skip to Main Content
17 de janeiro de 2021 | 04:33 pm

E LÁ SE VAI ODILON PINTO FORA DO COMBINADO

O professor e comunicador Odilon Pinto e dois de seus filhos
Tempo de leitura: 4 minutos

Aos 72 anos, com a diabetes aperreando, morreu vítima de infarto, deixando um legado importante para a comunicação e a educação do Sul da Bahia. Mais um exemplo de vida que nos deixa fora do combinado.

 

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Até parece que foi combinado: Na terça-feira (12) o jornalista Tyrone Perrucho nos deixa aqui neste mundo, e na quarta-feira (13), sem qualquer aviso-prévio, toma o mesmo caminho o radialista, jornalista e professor Odilon Pinto. Além da tristeza e saudade, passo a me considerar um estranho obituarista – função que existe numa redação – essencial para informar os que partem.

Mas como dizia Odilon Pinto: “Rosário, o jornalista é o grande secretário da sociedade, o encarregado de lavrar a ata dos feitos deste mundo, sejam eles bons ou ruins, não importam, têm que ser anotados”. Há alguns anos que não via e nem tinha notícia de Odilon, que há muito se transformou numa pessoa caseira, com o ofício de cuidar da diabetes que lhe acometia e da Língua Portuguesa.

Odilon Pinto era uma artista nato, um homem show, que dedilhava o violão, tocava “sanfona” ou outro tipo de instrumento, amparado por sua voz a cantar músicas de todos gêneros, como já fizera em bandas regionais. A partir dos anos 70, se dedicou às músicas para o homem do campo, como uma extensão do programa De Fazenda em Fazenda, produzido pela Divisão de Comunicação da Ceplac (Dicom).

Narrar, em poucas palavras, a que se prestava o De Fazenda em Fazenda é essencial para conhecermos mais Odilon e sua atuação para agregar todo o pacote tecnológico da Ceplac às fazendas de cacau, convencendo produtores e trabalhadores rurais. Era a comunicação de apoio dos extensionistas, com uma linguagem apropriada para que as práticas agrícolas fossem feitas em sua plenitude. Esse era o nosso mister.

E Odilon chegou à Ceplac com uma bagagem importante: saber se comunicar de forma simples, direta, de igual para igual com os homens que permaneciam no campo e aqueles que se mudaram para a cidade. Esse traquejo vinha da sua larga militância no PCdoB, o que lhe rendeu, além de um grande conhecimento sociológico e antropológico, alguns dissabores, a exemplo do convívio no xadrez por ordem das autoridades militares.

E a necessidade da Ceplac – ainda nos anos de chumbo – e o cabedal de conhecimento de Odilon casaram-se perfeitamente. Com o programa radiofônico em alta, foram aparecendo seus subprodutos, como o “Forró do Mata o Veio” e o programa radiofônico Namoro no Rádio, que encantava a todos. Lembro bem que recebíamos até 700 cartas por semana, correspondências estas enviadas das roças por pessoas pouco alfabetizadas.

E a finalização do De Fazenda em Fazenda era a apoteose com o quadro “Vida na Roça”, tirado das singelas cartas, com toda a verve de Odilon, fazendo com que muitos chorassem. Chegaram as mudanças políticas em nível nacional, eis que a nova direção da Ceplac resolve trocar a veiculação do programa, tirando-o da Rádio Jornal de Itabuna e levando-o para a Rádio Difusora de Itabuna.

Nadando contra a correnteza, Odilon se nega a apresentar o programa na nova emissora e cria o programa Na Fazenda do Odilon, continuando na Rádio Jornal, apesar da ameaça do desemprego. Enquanto isso, continua dando suas aulas de português em diversos colégios de Itabuna, na atual Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Odilon era diplomado em Letras e mestre e doutor em Literatura e Linguística.

Sem perder a simplicidade, continuou apresentando seu programa das 4 às 6h40min, dando aulas nos colégios e universidade, por muitas vezes fazendo esse périplo a pé e de ônibus, numa demonstração de como administrar seu tempo. Volta e meia a diabetes lhe consumia, e ele resolvia tocar o barco pra frente, com mais uma atividade, a exemplo de uma assessoria de comunicação e até ingressar na política.

