skip to Main Content
14 de julho de 2020 | 06:41 pm

TEODORICO EM CARTAZ NA TENDA DO TPI

Tempo de leitura: < 1 minuto

 

Teodorico Majestade é um dos sucessos do Teatro Popular de Ilhéus (Foto Karoline Vital).

Teodorico Majestade é um marco na história do Teatro Popular de Ilhéus (Foto Karoline Vital).

A sátira em cordel Teodorico Majestade – as últimas horas de um prefeito estará em cartaz nesta sexta-feira e sábado (15 e 16), na Tenda Teatro Popular de Ilhéus (TPI). As sessões começam às 20 horas e as entradas custam R$ 20 a inteira e R$ 10 para estudantes, idosos ou titulares do Cartão TPI. A classificação indicativa é de 14 anos.

A comédia, escrita e dirigida por Romualdo Lisboa, revela as sujeiras da má política suja e a importância da mobilização popular. Na fictícia  Ilha Bela,  Teodorico Majestade se vê acuado em seu gabinete, abandonado pelos seus antigos aliados. Após uma série de desmandos e escândalos, ele tenta negociar sua permanência no poder com o povo enfurecido.

Em cartaz desde 2006, Teodorico Majestade – as últimas horas de um prefeito representa um marco histórico para os 18 anos do Teatro Popular de Ilhéus. A montagem já foi apresentada em bairros e distritos do município e em outras cidades baianas, incluindo Salvador, além de outros Estados, como Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Em 2008, recebeu duas indicações ao Prêmio Braskem de Teatro, na categoria melhor texto e melhor ator, para Ely Izidro. No ano passado, Teodorico percorreu 22 assentamentos do Território Litoral Sul.

TPI FAZ CAMPANHA DE IMPACTO POR PLATEIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

A criatividade é uma das marcas do Teatro Popular de Ilhéus (TPI). A última do grupo teatral é uma campanha em vídeo para a formação de plateia no sul da Bahia. “O rapto” mostra traz uma pessoa entendiada com a televisão.

Interpretado por Felipe de Paula, o personagem é sequestrado e encapuzado por um bando. O doce cativeiro é o teatro, mais exatamente a Tenda do TPI, na Avenida Soares Lopes. Confira a sacada da turma.

TPI INVESTE NA FIDELIZAÇÃO À CULTURA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Cartão Fidelidade TPIIdeia superbacana do Teatro Popular de Ilhéus vai pegando embalo. Trata-se de um programa de fidelidade, lançado há dois meses e que conquista novos adeptos quase diariamente.

Um cartão especial emitido pelo TPI, ao custo de R$ 15, dá direito a meia-entrada em todos os espetáculos encenados pelo grupo em sua tenda na Avenida Soares Lopes. De quebra, ainda concede 10% de desconto nas taxas de participação em cursos e oficinas realizados no espaço cultural.

A estratégia de fidelizar tem sido bastante utilizada por grandes empresas, como as de telefonia. Tem tudo para “pegar” também na cultura, que sempre precisou de boa dose de criatividade, inclusive financeira, para se manter viva.

OFICINA E ESPETÁCULO NA TENDA DO TPI

Tempo de leitura: < 1 minuto
Peça "O Amor de Clotilde..." será encenada na terça (foto Priscila Burh)

Peça “O Amor de Clotilde…” será encenada na terça (foto Priscila Burh)

O público que curte teatro tem um bom programa para este início de semana. Hoje (16), a Tenda do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) recebe a Trupe Ensaia Aqui e Acolá, de Pernambuco, que irá oferecer uma oficina de mímica e um espetáculo gratuitos.

A oficina “Mímica Corporal Dramática” será realizada a partir das 14 horas de hoje, pelo ator Jorge de Paula. Para participar, basta ter mais de 12 anos e chegar cedo, pois serão apenas 20 vagas.

Já nesta terça-feira, 17, a partir das 20 horas, a trupe encena o espetáculo O amor de Clotilde por um certo Leandro Dantas. Com entrada franca e classificação indicativa para a faixa etária a partir dos 12 anos.

DE PEDRADAS AOS APLAUSOS – 18 ANOS DO TPI

Tempo de leitura: 3 minutos

Karoline VitalKaroline Vital | karolinevital@gmail.com

O Teatro Popular de Ilhéus, que sempre se preocupou em levar ações para a periferia ilheense e a zona rural, consegue alçar voos mais longos.

A força do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) vai além da plasticidade dos seus espetáculos. É um grupo que resiste bravamente às intempéries econômicas, políticas e sociais. O primeiro espetáculo do grupo criado por Équio Reis em 1995 (a data exata ninguém se lembra com exatidão) colocou à prova os artistas sociais. Apresentando A estória engraçada e singela de Fuscão – o quase capão – e o cabo eleitoral, o elenco precisou fugir da “plateia” enfurecida, no bairro Teotônio Vilela.

