skip to Main Content
12 de maio de 2021 | 03:27 pm

“MINHA ILHÉUS”

Tempo de leitura: < 1 minuto

Luiz Caetano, prefeito de Camaçari e novo presidente da UPB, esteve por Ilhéus e recebeu das mãos de Newton Lima um exemplar de Minha Ilhéus, fotografias do século XX e um pouco de nossa história, de autoria do historiador, fotógrafo e chefe de Gabinete, José Nazal.

Admirador das belezas naturais da princesinha do sul da Bahia, Caetano disse que iria aproveitar para fazer uma incursão na história de Ilhéus. E fez questão de posar ao lado do autor de Minha Ilhéus.

Caetano e Nazal: pose para fotos e incursão histórica (Foto Clodoaldo Ribeiro).

“A PREFEITA MAIS BONITA DO BRASIL”

Tempo de leitura: 2 minutos

Eis a prefeita-deusa cardinalense, Maria Quitéria, 32 anos. E casada, afoitos. A foto é de Andréa Farias/CB.

O charme e a beleza da prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria Mendes (PSB), encantaram marmanjos e arrancaram elogios da ala feminina durante a posse da nova diretoria da União dos Municípios da Bahia (UPB), nesta semana.

A bela de 32 anos, casada e mãe de dois filhos é formada em administração, foi secretária de Cultura e Turismo em Penedo (AL), ofuscou o brilho do novo presidente da UPB durante a votação e posse dos novos diretores, na quinta (27), conforme anota Evilásio Júnior, do soteropolitano Bahia Notícias.

De fato, a prefeita de Cardeal da Silva chama atenção pelas curvas, sorriso, simpatia e sensualidade. Mas a mulher tem outra fama que se faz notar. É tida como inteligente, articulada e não esconde que usa a beleza para abrir portas, mas nada que vá além do profissional. Ela é a única mulher na nova diretoria-executiva da UPB, ocupando o cargo de vice-presidente institucional da entidade municipalista.

Quitéria, aliás, andou constando numa lista da senadora eleita e presidente do PSB, Lídice da Mata. A bonitona – e bote bonita nisso – foi acusada de não ter ajudado os candidatos do seu partido no processo eleitoral de 2010. A essa altura, a ameaça parece ter se dissipado. Ou não.

O PIMENTA tentou contato com a prefeita neste início de tarde. Ela não estava na cidade e o celular encontrava-se desligado. Fontes informaram ao blog que a gestora zarpou em voo com a família para os Estados Unidos. A partida foi neste sábado pela manhã.

UPB: CAETANO OBTÉM 289 VOTOS

Tempo de leitura: < 1 minuto

A eleição da UPB, encerrada há pouco, teve a participação de 299 prefeitos. De acordo com a entidade, 338 gestores municipais estavam aptos a votar. A chapa que comandará a entidade no biênio 2011-2012 obteve 289 votos. Dez dos prefeitos que compareceram à entidade votaram em branco.

A entidade passa a ser presidida pelo petista Luiz Caetano, que toma posse ainda hoje.

O PRESTÍGIO DE CAETANO

Tempo de leitura: < 1 minuto

O prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, assume a presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB) com um prestígio pouco visto para um dirigente da entidade municipalista. Ontem, Caetano atraiu mais de 200 prefeitos e dezenas de deputados baianos ao Hotel Fiesta.

Por lá, também estiveram o governador Jaques Wagner, a senadora eleita Lídice da Mata (PSB) e o vice-governador Otto Alencar. Prefeitos sul-baianos, a exemplo de Sandra Cardoso (DEM) e Lenildo Santana (PT), ressaltaram a força da nova diretoria da UPB. A eleição que confirmou o nome de Caetano como presidente da entidade ocorreu nesta quinta, 27.

SUL DA BAHIA ASSEGURA DUAS VAGAS NA UPB

Tempo de leitura: < 1 minuto

O centro-sul da Bahia conseguiu emplacar dois nomes na nova diretoria da União dos Municípios da Bahia (UPB). Moacyr Leite, de Uruçuca, e Adroaldo Almeida, de Itororó, serão os nomes da região na entidade municipalista estadual e integrarão o conselho fiscal da entidade. A eleição de consenso está marcada para amanhã, dia 27, em Salvador.

A chapa “A força dos municípios” tem o prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, como presidente. Oderdan Rocha Dias, de Barra do Choça, será o vice-presidente administrativo. A prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria de Jesus, será a vice-presidente institucional.

Os cargos de primeiro e segundo secretários serão ocupados, respectivamente, por Marco Aurélio Cardoso, de Cardeal da Silva; e Nelson Portela, de Maracás. José Ricardo Requião, prefeito de Miguel Calmon, e Eduardo Vasconcelos, de Brumado, serão, respectivamente, primeiro e segundo tesoureiros da entidade.