Esse seu conceito e densidade eleitoral chega aos ouvidos do então candidato a governador Pedro Irujo, que o filia ao PRN e o faz candidato a deputado estadual, com a possibilidade de estar entre os mais votados, conforme as pesquisas. Como não poderia apresentar seus dois programas, substituo-o, mantendo o mesmo estilo, enquanto ele viajava dia e noite para manter o contato com os eleitores.

Disparado nas pesquisas, Odilon comete o pecado de não planejar a famosa boca de urna, e no dia da eleição sai de casa apenas para votar e aguardar a apuração. O resultado não poderia ser dos piores, todas as suas intenções de voto foram providencialmente trocadas nas entradas das cidades, comandadas pelos prefeitos e seus cabos eleitorais, com polpudas ofertas em dinheiro ou outros bens de consumo.

A fragorosa derrota não abalou Odilon, que continuou seu labor no rádio e nas salas de aula. Anos depois, retorna ao seu antigo partido, o PCdoB, porém não se aventura a outra candidatura. E assim esse piauiense tocava sua vida, sem reclamar da sorte, nem mesmo dos períodos em que passou fugitivo trabalhando na zona rural, ou na prisão, onde sofreu todos os tipos de tortura.

Assim como o colega Tyrone Perrucho, Odilon Pinto de Mesquita Filho era agnóstico, mas convivia com as crenças. Sonhava com o delta do Parnaíba, no qual passou parte de sua vida, que levava na esportiva. Numa das nossas muitas viagens, uma delas à Amazônia, não perdia a fleuma em nos acompanhar – a mim e ao fotógrafo Águido Ferreira – nas incursões aos bares e restaurantes, mesmo que tivesse de tomar duas doses de insulina.

Com o tempo, passou a apresentação do programa na Fazenda do Odilon para o filho Rivamar e se dedicou exclusivamente à educação, aos livros e aos artigos que escrevia para o Diário Bahia. Aos 72 anos, com a diabetes aperreando, morreu vítima de infarto, deixando um legado importante para a comunicação e a educação do Sul da Bahia. Mais um exemplo de vida que nos deixa fora do combinado.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado e mantém o blog walmirrosario.blogspot.com.br

PROFESSOR ODILON PINTO MORRE E DEIXA MUITAS HISTÓRIAS NO SUL DA BAHIA

Sul da Bahia perde Odilon Pinto|| Foto Celina Santos/Diário Bahia
Tempo de leitura: < 1 minuto

Itabuna perdeu, nesta quarta-feira (13), um dos seus maiores comunicadores. Muito conhecido no sul da Bahia, principalmente pelos moradores mais velhos da zona rural, o radialista, escritor e professor Odilon Pinto faleceu aos 72 anos. Ele foi vítima de infarto.

Odilon Pinto Mesquita Filho era uma das pessoas mais queridas do rádio regional, tendo comandado, durante décadas, o programa de Fazenda em Fazenda, líder absoluto nas madrugadas e manhãs da Rádio Jornal. Mas também será sempre lembrado na área educacional. Ele lecionou em escolas públicas e faculdades de Itabuna, além da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

Formado em Letras, doutor em Linguística, Odilon Pinto era de uma simplicidade impressionante. “Enquanto tem muita gente sem o título exigindo ser tratado como doutor, o mestre Odilon nunca teve essa vaidade. Em uma das aulas, eu tive a ousadia de falar: doutor, professor Odilon Pinto. Ele, educadamente, respondeu: só professor, Ailton”, recorda-se o jornalista Ailton Silva.

Era dedicado no que fazia e sabia transmitir conhecimento. “Eu tive a sorte grande de ter sido aluno dele no antigo Colégio Polivalente de Itabuna, no Curso de Técnico em Redator e, anos depois, no Curso de Jornalismo, na faculdade. Sempre tive um respeito enorme e a minha admiração será eterna”, afirma Silva.