A primeira peça do grupo era encenada na rua, entre os transeuntes desavisados que estavam em meio ao palco. O enredo era baseado no drama de um homem passando mal que não recebia atendimento porque um puxa-saco de político queria promover seu candidato. O “público” enfurecido reagiu à situação esdrúxula dando uma carreira nos atores, atirando pedras e concedendo predicados impublicáveis. A provocação do espetáculo surtiu efeito, já que o povo demonstrou saber como reagir às injustiças.

Desde então, é impossível assistir aos espetáculos do Teatro Popular de Ilhéus e não sentir a pulsação da essência do grupo em cada cena: a arte como instrumento de transformação social. Mas é assistir de verdade, saboreando com os sentidos cada fala, movimento, música, luz, etc. A valorização da cultura popular, o discurso crítico que coloca o povo como protagonista, a provocação sobre as posturas da comunidade, o sonho de um mundo mais justo. Esses são os temperos básicos de cada montagem, independente da idade do público.

O Teatro Popular de Ilhéus é formado por uma turma que carrega ideais acima de vaidades. No TPI, não há espaço para estrelas ou vedetes e, com modéstia, todos trabalham para promover o conteúdo das montagens. Capitaneados com a ousadia de Romualdo Lisboa, desde o falecimento de Équio em 2001, seguem remando contra a maré do entretenimento vazio, da alienação ideológica e desvalorização das riquezas da nossa terra, da falta de apoio financeiro.

É incrível ver como o Teatro Popular de Ilhéus, mesmo com recursos limitados, mantém o único espaço cultural da região com programação regular não só de espetáculos, mas que oferece cursos e oficinas artísticas. Um grupo do interior da Bahia que possui cinco peças em seu repertório atual e mais de 20 produções em seu currículo, todas escritas, produzidas e executadas com alta qualidade técnica. Cada montagem é uma gestação e um parto, embasada em pesquisas científicas, apoio técnico de acadêmicos, preparação de corpo e voz com profissionais, além de muita inventividade.

Mesmo primando pela excelência, nem sempre o TPI conta com a atenção do público local ou de agentes financiadores que desejem investir em um produto cultural tão vivo e instigante. Os apoios financeiros dos governos Estadual e Federal garantem a estrutura básica para execução das ações. Através dos editais, conseguem financiar algumas atividades, escrevendo e submetendo mais de 20 projetos por ano. Porém, a falta de visão e interesse da iniciativa privada não permite a ampliação dos projetos planejados para beneficiar toda uma região, agregando diferentes grupos, artistas, linguagens e fortalecendo a nossa identidade cultural.

O Teatro Popular de Ilhéus, que sempre se preocupou em levar ações para a periferia ilheense e a zona rural, consegue alçar voos mais longos. Já pousou em outras cidades do interior baiano e até do sertão de Alagoas e deixou sua marca nos palcos de grandes capitais como Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. Mas, ao invés de despertar vaidade pelos aplausos e reconhecimento nacional, o amadurecimento reforçou o sentimento de responsabilidade sociocultural com sua terra mãe.

Eu sou muito feliz por fazer parte de um grupo que não carrega um discurso individualista. Em cada pequena revolução que promove, o Teatro Popular de Ilhéus lança sementes de ideias por um mundo melhor. E isso me enche de orgulho.

Karoline Vital é jornalista e coordenadora de Comunicação do Teatro Popular de Ilhéus.

“TEODORICO MAJESTADE” NA TENDA DO TPI

Tempo de leitura: 2 minutos
Peça do Teatro Popular fica em cartaz até este sábado (3) na Tenda do TPI (Foto Karoline Vital).

Peça do Teatro Popular fica em cartaz até este sábado (3) na Tenda do TPI (Foto Karoline Vital).

Cena de Teodorico Majestade... (Foto Karoline Vital).

Cena de Teodorico Majestade… (Foto Karoline Vital).

O Teatro Popular de Ilhéus (TPI) entra na maioridade. Revolução na linguagem e no fazer teatro no sul da Bahia, o TPI completa 18 anos de atividades neste mês. A “maioridade” é comemorada com programação especial que inclui peças que foram sucesso nacional.

A festa começou ontem (1º) e vai até o final de agosto. Na abertura, Teodorico Majestade – as última horas de um prefeito, a partir das 20 horas, na Tenda do TPI. O ingresso para a sátira custa R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia) e tem classificação indicativa de 14 anos. A peça fica em cartaz até amanhã (3).

Na próxima semana, o público poderá assistir ao Auto do Boi da Cara Preta, de 8 a 10, com classificação livre. É espetáculo para todas as idades. Na sequência, o TPI traz a 1789, que estreou com sucesso em julho e retrata a revolta de escravos de Rio de Engenho, em Ilhéus (dia 15, 16 e 17).

