skip to Main Content
5 de agosto de 2020 | 04:50 am

PESQUISA DESCOBRE MECANISMO USADO POR FUNGO CAUSADOR DA VASSOURA-DE-BRUXA

Tempo de leitura: 5 minutos

Equipe da LGE pesquisa as causas da vassoura-de-bruxa há 20 anos || Antonio Scarpinetti

Manuel Alves Filho || JUnicamp
No final da década de 1980, o Brasil era o segundo maior produtor mundial de cacau. O país colhia cerca de 400 mil toneladas do fruto ao ano. O excelente desempenho da cacauicultura brasileira, porém, foi duramente afetado nos anos seguintes por causa da ação de uma doença denominada vassoura-de-bruxa, causada pelo fungo de nome Moniliophtora perniciosa, que devastou inúmeras plantações. Atualmente, a safra nacional do produto gira em torno de 180 mil toneladas anuais, sendo que chegou a 120 mil toneladas no final dos anos 1990.
Desde que a vassoura-de-bruxa foi identificada, pesquisadores do Laboratório de Genômica e Expressão (LGE) do Instituto de Biologia (IB) da Unicamp vêm desenvolvendo diversos estudos para tentar descobrir como o fungo atua, com o objetivo de combatê-lo. Recentemente, os cientistas deram um importante passo nessa direção. Eles descobriram um mecanismo usado pelo micro-organismo para “driblar” o sistema imune de planta, e assim infectá-la. O trabalho rendeu artigo que acaba de ser publicado pela prestigiada revista Current Biology, um selo da editora Cell Press da Elsevier.
De acordo com o professor Gonçalo Amarante Guimarães Pereira, coordenador do LGE, a descoberta é resultado de quase 20 anos de pesquisas e da dedicação de centenas de alunos ao longo desse período, desde a iniciação científica até o pós-doutorado. “Tivemos um grande sucesso nessa empreitada. Descrevemos a vassoura-de-bruxa em detalhes e identificamos as vias metabólicas envolvidas na estratégia de ação do fungo. Também desenvolvemos métodos de manejo das plantas, em parceria com os produtores. Apesar desses avanços, ainda não conseguimos chegar a um produto ou processo que possa eliminar o micro-organismo. A partir de agora, com a identificação do mecanismo de ação do patógeno, estou convencido de que poderemos obter novos progressos”, considera o docente.
O que os pesquisadores do LGE descobriram é que o Moniliophtora perniciosa é bastante astuto e insidioso. Ele se vale de uma estratégia incomum para enganar o sistema imune da planta, como explica o biólogo Paulo José Pereira Lima Teixeira, que pesquisou o assunto em sua tese de doutorado. Atualmente, ele é pesquisador do Howard Hughes Medical Institute (HHMI), da Universidade da Carolina do Norte (EUA), e no próximo ano vai assumir a posição de professor assistente na ESALQ-USP. Dito de maneira simplificada, o mecanismo de ação do fungo funciona da seguinte forma. Micro-organismo e a planta estabelecem o que os especialistas qualificam de “frente de batalha”.

Leia Mais

QUATRO UNIVERSIDADES BRASILEIRAS APARECEM ENTRE 50 MELHORES DO MUNDO

Tempo de leitura: < 1 minuto
Campus da USP em São Paulo: universidade é a mais bem colocada (Foto Marcos Santos/USP Imagens).

USP é a mais bem colocada em ranking internacional (Foto Marcos Santos/USP Imagens).

Paulo Saldaña | Estadão
Um ranking internacional de ensino superior aponta quatro universidades brasileiras entre as 50 melhores do mundo em oito áreas do conhecimento – entre 30 citadas. O QS Quacquarelli Symonds University Rankings – organização internacional de pesquisa em educação – foi divulgado por áreas nesta terça-feira, 26, e mostra duas estaduais de São Paulo em destaque entre as instituições brasileiras: a Universidade de São Paulo (USP) e de Campinas (Unicamp). Mas nenhuma brasileira conseguiu figurar entre as “top 10”.
Os rankings tomam por base índices de citações de pesquisas, além de estudos de reputação. A área em que as brasileiras vão melhor é a classificada como Agricultura e Silvicultura. A Unicamp ficou como a 22.ª melhor do mundo na área, seguida por USP (27.ª) e Universidade Estadual Paulista (Unesp, 50.ª). A Unicamp ainda lidera entre as brasileiras nas áreas de Filosofia (42.ª) e História (34.ª). Na área de História, a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) aparece em 42.ª no mundo.
No ranking mundial, a instituição com melhor desempenho foi a Universidade Harvard, que ficou em primeiro lugar em 11 das 30 disciplinas, duas a mais que o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
Leia a íntegra

A FOLHA E O ABORTO DA ESPOSA DE SERRA

Tempo de leitura: 4 minutos

Reprodução de matéria da Folha deste sábado.

As edições impressa e digital da Folha de São Paulo deste sábado trazem como um dos destaques matéria com ex-alunas da psicóloga Monica Serra. Elas relembram que a esposa do presidenciável José Serra (PSDB) narrou em sala de aula que cometeu aborto nos primeiros anos de casamento.
A reportagem afirma que tentou ouvir a esposa de Serra por 11 vezes (seis por telefone e cinco por emails), mas a assessoria da psicóloga disse que seria impossível responder. O caso de aborto foi confessado por Monica Serra numa aula na Unicamp em 1992.
Monica ficou conhecida nesta campanha como uma das supostas responsáveis pelas ondas de boatos e afirmou a eleitores cariocas que a petista Dilma Rousseff era a favor de “matar criancinhas”.
Filha da socióloga e tucana Majô Ribeiro, Sheila Canevacci Ribeiro expôs o caso no Facebook e disse à Folha que confirma “cem por cento” ter ouvido o relato de aborto da boca de Monica.
Sheila revelou o caso após, segundo ela, ver o presidenciável José Serra desrespeitar tantas mulheres [que cometaram aborto], a começar pela própria esposa Monica Serra na participação dele no debate da Rede Bandeirantes, no domingo, 10.
Uma outra aluna da psicóloga, exigindo o anonimato, disse ao jornal de São Paulo que a esposa de Serra afirmou ter cometido o aborto durante a ditadura, um período em que o casal estava vulnerável. Confira a íntegra da matéria clicando em “leia mais”.

Leia Mais

Back To Top