O prefeito de Itororó, Adroaldo Almeida (PT), ressalta a composição pluripartidária da chapa e o compromisso de fortalecer a bandeira do municipalismo.

CONSELHO FISCAL

Moacyr Leite Júnior (Uruçuca)
Eduardo Alencar (Simões Filho)
Tânia Maria Portugal (São Sebastião do Passé)
Tarcízio Pimenta (Feira de Santana)
João Gualberto Vasconcelos (Mata de São João)

Suplentes
Ezenivaldo Alves Dourado (Canarana)
José Adroaldo Silva de Almeida  (Itororó)
Joseval Alves Braga (Planaltino)
Humberto Gomes Ramos ( Chorrochó )
Silvio José Santana Santos  (Maragogipe)

CAETANO: “VAMOS DEMONSTRAR QUE É POSSÍVEL RESOLVER OS PROBLEMAS”

Tempo de leitura: 4 minutos

Amigo do governador, Caetano diz que UPB não será entidade chapa-branca (foto José Nazal)

Duas eleições tranquilas ocorrerão esta semana na Bahia. Sem grande dor de cabeça, o prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, do PT, será eleito no próximo dia 27 como o novo presidente da UPB (União dos Municípios da Bahia). É candidato de consenso, após ter perdido por 12 votos em 2009. Outro que vencerá sem disputa é o prefeito de Ibicuí, Cláudio Dourado (PTB), candidato único à presidência da Amurc (Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia).

Caetano e Dourado se reuniram com 21 prefeitos sul-baianos na noite deste sábado, 22, em um jantar no Hotel Jardim Atlântico, em Ilhéus. No encontro, falaram de uma nova agenda para o municipalismo, do fortalecimento da luta pela reforma tributária e da consolidação dos territórios.

O prefeito de Camaçari defende uma UPB renovada e incorpora bandeiras como a luta pela distribuição dos royalties do pré-sal com base no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) dos municípios e a implantação de cursos de capacitação profissional no interior da Bahia.

O PIMENTA compareceu ao encontro e bateu um papo com Caetano sobre a eleição mais fácil da vida dele. Confira abaixo:

PIMENTA – O senhor tem pregado uma UPB mais forte e incisiva na defesa do municipalismo. Como está sendo formatada essa nova União dos Municípios?

LUIZ CAETANO – Nós estamos formatando um novo modelo de municipalismo, a luta do novo municipalismo. Estamos construindo essa nova agenda, em função de que o município de hoje não é como o da época de Lomanto Júnior, ou de outras épocas atrás. Hoje, com a globalização, a internet, a criação dos territórios, as novas leis, tudo mudou bastante.

PIMENTA – Mudou em que sentido?

CAETANO  – Por exemplo, hoje nós temos que pensar mais no território, o prefeito não pode ficar com a cabeça só no município, ele tem que estar unido em seu território com os outros prefeitos para que ele seja um líder regional e trabalhe regionalmente. Observe que são poucos municípios que podem fazer um aterro de lixo, e ainda tem a questão do transporte, da segurança pública, o problema ambiental, o desenvolvimento econômico com sustentabilidade… Essas questões todas precisam ser trabalhadas dentro de um perfil mais amplo e, para isso, nós precisamos de nossa entidade fortalecida. Ela precisa se comunicar, ter um sistema de comunicação, precisa ter uma estrutura para ajudar o conjunto dos gestores  a capacitar suas equipes. Por isso eu quero construir a escola de gestores, a escola de governo junto à UPB.

PIMENTA – E o que fazer para oxigenar o caixa dos municípios, já que quase todos estão sem recursos sequer para o custeio?

CAETANO – Nós não podemos deixar de lado a luta pela reforma tributária, a luta pela distribuição dos royalties do pré-sal, que deve ocorrer com base no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) e não apenas para os estados produtores. Tudo isso está lincado com o discurso da (presidenta) Dilma. Se ela quer erradicar a miséria, nós vamos entrar com a agenda positiva para que isso possa de fato acontecer em nosso país.

Será uma relação elegante. Nós não vamos ser entidade chapa-branca, seremos independentes (sobre a relação da UPB com o governo Wagner).

PIMENTA – Mesmo após o governo Lula, ainda persiste essa queixa com relação à divisão do bolo tributário. Isso nos leva a entender que o presidente mais popular da história do país não foi assim tão bom para o municipalismo?

