidade é resultado de uma grande perseguição promovida pelo presidente da República, Michel Temer, e pelo presidente da Petrobras, Pedro Parente, aos interesses do Nordeste, em especial aos estados da Bahia e Sergipe.
– Esta atitude não vai comprometer apenas a economia dos estados e resultar no desemprego de centenas de trabalhadores petroquímicos, mas vai também incidir diretamente sobre a produção de fertilizantes brasileiros o que irá afetar a economia nacional. Isto é um ato criminoso – lamentou o deputado Bebeto.
Com o encerramento das atividades da Fafen, aumentará o número de desempregados e diminuirá a arrecadação de tributos que contribuem para a realização de políticas públicas dos estados envolvidos, na análise do parlamentar. A fábrica está, ainda, entre as principais clientes da Bahiagás, companhia de gás natural de capital misto.

"FOLHA" APONTA QUE PF E PGR POUPAM TEMER EM INQUÉRITO SOBRE PORTOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Temer é poupado pela PF e PGR, segundo a Folha || Antonio Cruz/Agência Brasil/Arquivo

Reportagem da Folha de São Paulo desta segunda-feira de Carnaval revela que o presidente Michel Temer e amigos estão sendo poupados em investigação sobre decreto do setor portuário (veja aqui). Já na última sexta (10), o diretor da Polícia Federal, Fernando Segovia, criticou a qualidade da investigação do caso. A crítica de Segovia foi feita durante entrevista à Agência Reuters. Mais que isso, Segovia indicou que o inquérito que investiga presidente, amigos e empresários poderá ser arquivado.
A reportagem é assinada por Rubens Valente. Ela aponta que várias medidas não foram tomadas, indicando que o presidente será poupado, ao se deteter apenas em aspectos formais, a exemplo de depoimentos dos investigados, e não houve quebra de sigilos bancário e fiscal dos envolvidos. A matéria atribui à PF e à Procuradoria-Geral da República as falhas na investigação.

COM MP, TEMER ENCAMINHA PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

Temer encaminha privatização da Eletrobras || Foto Antonio Cruz/Agência Brasil/Arquivo

O Diário Oficial da União publicou hoje (29) Medida Provisória (MP) que retira a proibição de privatizar a Eletrobras e suas subsidiárias de uma lei que trata do setor elétrico. A medida foi assinada pelo presidente Michel Temer ontem (28).

A MP retira da Lei 10848/2004, que trata da comercialização de energia, o artigo que excluía a Eletrobras e suas controladas – (Furnas, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), Eletronorte, Eletrosul e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) – do Programa Nacional de Desestatização.

Sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a lei tirou a Eletrobras do programa de privatização criado por seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

Esta é a terceira medida provisória editada por Temer para abrir caminho para a venda da Eletrobras. Em junho de 2016, o presidente editou a MP 735, aprovada pelo Congresso e convertida na Lei 13360/16, que facilita a transferência do controle de ativos e as privatizações de distribuidoras da Eletrobras.

Em agosto deste ano, o governo anunciou a intenção de privatizar a estatal, responsável por um terço da geração de energia no país. De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o valor patrimonial da Eletrobras é de R$ 46,2 bilhões e o total de ativos da empresa soma R$ 170,5 bilhões. Da Agência Brasil.

O TEMOR DE ACM NETO

Tempo de leitura: 2 minutos

ACM Neto e o presidente Michle Temer || Rodrigo Stuckert/Arquivo

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), deverá aguardar o desfecho do julgamento do ex-presidente Lula, no Tribunal Regional Federal, em Porto Alegre (RS), para anunciar se é ou não candidato ao Governo da Bahia.

Dentro do DEM, a leitura é a de que uma possível liberação da candidatura de Lula à presidência da República acabaria por tornar quase imbatível outra candidatura, a do governador Rui Costa. Conforme levantamentos para consumo interno, Lula chega a obter 64% das intenções de voto na Bahia, o que alavancaria o nome do petista baiano.