Odilon não era apenas um comunicador espetacular e excelente professor, mas resenhista de primeira. “Certa vez, numa aula de Língua Portuguesa, focado em passar bem o conteúdo, Odilon lançou várias perguntas para a turma. Uma das indagações foi sobre a perda do trema, na palavra sequestro, quando o Acordo Ortográfico entrasse em vigor. A turma inteira e professor deram muitas gargalhadas quando uma colega, na resenha, disse que o sinal gráfico cometeria o próprio sequestro. Essa é só uma das muitas resenhas na aula dele”, conta o jornalista.

CAMINHO PARA O BRASIL É FORTALECER GESTÃO LOCAL, DIZ PRESIDENTE DA CNM

Tempo de leitura: 3 minutos

O 2º Seminário Novos Gestores 2021-2024, realizado pela Associação dos Municípios da Região Cacaueira (Amurc) e Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) continua nesta terça-feira (8) com painéis abordando temas específicos da Gestão Pública Municipal. O evento online teve início nesta segunda (7), com a participação de autoridades e parceiros das instituições, a exemplo do presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi, que avaliou o cenário da Gestão Pública diante da pandemia do novo coronavírus.

Segundo o representante nacional dos municípios, prefeitos eleitos e reeleitos terão pela frente o desafio de implementar novas ações estruturantes à Gestão Pública tendo em vista o aumento das demandas locais, após a pandemia. Nesse sentido, convocou a participação de todos que a pauta municipalista no congresso nacional e junto ao Governo Federal possa andar. “Os prefeitos, juntamente com a CNM, UPB, Amurc, terão que combinar algumas ações que teremos que implementar em 2021”, destacou o gestor.

Aroldi ressaltou ainda que a CNM trabalha em conjunto com as entidades municipalistas estaduais e microrregionais visando buscar condições mínimas para os futuros gestores conseguirem enfrentar as dificuldades. “Nós podemos melhorar o Brasil, mas só tem um caminho: trabalhar e fortalecer a gestão local, que é onde a vida acontece. Quero garantir que a Amurc, a UPB e CNM vão caminhar pelos próximos quatro anos ao lado de cada um de vocês, buscando de todas as formas amenizar e ajudar a resolver as dificuldades”, finaliza o gestor.

O presidente da Amurc, Aurelino Cunha reforçou as dificuldades enfrentadas neste ano devido à pandemia do coronavírus (Covid-19) e desejou sucesso aos novos gestores eleitos e reeleitos. “Esse seminário é muito importante aos novos gestores, principalmente nesse momento de pandemia que estamos passando. Vamos pedir força a Deus para que os novos gestores em 2021 comecem o ano com muito trabalho, responsabilidade, cada um com seus municípios”, disse.

O evento de abertura ainda contou com a participação de prefeitos e secretários municipais, o reitor da Uesc, Alessandro Santana, a reitora da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Joana Guimarães, representantes do Governo do Estado, Caixa Econômica Federal, do Instituto Federal da Bahia – Ilhéus, o presidente da UPB, Eures Ribeiro, o superintendente do Sebrae Bahia, Jorge Khoury, presidente da Rede Nacional de Consórcios, Vítor Borges, presidente da FecBahia, Claudinei Novato, e presidente do Território Litoral Sul, Carlos Alberto (Garotinho).

PROGRAMAÇÃO

O Seminário retorna às atividades nesta terça-feira, 8, das 10h às 12h, no canal da Pró-reitoria de Extensão da Uesc – https://www.youtube.com/watch?v=Pp_Zxbntax4, com a apresentação do Programa de Apoio Gerencial e Institucional às Prefeituras do Território Litoral Sul – AGIR-LS pelo Reitor da Uesc, Alessandro Fernandes de Santana e a participação dos secretários municipais de Educação, Saúde e Assistência Social, abordando as melhores práticas da Gestão Pública Municipal.