CAETANO – Lula ajudou muito os municípios e a maior conquista é a relação que passou a existir entre o poder central e o poder local. Lula fez a relação direta. Existe município que recebe mais recursos do Bolsa Família do que registra de arrecadação. Há uma relação mais direta e a tendência é cada vez mais descentralizar porque o cidadão mora no município. Então cada vez mais a federação vai ser o município. O que nós precisamos para ter essa independência maior? Reforma tributária, distribuição dos royalties do pré-sal. Vamos construir essa agenda e não é só gritando, brigando. É gritando, brigando, mas apresentando solução, demonstrando como é possível resolver os problemas.

PIMENTA – O senhor coordenou a campanha do governador Jaques Wagner à reeleição. Como será a relação entre a UPB e o governo?

CAETANO – Será uma relação elegante. Nós não vamos ser entidade chapa-branca, seremos independentes. Vamos nos mobilizar e criar um canal de negociação com o governo. Nós queremos fazer as escolas regionais de capacitação profissional e buscaremos a contrapartida do Governo do Estado, do Governo Federal. Queremos criar grupos de projetos para ajudar regionalmente os municípios e vamos precisar da ajuda do Estado e da União. Vamos realizar um grande seminário de planejamento, para não ficar com a agenda só de acordo com a cabeça do presidente. Ela deve ser fruto de um conjunto, que é esse movimento do novo municipalismo da Bahia.

PIMENTA – O senhor falou que foi uma maravilha construir uma chapa de consenso, mas que agora está complicado fechar a composição da chapa. Como está sendo esse processo?

CAETANO – Tem mais candidato a candidato do que vaga, mas esse é um bom problema. Isso mostra que o nosso discurso e que a nossa proposta estão empolgando e mobilizando as pessoas. É por isso que elas querem compartilhar. Eu deixei por último (o fechamento da chapa) exatamente por isso. Para o prefeito sentir que quem tem de ir pra lá é quem tem condição de dedicar um tempo maior, pra gente botar pra frente, botar pra brilhar.

PIMENTA – Já tem uma data prevista para o fechamento dessa composição?

CAETANO – Até terça-feira a gente tem que fechar, porque quarta tem que registrar.

PIMENTA – Como será a participação do sul da Bahia na chapa? A região terá duas vagas?

CAETANO – Teremos participação de praticamente todas as regionais, mas é um pouco complicado ter duas vagas. A indicação está sendo feita pela própria regional, sem a nossa interferência. Agora, repito: quem for pra lá, vai sabendo que terá de fazer alguma coisa e terá de prestar contas do que está fazendo. Cada integrante vai ter que dar plantão na UPB, pelo menos uma vez na semana.

OS NOMES DE CONSENSO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Conforme o PIMENTA já noticiou, o prefeito de Ibicuí, Cláudio Dourado (PTB), é nome de consenso para substituir Moacyr Leite na presidência da Amurc (Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia). Reproduz na região o mesmo êxito que Luiz Caetano (PT), prefeito de Camaçari, teve nas articulações para presidir a UPB (União dos Municípios da Bahia).

Neste sábado, 22, Caetano e Dourado se reúnem com prefeitos sul-baianos num jantar em Ilhéus. Um encontro em clima de vitória.

Clique aqui para ver a composição da chapa pluripartidária liderada por Cláudio Dourado. Na UPB, Caetano ainda realiza costuras para formar a nova direção.

“UNGIDO” NA UPB, CAETANO CORRE TRECHO

Tempo de leitura: < 1 minuto

A disputa pela presidência da União dos Municípios Baianos (UPB) terá chapa de consenso. Após uma tentativa fracassada em 2009, Luiz Caetano será o próximo comandante da entidade.

Para garantir o voto dos colegas de todo o estado, o petista inicia uma maratona pelas várias regionais da Bahia. Caetano e o vice, Eduardo Vasconcelos (PSDB), têm encontro com prefeitos do sudoeste amanhã (21), em Vitória da Conquista. No sábado, a dupla se reúne com os colegas da região sul-baiana, às 19h, no Hotel Jardim Atlântico, em Ilhéus.

Caetano deve chegar preparado, pois não serão poucos os pedidos para que abra dois lugares na chapa em favor do também petista Adroaldo Almeida (prefeito de Itororó) e o pepista Moacyr Leite (prefeito de Uruçuca).

DOURADO É NOME DE CONSENSO NA AMURC; ADROALDO TENTARÁ CARGO NA UPB

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dourado, Moacyr e Adroaldo: consenso na Amurc (Foto Gilvan Rodrigues).

Acabou rolando consenso na disputa pela presidência da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia (Amurc). O prefeito de Itororó, Adroaldo Almeida, almejava assumir o comando da entidade, mas abriu mão em favor de Cláudio Dourado, prefeito de Ibicuí. A eleição está marcada para o dia 31.

