skip to Main Content
12 de agosto de 2020 | 06:18 pm

CESOL LITORAL SUL DOA 4 MIL MÁSCARAS PARA PROJETOS SOCIAIS DA UESC E UFSB

Tempo de leitura: < 1 minuto

O Centro Público de Economia Solidária (Cesol) seccional Litoral Sul doou, nesta quinta (23), cerca de 4 mil máscaras à Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e à Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). As máscaras serão usadas pelas instituições em suas campanhas sociais de combate ao novo coronavírus, Uesc Solidária e UFSB Solidária.

Ao todo, 1 milhão de máscaras vêm sendo doadas a instituições em municípios do sul da Bahia e até em outras regiões como o território do Sisal que também recebeu máscaras de proteção. O equipamento foi produzido por costureiras do Sul da Bahia que receberam um auxílio por produção no projeto Trabalhando em Rede, da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) com intermediação de contrato e apoio do Cesol Litoral Sul.

Além das universidades, outras instituições da região vêm sendo beneficiadas como movimentos sociais, prefeituras, órgãos públicos e entidades da sociedade civil. A ação integra a campanha #LitoralSulSolidário, do Cesol em Itabuna, que além da distribuição dos EPIs também segue coma arrecadação de alimentos e itens de higiene. As doações podem ser feitas das 9h às 15h na Loja Empório Litoral Sul, na Rua Nações Unidas, 334, Centro, Itabuna-BA (próximo à Catedral).

HÁ INTELIGÊNCIA NO PLANETA CACAU – FALTA DISSEMINAR

Tempo de leitura: 4 minutos

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos.

Walmir Rosário || wallaw2008@outlook.com

Na noite desta quarta-feira (9) tive a grata satisfação de assistir a uma live organizada pelo Laboratório de Ensino de História e Geografia (Lahige) da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Em pauta, os Impactos nas Cidades e na Economia no Contexto da Pandemia da Covid-19, debatidos pelo Magnífico Reitor Alessandro Fernandes e o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal.

Finalmente, tivemos a felicidade de constatar que há inteligência no planeta cacau, embora a prática e a execução nem sempre chegue ao destinatário, o cidadão, que paga a conta e não recebe os benefícios. Desta vez, espero que mudem-se os comportamentos e a Uesc possa interagir com a sociedade, como reclamava o ex-professor de Economia José Adervan de Oliveira, desde os tempos de cuspe e giz.

Em duas horas e meia, o reitor Alessandro Fernandes discorreu sobre como fazer ciência na academia e repassar esses conhecimentos às instituições políticas para a aplicação nas diversas cidades da região. Sei que não é fácil esse intercâmbio, haja vista os interesses díspares entre a academia e a política. Se hoje a Uesc faz tudo para sair do Salobrinho, a realidade entre os políticos se volta para o carcomido modelo do clientelismo.

Dentre os políticos do planeta cacau destaco – sem medo de cometer qualquer pecado ou injustiça – o vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, como o único que caminha com desenvoltura por entre as instituições, sempre em busca do conhecimento para aplicar em sua cidade. Não existe em qualquer cidade do sul e extremo-sul da Bahia alguém que estude Ilhéus e região e tenha os conhecimentos acumulados como ele.

Se sobram conhecimentos a Nazal, falta-lhe a caneta, como frisou durante a live, fornecendo dados contundentes, a exemplo dos arquivos digitais de aerofotogrametria do município de Ilhéus, guardados sem que prefeitos demonstrem o menor interesse sobre eles, essenciais para organizar a cidade, prospectar investimentos. É o mesmo que comprar livros de capas duras e coloridas, guardá-los numa vistosa biblioteca, não lê-los, como se ganhasse conhecimento pelos simples olhar e, quem sabe, a osmose.

A Uesc – mais uma grande criação de José Haroldo Castro Vieira – toma seu lugar no mundo da ciência e passa a administrar parte do acervo e serviços prestados pela Ceplac, igualmente criada por José Haroldo. Esse legado também será dividido com a Embrapa e a UFSB, após a decisão da morte por inanição da maior instituição de pesquisa, ensino e extensão da cacauicultura.

Atuando hoje nas mais diversas áreas do conhecimento, a Uesc volta seu foco de ação para os municípios regionais, notadamente para o enfrentamento à pandemia da Covid-19, incluindo aí os planos de abertura econômica, que pode ser – ou não – referendado pelos prefeitos. Embora as prefeituras sejam as maiores empregadoras em seus municípios, nem sempre contam com pessoal qualificado.