Ainda na terça, o especialista em Finanças Públicas Municipais, Eduardo Stranz da CNM vai falar sobre o cenário nacional da Educação, Saúde e da Assistência Social. Em seguida, o advogado e doutor em Direito Tributário, Harisson Leite, vai falar sobre: Como ser criativo com as receitas próprias em plena crise financeira. E, para encerrar o painel, o advogado e mestre em Ciência Política, Allah Góes, vai abordar sobre: Transição de governo, como proceder?

Leia Mais

PROFESSORA DA UESC RECEBE PRÊMIO NA ESPANHA POR TESE DE DOUTORADO

Tempo de leitura: 2 minutos

Ticiana é premiada em universidade espanhola

A tese “Analysis of the relevance of location for port activity” (Análise da relevância da localização para a atividade portuária), da professora Ticiana Grecco Zanon Moura, do Departamento de Letras e Artes da Universidade Estadual de Santa Cruz (DLA/Uesc), foi contemplada com o Prêmio Extraordinário de Doutorado do Centro Internacional de Postgrado de la Universidad de Oviedo, Espanha.

A informação foi divulgada pela instituição espanhola neste final de semana. Ticiana Moura, além de professora assistente em Negociações Internacionais no Curso de Bacharelado em Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais (LEA), é assessora de Relações Internacionais da Uesc.

Os prêmios extraordinários de doutorado, comuns entre as universidades espanholas, são outorgados quando a comunidade acadêmica da Universidade reconhece, por área de conhecimento, o mérito e a singularidade das teses de doutorado desenvolvidas na sua instituição.

Só são elegíveis as teses que receberam menção cum laude (com honra) na sua defesa. Passando por este primeiro requisito, a tese do candidato ao prêmio é avaliada por um tribunal acadêmico que leva em consideração a qualidade do trabalho de pesquisa através das contribuições científicas e/ou tecnológicas geradas pela mesma, a difusão do conhecimento através da participação em congressos, seminários e atividade em outras instituições acadêmicas.

Também é de grande importância, se a tese recebeu a distinção de “Doctorado Internacional” na sua defesa (quando o trabalho apresenta uma série de requisitos que demonstra seu grau de importância internacional).

A TESE

A tese “Analysis of the relevance of location for port activity”, de autoria da professora Ticiana Moura, defendida no Centro Internacional de Postgrado de la Universidad de Oviedo, pelo Programa de Doctorado “Economia: Instrumentos del Análisis Económico”, avalia a relevância da localização para a atividade portuária e teve como estudo de caso a Espanha. À medida que os portos têm localização geográfica fixa, este atributo condiciona o sucesso dos terminais portuários na competição pelo tráfego, bem como a configuração de corredores de carga, distribuição do tráfego entre portos e utilização de infraestruturas de transporte terrestre.

A professora Ticiana detalha que os portos são a infraestrutura que conecta a terra ao mar, e mais de 80% do comércio mundial utiliza o transporte marítimo. “A principal barreira ao comércio internacional são os custos de transporte (mais do que tarifas e outras barreiras comerciais); e o custo interno, ou seja, o acesso ao mar é um componente determinante do custo total do transporte”.

“Como resultado final da tese, entendemos que as restrições associadas a este atributo invariável são de fácil compreensão, pois auxiliam as autoridades portuárias na articulação de suas estratégias; bem como os líderes políticos na concepção de uma estratégia de transporte mais eficiente”, conclui Ticiana Moura.

MATRÍCULA NO UNIVERSIDADE PARA TODOS SERÁ ENCERRADA NESTA SEGUNDA

Matrícula no Universidade Para Todos será encerrada nesta segunda-feira (7).
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Secretaria da Educação do Estado encerra, nesta segunda-feira (7), o processo de matrícula dos selecionados no Programa Universidade para Todos (UPT). Neste ano, são ofertadas 12.105 vagas, totalizando 17.232 inscritos, nos 27 Territórios de Identidade da Bahia.