Do outro lado, Neto teria a oposição de Rui e Lula e somará a isso o desgaste de ter apoiado Michel Temer nas reformas trabalhista e da Previdência. E, também, ter ao seu lado aliados de “peso” como Lúcio Vieira Lima e o ex-ministro Geddel, que curte temporada como preso da Justiça. E a imagem dos R$ 51 milhões em dinheiro vivo tem outro peso considerável.

Internamente, outros nomes são testados para tirar o foco, a exemplo do prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), e Bruno Reis (MDB), vice-prefeito de Salvador. Hoje, Neto teria a seu favor o fato de contar com gestão municipal bem avaliada. Para Rui, a candidatura de Lula é o melhor dos cenários, porém terá que arbitrar tensões e evitar debandada de partidos com peso razoável, a exemplo do PR e PP.

TEMER QUER VOTAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA ATÉ INÍCIO DE 2018

Tempo de leitura: 2 minutos

Temer quer reforma votada até início de 2018

O presidente Michel Temer disse neste domingo (10) que a reforma da Previdência será aprovada, se não em 2017, “no início do ano que vem”. A declaração foi dada em entrevista, pouco antes de embarcar de volta a Brasília. O presidente viajou a Buenos Aires para participar da abertura da 11ª Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comercio (OMC), onde destacou em seu discurso que o Brasil “deixou a recessão para trás”.

“Para não dizer que não falei de flores, quero dizer que a reforma da Previdência vai muito bem. Fecharam questão já o PMDB, o PTB, o PPS [ a favor da reforma]. Hoje falei com os presidentes do PP, do PSD e agora falei com o presidente do PRD. Estão todos entusiasmados para o eventual fechamento da questão”, acrescentou.

Mesmo que não consiga suficiente apoio para aprovar a reforma em 2017, Temer assegurou que a discussão “nunca vai parar”. A declaração do presidente ocorre em meio às negociações entre o governo e os partidos da base aliada para tentar encerrar o ano com a reforma da Previdência aprovada na Câmara. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que modifica regras do sistema previdenciário, precisa do apoio de pelo menos 308 votos, em dois turnos, para ser aprovada.

Leia Mais

PARA PRESIDENTE DA COMISSÃO DE SAÚDE DA AL-BA, BARRAR CRIAÇÃO DE NOVOS CURSOS DE MEDICINA É RETROCESSO

Tempo de leitura: 2 minutos

Alex de Piatã critica medida de Temer || Foto Divulgação

O presidente da Comissão da Saúde da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Alex da Piatã (PSD), repudiou a possível medida do presidente Michel Temer (PMDB) de decretar uma moratória para impedir a abertura de novos cursos de medicina no país. A ação do peemedebista provocaria um tempo de cinco anos sem o surgimento dos cursos. Alex classificou o caso como absurdo e retrocesso.

“É um retrocesso total. Só de imaginarmos que estávamos avançando tanto em aberturas de novos cursos em todas as áreas. Um curso de medicina é importante! O presidente agora vem com essa possibilidade sem nenhuma justificativa plausível. Isso parece um discurso generalista, sem detalhes, sem números. Nada mais é do que retrocesso”, declarou.

Alex reiterou acreditar que o fato só vai encarecer os atuais custos das faculdades de medicina particulares já existentes. “Nós temos as faculdades de medicina com as mensalidades mais altas do mundo, que beiram os R$7 mil e essa medida pode deixar ainda mais caro. E temos um agravante: a suspensão também impacta as faculdades públicas que poderiam receber esses cursos”.

A medida de Temer foi revelada na sexta-feira (17) pela colunista Mônica Bergamo, da Folha , e confirmada pelo ministro da Educação, Mendonça Filho. De acordo com o ministro democrata, a medida é um clamor do setor médico. “Há um clamor dos profissionais de medicina para que se suspenda por um período determinado a abertura de novas faculdades, em nome da preservação da qualidade do ensino”, afirma o ministro.

Back To Top