E nesta realidade, a Uesc é um campo fértil para as prefeituras, que por falta de bons projetos, nem sempre conseguem prospectar recursos disponíveis em bancos de desenvolvimento e no governo federal. Outro “calcanhar de Aquiles” das prefeituras é a áreas de compras – licitações –, na qual os servidores municipais poderiam “beber em fonte limpa”, e acabar com dissabores da rejeição de contas – junto com a área contábil –, caso queiram trabalhar com técnica e lisura.

Durante a live, muitas questões sobre a região cacaueira foram levantadas, sendo uma delas a realização de um amplo diagnóstico socioeconômico – nos moldes do realizado no início da década de 1970 –, em parceria com os municípios. Como suscitou Nazal, um trabalho dessa envergadura colocaria a região numa situação privilegiada para colocar o trabalho de baixo de braço – ou mandá-la por meio digital para investidores, se transformando em recursos garantidos para investimentos variados.

A esmagadora maioria dos sul-baianos não tem a menor noção do que representa o Complexo Intermodal do Porto Sul em termos de investimentos, crescimento e, possivelmente, desenvolvimento regional. Bilhões de reais serão investidos neste projeto, e o melhor: em diversas cidades, produzindo riquezas de forma solidária à população por meio da geração de emprego e renda.

Como bem disse Nazal, a qualquer dúvida sobre Ilhéus e região ele sai em busca soluções para os problemas apresentados junto aos produtores de conhecimento, notadamente determinadas áreas dos governos federal, estadual e as universidades (Uesc e UFSB). Esse seria um bom caminho a ser trilhado pelos políticos – parlamentares e gestores municipais –, que preferem o discurso vazio eleitoreiro, daí nosso estado de pobreza.

Por tudo isso e muito mais, rogo ao Magnifico Reitor Alessandro Fernandes e aos professores Humberto Cordeiro e Gilsélia Lemos que colaborem – ainda mais – com a região, disponibilizando no site da Uesc ou outro meio de comunicação as lives produzidas. Por certo, contribuirá para melhorar o nível de informação e de interesse sobre o desenvolvimento regional.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

SECRETÁRIO DIZ QUE ITABUNA JÁ APLICOU MAIS DE 18 MIL TESTES RÁPIDOS PARA COVID-19

Itabuna já fez mais de 18 mil testes rápidos, segundo secretário
Tempo de leitura: 2 minutos

O secretário de Saúde de Itabuna, Juvenal Maynart, disse que o município já aplicou mais de 18 mil testes rápidos para a detecção de covid-19. O município, segundo ele, ampliará as ações de diagnóstico da doença em mais categorias profissionais e em localidades onde são registradas grande incidência do vírus.

Os testes rápidos têm ajudado nas ações para identificar os casos positivos assintomáticos ou ainda no estágio inicial da doença. “É nesse momento que se traça um quadro real sobre a pandemia na cidade, com o trabalho de prevenção, e servindo de base para a reabertura da economia da cidade, cujos estudos estão sendo feitas através de uma parceria com Universidade Federal do Sul da Bahia e a Universidade Estadual de Santa Cruz”, disse.

Juvenal diz que número de testes ajuda a traçar quadro real da doença

A ampliação do teste rápido para detectar a Covid 19 é uma das principais ações desenvolvidas pela Secretaria de Saúde de Itabuna no enfrentamento à doença, já que a maioria das pessoas, não apresentam os sintomas da Covid. Os testes rápidos são uma alternativa, porque há grande dificuldade de aplicação dos testes considerados padrão ouro, o RT-PCR, que são mais precisos no diagnóstico.

Com a aplicação dos mais de 18 mil testes rápidos, afirma, foi possível identificar, isolar e fazer o acompanhamento dos pacientes positivados, evitando o contágio de outras pessoas. Além da realização de testes em casos suspeitos através de drive thru no estacionamento do Teatro Municipal Candinha Dória e de moradores do bairro de Fátima, local de maior incidência da doença, a Secretaria de Saúde vem efetuando a testagem de categorias profissionais como trabalhadores em supermercados, funcionários dos correios, bancários e servidores públicos municipais.

Segundo Juvenal, os espaços que registram casos positivos são interditados temporariamente e passam por um processo de desinfecção. A Prefeitura também fiscaliza o cumprimento das regras de higienização, distanciamento e uso de máscaras protetoras.