No ato da matrícula on-line o candidato contemplado preenche uma ficha contendo informações pessoais e escolares, um termo de compromisso atestando a veracidade das informações e cadastrará uma senha pessoal. No retorno às atividades na modalidade híbrida, o estudante irá fazer a comprovação com a apresentação dos documentos, constantes no Edital SEC/CEPEE 011/2020.

As atividades do UPT intensivo estão estruturadas para serem desenvolvidas, com 6h diárias de estudo, com atividades regulares e complementares, usando recursos digitais e/ou tecnologias de informação e comunicação como plataformas digitais, vídeo-aulas, aulas on-line ao vivo, lives semanais, com conteúdos preparatórios, concurso de redação, simulados, aulões virtuais interdisciplinares, repositório de aulas e trilhas de aprendizagem.

Assim como ocorre no formato presencial, na primeira semana acontecem as aulas inaugurais, que esse ano será de 8 a 11 de dezembro, oportunidade para o acolhimento dos cursistas e apresentação da metodologia das atividades do Programa.

PALESTRAS E RODAS DE CONVERSAS 

Além disso, serão promovidas palestras e rodas de conversas com apresentação das políticas de assistência e permanência estudantil, depoimentos e vivências de cursistas egressos e professores sobre a experiência do Ensino Superior, dentre outros temas.

O UPT é desenvolvido em parceria com as universidade (UNEB, UESC, UESB, UEFS e UFRB), com o objetivo de contribuir para o ingresso dos estudantes no Ensino Superior. A matrícula é feita on-line, em plataforma específica adotada por cada universidade parceira. O passo a passo para o processo em cada universidade está disponível no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br).

UESC DESCARTA AULAS PRESENCIAIS NO INÍCIO DE 2021

Tempo de leitura: 2 minutos

A Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) não terá aulas presenciais no inicio de 2021. O Conselho Universitário (Consu) da Uesc aprovou, na 67ª reunião ordinária, a retirada de pauta da minuta de resolução autorizando aulas presenciais ou híbridas.

Os conselheiros recomendaram cautela e a análise mais aprofundada de indicadores epidemiológicos antes de alguma definição, diante do recrudescimento dos casos confirmados de pessoas infectadas pelo covid-19.

O reitor Alessandro Fernandes de Santana, presidente do Consu, destacou a independência do Conselho da Uesc. “Os conselheiros decidem com maturidade e à luz do conhecimento científico”. Segundo o reitor, “a comunidade acadêmica jamais será colocada em risco” para retornar com as atividades presenciais em meio ao crescimento de casos confirmados da doença (Covid-19) na Bahia e no Brasil.

A Uesc não chegou a iniciar o ano letivo de 2020 por causa da pandemia do novo coronavírus. Foi a primeira Instituição de Ensino Superior da Bahia a suspender as suas atividades presenciais. As funções administrativas da gestão e pós-graduação permaneceram em home office.

O reitor da instituição lembrou o processo da retomada das atividades com as aulas online quando realizou uma reunião extraordinária do Conselho Superior da Universidade e, após uma ampla discussão para deliberar pelo retorno das atividades de graduação e pós-graduação, foi aprovada a Resolução permitindo a realização das aulas com auxílio de tecnologia de informação e comunicação em substituição às aulas presenciais. “Essa decisão foi tomada tendo como ponto principal a garantia da segurança da comunidade acadêmica”, frisa Alessandro Santana.

O documento foi submetido ao Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), que fez a regulamentação das atividades, como também estabeleceu um novo calendário acadêmico, que está sendo concluído no dia 22 de dezembro. A Uesc também preparou um suporte para dar auxílio aos alunos que não dispõem de acesso à internet, para que não ficassem prejudicados durante semestre excepcional”, completou o reitor.