A sequência tem Lendas da Lagoa Encantada, de 22 a 24, encerrando com a comédia O Inspetor Geral, dias 29, 30 e 31. Os ingressos para assistir às produções do TPI podem ser pagos com cartão de crédito ou débito. A tenda fica na Avenida Soares Lopes, ao lado do Centro de Convenções de Ilhéus.

EMPREENDEDORISMO DO TPI ATRAI SEBRAE

Tempo de leitura: 2 minutos
Lendas da Lagoa foi uma das atrações do novo espaço do TPI (Foto Karoline Vital).

Lendas da Lagoa foi uma das atrações da estreia da Tenda do TPI (Foto Karoline Vital).

A apresentação do novo espaço e da programação de abril do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) emocionaram o público no último final de semana. Agora, os projetos e ações do TPI têm nova casa, uma tenda na Avenida Soares Lopes, classificada como um marco histórico pelo diretor Romualdo Lisboa. “É o início da luta por nossa sede própria, que comporte nossas ações e dê a possibilidade de ampliarmos nosso trabalho”.
Pelos próximos três meses, a tenda será patrocinada pelo Sebrae. A coordenadora regional do serviço de apoio a micro e pequenas empresas, Claudiana Figueiredo, destacou o pontecial criativo e a riqueza imaterial do sul da Bahia. Segundo Claudiana, o Teatro Popular de Ilhéus é “referência regional como empreendedor cultural e o Sebrae está aberto como parceiro na busca por investidores”.
O Sebrae assumiu os custos com o aluguel da tenda pelos próximos três meses, período no qual o TPI vai trabalhar na captação de recursos para manter o espaço por meio de financiamentos via leis de incentivo à cultura.
O TPI, aliás, mostra ousadia com o lançamento do Aldeia das Artes, projeto cultural que envolverá, além de teatro e circo, ocas de estrutura metálica para atividades culturais e ações voltadas à economia criativa. O arquiteto Carl Von Hauenschild diz que a ideia de parque, na Soares Lopes, “não beneficiará apenas o grupo, mas a região sulbaiana”. Hauenschild apresentou a concepção do parque cultural.
PROGRAMAÇÃO
A programação da tenda do TPI tem nesta terça, 9, às 19 horas, a exibição do documentário Os magníficos, dentro da proposta do Cineclube Équio Reis. A entrada é franca. Amanhã, na mostra Mondrongo Filmes, haverá exibição de vídeos produzidos ou apoiados pelo núcleo de produção audiovisual do TPI.

INSCRIÇÕES PARA CURSOS E OFICINAS ARTÍSTICAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Teatro Popular de Ilhéus encerra no dia 28 as inscrições para seus cursos e oficinas artísticas, visando à formação de turmas que começam a ter aulas em março. Ha vagas para os cursos de bateria e percussão, dança criativa para crianças e jovens, canto popular, violão e guitarra, instrumentos de sopro e dança afro.
As inscrições podem ser feitas na Casa dos Artistas, de segunda a sexta, das 14 às 18 horas. É possível ainda obter informações pelo telefone 73.4102-0580.

CURSOS E OFICINAS DO TEATRO POPULAR

Tempo de leitura: < 1 minuto

Quem tiver interesse em aprender a tocar um instrumento musical, dançar ou ainda conhecer técnicas para aperfeiçoar o canto tem na Casa dos Artistas de Ilhéus um lugar ideal. Os cursos e oficinas oferecidos pelo Teatro Popular estão com inscrições abertas para pessoas de todas as idades, com atendimento das 14 às 18 horas.
Entre os cursos está o de bateria e percussão, ministrado pelo mestre Sabará sempre às sextas-feiras, em dois horários: 9h às 11h e 14h às 16h. Há ainda a oficina de canto popular, com Eloah Monteiro, e o curso de dança criativa (este para crianças e adolescentes), sob a condução da professora Érica Ocké. Pessoas de qualquer faixa etária podem se matricualr no curso de dança afrobrasileira, ministrado pela professora Neide Rodrigues.
Mais informações pelo telefone 73.4102-0580.

A HISTÓRIA DE ILHÉUS EM DEBATE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um dos episódios mais fortes da história de Ilhéus no período colonial segue como objetivo de um interessante debate dentro do projeto Improviso, Oxente!, do Teatro Popular. Nesta quinta-feira, 29, a partir das 19 horas, na Casa dos Artistas, as discussões sobre a revolta dos escravos do Engenho de Santana, ocorrida em 1789, terão a participação do professor Marcelo Henrique Dias.

O Improviso irá analisar a carta de reivindicações escrita pelos escravos naquela rebelião, que reagia à opressão e às terríveis condições de trabalho no engenho.

As discussões sobre esse tema servirão como base na construção da peça 1789 – Rio do Engenho – Uma revolução histórica.  Escrita e dirigida por Romualdo Lisboa, a montagem contará a história da revolta de escravos que é considerada a primeira “greve” do Brasil. A estreia do espetáculo está prevista para março de 2013.

Back To Top