INFECTADOS

Ontem (5), Itabuna atingiu 2.991 casos confirmados do novo coronavírus, com 78 óbitos. Há 1.216 curados da doença, de acordo com a Secretaria de Saúde, e 1.697 casos ativos (pacientes em recuperação). O município é o terceiro em número de casos na Bahia e o segundo em mortes provocadas pela Covid-19.

ITABUNA: UESC E UFSB AUXILIARÃO SECRETARIA DE SAÚDE NO COMBATE À COVID-19

UFSB dará suporte a estudos contra a covid-19 em Itabuna
Tempo de leitura: < 1 minuto

As universidades Estadual de Santa Cruz (Uesc) e Federal do Sul da Bahia (UFSB) serão parceiras da Secretaria de Saúde de Itabuna no enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19). As duas instituições trabalharão com o município disponibilizando profissionais especializados em estatística, planejamento e saúde, além de auxiliar a SMS nas ações para o enfrentamento da pandemia, além dos seus impactos na mobilidade urbana, economia, meio ambiente e vida da população.

Um dos principais desafios do grupo será definir as bases científicas para a flexibilização e abertura gradual do comércio, respeitando as diretrizes e os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS). O conhecimento técnico das universidades e a experiência do corpo técnico epidemiológico da Secretaria de Saúde proporcionarão um trabalho conjunto no enfrentamento da pandemia, no entendimento do titular da SMS, Juvenal Maynart.

pós ofício encaminhado pela Secretaria Municipal de Saúde, o reitor da Uesc, Alessandro Fernandes de Santana, indicou os professores Gustavo Lisboa, do Departamento de Ciências Econômicas; Gesil Sampaio Amarante Segundo, do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas; e Pollyana Alves Dias Costa, do Departamento de Ciências da Saúde, para o grupo de estudos. Já a reitora da UFSB, Joana Angélica Guimarães, indicou Clara Mônica Figueiredo de Lima, Nadson Ressye Simões da Silva e Fabricio Berton Zanchi.

NOVO SECRETÁRIO, JUVENAL PROMETE PROJETO PARA A SAÚDE “DENTRO DE POUCOS DIAS”

Juvenal pede demissão após prefeito confirmar reabertura do comércio
Tempo de leitura: 2 minutos

Juvenal Maynart assumiu a Secretaria de Saúde de Itabuna, hoje (12), com a promessa de apresentar, “dentro de poucos dias”, um projeto para a Pasta e de estabelecer relações articuladas com a comunidade acadêmica e todos os entes. Além de atenção à rede, o foco principal será as ações para conter o avanço da covid-19 e aos hospitalizados pela doença, tanto de Itabuna como de outros municípios.

Ex-diretor-geral da Ceplac e ex-presidente da Fundação de Atenção à Saúde de Itabuna (Fasi), mantenedora do Hospital de Base, Juvenal disse que vai buscar a comunidade acadêmica para definir ações de combate à covid-19 no município e trabalhará de forma articulada por ações na média e alta complexidade com os vários entes – municípios pactuados, Estado e União, além da rede conveniada.

Hoje, na posse, Juvenal reforçou a necessidade do trabalho em parceria com a rede conveniada ao apontar o papel desempenhado pela Santa Casa de Misericórdia de Itabuna. “O provedor está disposto a nos prestigiar nas discussões deste processo e na construção do projeto [para a saúde]. Espero, dentre de poucos dias, apresentar projeto e discutir todas essas dinâmicas”, afirmou.

O novo secretário ressaltou o “grande trabalho” da instituição filantrópica na atenção às vítimas da covid-19. Nos três primeiros meses, os pacientes de Itabuna contavam apenas com os hospitais Calixto Midlej Filho e Manoel Novaes para atendimento médico-hospitalar, com ofertas de leitos clínicos e de UTIs. Somente no final de maio, o Hospital de Base começou a instalar equipamentos para disponibilizar leitos de UTI exclusivos para pacientes covid-19.

TESTAGEM E PESQUISA

Ainda em abril, o novo secretário participou da elaboração de proposta ao município e estado que envolvia pesquisa e ampla testagem da população itabunense como uma das ações para o controle do novo coronavírus em Itabuna. A proposta foi apresentada ao prefeito Fernando Gomes e ao governador Rui Costa pelo presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ricardo Xavier. A proposta envolve as universidades Estadual de Santa Cruz (Uesc) e Federal do Sul da Bahia (UFSB).

 

UFSB ABRE INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE 72 BOLSISTAS PARA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFSB abre inscrições para bolsas de iniciação
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Pró-Reitoria de Gestão Acadêmica (Progeac) da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) publicou edital com as normas referentes à seleção de estudantes para a participação no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência – Pibid/UFSB 2020.