SEMINÁRIO PARA NOVOS GESTORES MUNICIPAIS ABORDA DESAFIOS DA GESTÃO PÚBLICA NO PÓS-PANDEMIA

Presidente da CNM, Glademir Aroldi participa do seminário da Amurc e Uesc
Tempo de leitura: 2 minutos

O cenário da gestão pública municipal após a pandemia do novo coronavírus será abordado na segunda edição do Seminário Novos Gestores 2021-2024, de 7 a 11 de dezembro, das 10h às 12h e será transmitido gratuitamente pelo Canal do Youtube da Pró-Reitoria de Extensão da Uesc. O evento online contará com a participação de autoridades regionais e especialistas das áreas de Direito, Contabilidade, Administração Pública, Educação, Saúde, Assistência Social, Cultura, Agricultura e Meio Ambiente, que vão abordar temas específicos, visando orientar e capacitar o Poder Executivo para uma gestão de qualidade e eficiente.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Glademir Aroldi abre o evento com a palestra magna “Gestão Pública no pós-pandemia”. Nos dias seguintes, terça-feira (8) e quarta-feira (9), ocorrem as apresentações dos fóruns do Programa de Apoio Gerencial e Institucional às Prefeituras do Território Litoral Sul – AGIR-LS, com a participação do reitor da Uesc, Alessandro Fernandes de Santana, e de secretários municipais abordando as melhores práticas da Gestão Pública Municipal.

Ainda na terça, o especialista em Finanças Públicas Municipais Eduardo Stranz, da CNM, vai falar sobre o cenário nacional da Educação, Saúde e da Assistência Social. Em seguida, o advogado e doutor em Direito Tributário, Harisson Leite, aborda “Como ser criativo” com as receitas próprias em plena crise financeira. E, para encerrar o painel, o advogado e mestre em Ciência Política Allah Góes aborda Transição de governo, como proceder?

As atividades continuam na quarta-feira (9), com a palestra sobre o cenário nacional da Agricultura e Meio Ambiente, que será apresentada pela Mestre em Cultura e Territorialidade Ana Clarissa Fernandes, com a participação do analista técnico da CNM Osni Rocha. No mesmo dia, Harrison retoma o painel e apresenta a temática Do crescimento constante das despesas e das despesas que realmente importam.

Em seguida, Allah Góes debate o tema Os primeiros dias, providências a serem tomadas, como proceder. Logo depois, o coordenador dos Sistemas de Acesso à Informação e Tributos Municipais do Instituto Municipal de Administração Pública (IMAP), Diego Melo, vai abordar a Gestão da Transparência. Por fim, o mestre em Direito Público Jeffiton Ramos vai tratar sobre Auditoria Governamental como instrumento de garantia para evitar a responsabilização de Gestores Públicos.

Na quinta-feira (10), as atividades terão início com a apresentação do programa Amaná, com o professor Gustavo Lisboa, Doutor em Ciências, Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento e a mediação do Pró-reitor de Extensão, Neurivaldo Guzzi. Em seguida, acontece a apresentação da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR), com o secretário executivo, Miguel Calmon. Por fim, o contador e consultor técnico em Gestão Pública, Ricardo Teixeira encerra o painel com o tema: Endividamento Público Municipal.

O programação do seminário será encerrada na sexta-feira (11), com a mediação do secretário executivo da Amurc, Luciano Veiga – advogado e especialista em Planejamento de Cidades, a participação de autoridades e parceiros sobre propostas, parcerias e soluções.

AMURC E UESC PROMOVEM 2º SEMINÁRIO NOVOS GESTORES

Veiga, Lero Cunha, Alessandro e Moreau: parceria exitosa
Tempo de leitura: 2 minutos

A gestão pública no pós pandemia do Coronavírus vai precisar implementar mudanças significativas para atender às necessidades cada vez mais urgentes da sociedade. A Associação dos Municípios da Região Cacaueira – Amurc e a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) promoverão de 7 a 11 de dezembro, das 10h às 12h, nas plataformas digitais do Youtube e Zoom, o 2º Seminário Novos Gestores, visando orientar e capacitar os novos prefeitos e prefeitas para uma gestão de qualidade e eficiência no mandado de 2021 a 2024.

De acordo com o presidente da Amurc, Aurelino Cunha, Lero Cunha, o Seminário pretende discutir com os atuais e futuros gestores uma nova perspectiva de gestão pública do Território Litoral Sul no período 2021–2024. A ideia é fazer com que a gestão pública municipal estabeleça uma interface maior com as esferas de governo, a sociedade civil e a iniciativa privada.