Estão sendo ofertadas 72 vagas para bolsistas, no valor de R$ 400,00, e 18 vagas para não-bolsistas, subdivididos em campus e área. As inscrições podem ser feitas até o dia 19 deste mês.  A documentação  deve ser enviada para o e-mail pibid@ufsb.edu.br.

O Pibid é um Programa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que tem por finalidade fomentar a iniciação à docência, contribuindo para o aperfeiçoamento da formação de docentes em nível superior e para a melhoria da qualidade da educação básica pública brasileira. Acesse  aqui o edital.

UFSB INVESTE R$ 1,5 MILHÃO EM LABORATÓRIOS PARA REALIZAR TESTES DE DETECÇÃO DA COVID-19

UFSB dará suporte a estudos contra a covid-19 em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) investirá total de R$ 1,5 milhão para equipar e adequar laboratórios de biologia molecular dos três campi da instituição em Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas e poder realizar testes de detecção do novo coronavírus (covid-19). Um terço dos recursos (R$ 556 mil) foi liberado pelo Ministério da Educação e a universidade também investirá outro valor para adequação da estrutura de laboratórios, num total de R$ 1,5 milhão.

Os três Laboratórios Institucionais de Biologia Molecular serão voltados, prioritariamente, para a pesquisa e equipados para atender a múltiplos usuários e múltiplas unidades acadêmicas. Porém, neste primeiro momento poderão ser utilizados para a detecção do SARS-CoV-2, o novo coronavírus.

Segundo o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, professor Rogério Quintella, os laboratórios são o resultado de uma ação ampla com a participação de mais de uma dezena de pesquisadores da área nos três campi. “O recurso agora recebido do MEC soma-se a uma série de investimentos que já haviam sido feitos e a outros, cujas compras estavam em fase final na UFSB. Inicia-se, agora, também o processo de reforma de espaços, somando, ao todo, mais de um milhão e meio de reais”, completa.

REQUISITOS ESPECÍFICOS

Conforme o diretor de Pós-Graduação (DPG/PROPPG/UFSB), professor Fabrício Carvalho, os laboratórios poderão contribuir com análises moleculares para detecção do SARS-CoV-2 utilizando a técnica de RT-PCR (sigla em inglês para reação em cadeia de polimerase em tempo real).

“São diversos equipamentos utilizados nas etapas de extração de DNA e RNA (RNA no caso do SARS-CoV-2) e posterior amplificação utilizando a técnica de RT-PCR (chamada também de qPCR). Dentre os equipamentos a serem adquiridos, o que requer maior investimento é o termociclador para realização da RT-PCR, que custará R$ 250.000,00 [duzentos e cinquenta mil reais]. A infraestrutura ficará disponível para auxiliar o sistema de saúde no acompanhamento do andamento da pandemia em nossa região”, afirma.

Para que os equipamentos sejam instalados e postos em funcionamento a UFSB precisa reformar os espaços nos campi, explica o professor Fabrício Carvalho. A adequação vai garantir que os laboratórios sigam as normas de biossegurança para trabalho com o SARS-CoV-2: “Atualmente estão sendo realizados os estudos necessários de cada espaço para elencar as intervenções que precisarão ser feitas”.

JACKSON MOREIRA ASSUME DIREÇÃO DO INSTITUTO BIOFÁBRICA

Jackson Moreira assume direção da Biofábrica
Tempo de leitura: 2 minutos

O administrador de empresas Jackson Moreira vai dirigir o Instituto Biofábrica da Bahia. Ele foi escolhido pelo Conselho Deliberativo, por unanimidade, e vai substituir o engenheiro agrônomo Lanns Almeida. A Biofábrica é responsável pela fabricação e distribuição, em escala industrial, de mudas clonadas de cacau, mandioca, banana, cítricos entre outros.

Jackson Moreira, servidor aposentado da Ceplac, diz que assume o órgão com a expectativa de ajudar os demais atores a impulsionar a agricultura na Bahia, especialmente a familiar e a agricultura de subsistência, pensando na reconstrução da economia rural no pós-pandemia do coronavírus.

“Quero ajudar a fortalecer as relações políticas e institucionais da Biofábrica, a fim de melhorar a captação de recursos para fomentar uma expansão da produção, visando não apenas números, mas garantindo uma vida melhor para as famílias do campo e das cidades, pensando no pós-pandemia”.

Jackson afirma que o presidente do Conselho Deliberativo, Deraldo Alves Carlos foi extremamente simpático, assim como todo os membros, que aproveitaram para garantir apoio à nova direção, especialmente as secretarias da Agricultura, do Desenvolvimento Econômico e a de Desenvolvimento Rural, bem como a Ceplac, Embrapa, Uesc e UFSB, dentre outras instituições.

Leia Mais

VILAS-BOAS, PREFEITOS E REITORA DA UFSB NO “BOM DIA BAHIA”

Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, os prefeitos Mário Alexandre (Ilhéus) e Marcone Amaral (Itajuípe) e a reitora da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Joana Guimarães, participarão, neste sábado (2), do programa Bom Dia Bahia, da Rádio Difusora de Itabuna AM-640. Eles discutirão os efeitos da pandemia do coronavírus no sul da Bahia e as estratégias governamentais para enfrentar este desafio.

O Bom Dia Bahia vai ouvir quais são as medidas até agora adotadas pelos Governos Federal e do Estado e pelas Prefeituras contra o coronavírus, um mês após o anúncio da pandemia no sul da Bahia. “Há uma grande preocupação quanto a um aumento no número de casos na região, por isso decidimos saber dessas autoridades quais as ações efetivas para a superação da atual crise”, disse Andirlei Nascimento, que apresenta o Bom Dia Bahia junto com Ederivaldo Benedito (Bené).

As entrevistas ocorrerão em ambiente online, via plataforma Zoom. O programa terá, ainda, a participação do médico cardiologista itabunense Jairo Xavier e do secretário-executivo da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-sul e Sudoeste da Bahia (Amurc), Luciano Veiga. Os ouvintes poderão interagir por meio do WhatsApp 73 98889-1909.

UFSB É A UNIVERSIDADE BAIANA COM MAIOR PERCENTUAL DE ESTUDANTES INDÍGENAS

Estudantes indígenas na cerimônia do jaleco|| Foto Divulgação
Tempo de leitura: 2 minutos

A Universidade Federal do Sul da Bahia aparece na 19ª colocação no ranking nacional de instituições de ensino superior com maior percentual de estudantes indígenas matriculados.

Um levantamento da Revista Quero mostra ainda que, na Bahia, a UFSB é a instituição com maior percentual de estudantes índios. Eles somam 3,56% dos 3.488 alunos matriculados nos campi de Itabuna, Porto Seguro e Teixeira de Freitas.

De acordo com o Pró-Reitor de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS), Sandro Ferreira, dois fatores chamam atenção para essa posição no ranking: a localização da universidade e o constante diálogo com a comunidade indígena desde o processo de implantação da UFSB.

Sandro também afirma que Articulado ao interesse institucional e acadêmico da universidade em se aproximar destas comunidades, destaca-se o intenso esforço destas comunidades em estimular a formação escolar e o ingresso destes jovens (e também idosos) na universidade.

POVOS INDÍGENAS

A UFSB atua em um local onde muitas comunidades indígenas existem e resistem em suas formas de organização comunitária. Ganham destaque as aldeias Tupinambás, em Ilhéus, Pataxó Hã Hã Hãe, em Pau Brasil, e Pataxó, em Santa Cruz Cabrália e região do Parque Monte Pascoal.

A universidade já previa, desde seu início, em seus processos seletivos reserva de vagas para indígenas, como estabelecido na Lei 12.711/2012. Prova disso é seu primeiro processo seletivo, em 2014, que já possuía tal modalidade.

Em abril de 2016, a UFSB publicou seu primeiro edital com vagas exclusivas para estudantes indígenas que comprovassem residir (ser reconhecido) por uma comunidade indígena. Nos anos seguintes, foram ampliadas a reserva de vagas e os cursos de ingresso (primeiro ciclo, segundo ciclo e pós-graduação) para indígenas aldeados, com seleção realizada via SISU ou editais próprios.

O Pró-Reitor explica que, desde 2015, a UFSB também fez a adesão ao Programa Bolsa Permanência do MEC, que garante bolsas de apoio pecuniário, no valor de R$ 900,00, a estudantes indígenas aldeados e quilombolas. Além deste programa, alguns outros programas de permanência foram criados e direcionados ao segmento de estudantes indígenas da UFSB, facilitando a continuidade e finalização dos estudos.

Todas essas ações, em conjunto, consolidaram o processo de diálogo entre a comunidade acadêmica e a comunidade indígena possibilitando o processo de inclusão e ressignificação dos processos de ensino e aprendizagem.

Back To Top