“Com isso, os gestores têm a perspectiva de saírem mais fortalecidos desse momento, garantindo assim, eficiência, inclusão social, economia de recursos, ganho de produtividade, novas parcerias e, principalmente, aprimoramento da qualidade dos serviços públicos”, destacou o gestor.

Entre os objetivos do evento, o secretário executivo da Amurc, Luciano Veiga cita a finalidade de informar os novos gestores sobre a importância da Associação e do Consórcio Público na Gestão Municipal, enquanto elemento de impulsionamento político e de atendimento às demandas dos municípios e da população, ressaltando ainda, o trabalho das instituições frente a pandemia.

Alinhado a isso, serão debatidas alternativas coletivas para que a gestão pública possa viver o “novo normal”, apresentar aos gestores (as), as parcerias desenvolvidas para atendimento às demandas dos municípios associados e consorciados. E, ao mesmo tempo, orientar e capacitar os novos gestores eleitos para que desenvolvam uma gestão pública de qualidade e eficiente, ao longo do mandato, tendo em vista o novo cenário.

PARCERIA EXITOSA

Para o reitor da Uesc, Alessandro Santana, e o vice-reitor, Maurício Moreau, o Seminário marca mais um momento importante na história da região cacaueira, com destaque para a parceria exitosa e de muitos anos, entre a Amurc e a Uesc. No momento será apresentada a estrutura da Universidade, com seus programas e projetos, dentre os quais, o Programa Agir (Apoio Institucional e Gerencial às Prefeituras do Território Litoral Sul) e o Amaná, em parceria com a Associação.

“O programa Amaná, que é de incentivo a recuperação financeira e econômica da Região Cacaueira, tem como foco, micro e pequeno empresário e empreendedores, mas também prefeituras municipais. Então, acredito que nesse momento, os novos gestores, principalmente, terão a oportunidade de conhecer a estrutura da Amurc e da Universidade, e saber que não estão sozinhos nesse início de gestão”, destacou Alessandro.

AOS 36 ANOS, A AMURC PERMANECE FORTE, INOVADORA E DESEJADA

Tempo de leitura: 3 minutos

A associação é o espelho dos seus membros. A sua força está diretamente ligada ao desejo e a vontade dos seus atores em torná-la Municipalista, Democrática, Inovadora, Forte e Desejada.

Luciano Veiga 

Aos 36 anos de existência, a Associação dos Municípios da Região Cacaueira (Amurc) permanece forte, inovadora e desejada. Manter uma instituição viva, antenada com o seu entorno, tendo como bússola a sua missão, fortalecer o municipalismo, tornando-o forte, democrático e inovador, contribuindo, assim, para a eficiência, eficácia, efetividade e excelência da gestão pública municipal, com a visão de se tornar uma associação desejada, capaz de atender e antecipar demandas, e promover a integração associativista dos municípios, com base nos seus valores – pessoas; sustentabilidade; ética; respeito; comprometimento; transparência e inovação.

Nos últimos anos a Amurc, vem construindo uma rede de parcerias importantes, com destaque ao desenvolvimento do Programa de Apoio Institucional às Prefeituras – Agir Mais, com gestão compartilhada com a Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), que conta com 11 fóruns de Secretários/as municipais, coordenadores e representantes da sociedade civil. O referido programa já capacitou centenas de profissionais, desenvolveu projetos, parcerias e captou recursos para atendimento às diversas demandas e desafios da gestão pública.

Em parceria com instituições de ensino superior privado, vem proporcionando descontos na mensalidade, com mais de 6 mil estudantes beneficiados dos municípios associados.

Durante a pandemia, vem realizando ações conjuntas com os gestores municipais, em sintonia com as Secretarias de Saúde dos Municípios, Estado e Ministério da Saúde, bem como envolvendo instituições em permanente debate na busca de melhores práticas de enfrentamento ao Covid-19. Recentemente assinou Termo de Cooperação Técnica com a Uesc, ampliando em dez mil a testagem PCR, buscando ampliar o monitoramento do contágio nos municípios.

A construção e consolidação do associativismo são contínuas. Os municípios como ente federado do mosaico federativo brasileiro não pode está numa condição de ilha/isolamento, mas deverá buscar sempre compor com os seus pares, através do associativismo como braço político de debate e do consórcio como braço de execução das políticas públicas.

O maior desafio, que sejas de uma associação ou consórcio, é o de se tornar uma instituição desejada. As instituições têm como principal base da sua força ou fragilidade o mesmo elemento, que são os seus associados ou consorciados. Estes quando fortes, imbuídos do espírito coletivo, formarão instituições fortes, mas quando forem individualistas, as instituições se fragilizam. A nossa região vem reiteradamente elegendo gestores melhores e com o pensamento de ser e agir coletivamente, tornando as suas instituições cada vez mais fortes, inovadoras e desejadas.

As lutas regionais como a Região Metropolitana do Sul da Bahia, a ampliação e estruturação da Rede de Saúde, com incorporação dos equipamentos e planejamento estratégico regional, incorporando a saúde como ponto relevante na formação da RM Sul da Bahia, a reestruturação dos potenciais econômicos, com a criação de novos polos industriais, serviços e logístico, o fortalecimento das economias do campo e do turismo, trabalhar o cavalete modal (porto, aeroporto, rodovias e ferrovia leste-oeste), ZPE (Zona de Processamento de Exportação), dentre tantas outras bandeiras, que gerarão o desenvolvimento sustentável dos nossos municípios, são temas trabalhados pela Amurc junto aos seus associados e a comunidade regional.

Fortalecer as parcerias com o Governo Federal e Estadual, as organizações municipalistas, Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e União dos Municípios da Bahia (UPB), as universidades públicas (UFSB-Uesc) e privadas com os Institutos de Ensino, agentes de fomento, fundações, sociedade civil, são as bases garantidora para atendimento aos desafios e demandas municipalista.

A Associação destaca-se como instrumento de integração política e administrativa, capaz de utilizar do escopo uno do município, a escala necessária para atendimento às suas demandas individuais e coletivas. Entretanto, não pode existir sem a participação do seu associado. A associação é o espelho dos seus membros. A sua força está diretamente ligada ao desejo e a vontade dos seus atores em torná-la Municipalista, Democrática, Inovadora, Forte e Desejada.

Luciano Veiga é diretor da Amurc, advogado, administrador e especialista em Planejamento de Cidades (Uesc) e Gestão do Desenvolvimento Territorial ((Ufba).

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA 12 MIL VAGAS NO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS

Universidade Para Todos abre 12 mil vagas
Tempo de leitura: 2 minutos

Estão abertas as inscrições para o programa Universidade Para Todos (UPT). Podem participar os estudantes que estão terminando o ensino médio ou profissionalizante na Rede Pública. A preparação é desenvolvida em parceria com as universidades públicas Uneb, Uefs, Uesb, Uesc e Ufrb, com o objetivo de contribuir para o acesso de estudantes ao Ensino Superior.

O edital, com o manual de instruções e o passo a passo para a inscrição, pode ser acessado no site do Programa. As dúvidas podem ser esclarecidas por meio de email upt@educação.ba.gov.br ou ainda por telefone, pelo 0800-2858000. São 12 mil vagas gratuitas de preparação para o ingresso no ensino superior. Além do Enem, Uesb e a Uneb oferecem também o vestibular, no mês de abril.

O superintendente de Programas e Projetos da Secretaria Estadual da Educação (SEC), Március Gomes, explica que agora o programa será de forma remota, com o acompanhamento por tutores e monitores nos 156 municípios que estão envolvidos no programa UPT. “Para além das 12 mil vagas, este programa estará disponível também para que todos os estudantes possam se qualificar, fortalecer a aprendizagem e se preparar para o Enem e para o vestibular”. Veja como se inscrever em leia mais.

Leia Mais
Back To Top