Dourado fechou apoio a  Adroaldo Almeida para ocupar um cargo na diretoria executiva da União dos Municípios da Bahia (UPB). Outro nome da Amurc para a diretoria da UPB é o do atual presidente, Moacyr Leite (prefeito de Uruçuca). O consenso na Amurc – e a disputa por duas vagas na UPB – foi antecipado pelo PIMENTA no último final de semana (relembre).

ATÉ PREFEITO DO DEM APOIA LUIZ CAETANO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Pimenta votará em Caetano

Cresce o favoritismo do prefeito de Camaçari, Luiz Caetano, na disputa pela presidência da UPB (União dos Municípios da Bahia). Apesar de enfrentar um opositor interno (o prefeito petista de Maracás, Nelson Portela, pretende bater chapa), Caetano tem uma candidatura mais consolidada e conta com a preferência do governador Jaques Wagner.

O gestor de Camaçari está recebendo também o apoio de diversos prefeitos de outras legendas, e até do DEM. Este é o caso específico do prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta, que recebe Caetano nesta terça-feira, 17, na sede do governo feirense, onde anunciará adesão irrestrita ao candidato.

Pimenta, aliás, é há bastante tempo um membro atípico do DEM, dadas as suas demonstrações de simpatia pelo governo Wagner.

DOURADO NA AMURC E ADROALDO NA UPB

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um acordo de bastidores dará a presidência da Associação dos Municípios do Sul, Extremo-Sul e Sudoeste da Bahia (Amurc) ao prefeito de Ibicuí, Cláudio Dourado (PTB). A eleição está prevista para o dia 21. O prefeito de Itororó, Adroaldo Almeida (PT), pleiteava o cargo, mas abriu mão para ser o nome da entidade na chapa de Luiz Caetano na disputa pela União dos Municípios da Bahia (UPB).

O acordo começou a ser delineado na última sexta-feira, 14. A região ainda reivindica um segundo cargo na diretoria executiva da UPB para, assim, fechar apoio a Caetano. Se pintar, esta seria preenchida pelo hoje presidente da Amurc, Moacyr Leite (PP).

UPB: SUL-BAIANOS CONDICIONAM APOIO A CAETANO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Prefeitos sul-baianos querem cargo na diretoria da UPB (Foto Gilvan Rodrigues).

Prefeitos das regiões sul e sudoeste da Bahia estão reunidos neste momento na sede da Amurc. Eles fecharam um pacto em relação à disputa da UPB e somente fecharão apoio à candidatura de Luiz Caetano se a 1ª vice-presidência da União dos Municípios da Bahia for ocupada por um nome do centro-sul baiano.

Participam da reunião prefeitos como Adroaldo Almeida (Itororó-PT), Moacyr Leite (Uruçuca-PP), Cláudio Dourado (Ibicuí-PTB) e Tonho de Anízio (Itacaré-PCdoB).

Os prefeitos acreditam que está na hora do sul da Bahia, pela primeira vez, ter um cargo de maior representatividade na diretoria da UPB.

CAETANO FAVORITO PARA A UPB

Tempo de leitura: < 1 minuto

Caetano foi coordenador da campanha de Jaques Wagner à reeleição

O prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), sonha com um céu de brigadeiro na disputa pela sucessão de Roberto Maia na presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB). Derrotado na última tentativa de comandar a instituição, Caetano agora conta com o forte apoio do governo baiano e ainda se beneficia da desarticulação dos opositores.

Para a coisa ficar ainda melhor, do jeito que o petista espera, só falta mesmo ele conseguir articular uma candidatura única. Caetano acredita nessa possibilidade.

WAGNER NÃO VAI À DEBATE DA UPB

Tempo de leitura: < 1 minuto

A recusa do governador Jaques Wagner de participar do debate que será promovido no próximo dia 11 pela UPB transformou-se num mote óbvio para a crítica dos adversários. Geddel, por exemplo, aproveitou para chamar o petista de fujão.
Num primeiro momento, Wagner desdenhou da UPB, hoje um reduto peemedebista, afirmando que faltaria qualidade técnica ao debate organizado pela entidade. Depois, o governador mudou o rumo da prosa, elogiando a UPB, mas mantendo a disposição de não ir ao confronto de propostas. Alegou razões de agenda.
A oposição, é lógico, não leva em conta o argumento e desce o malho no  “Galego”.
(Com informações do Bahia Notícias)

É ENDÊMICO

Tempo de leitura: < 1 minuto

Como explicar o fato de que apenas duas prefeituras, num universo de 417, tiveram suas contas do exercício de 2008 aprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios? A resposta é do próprio coordenador de assistência aos municípios do TCM, Antônio Dourado: “Mesmo com as recomendações do TCM, as prefeituras apostaram na impunidade”.

Matéria de Rita Conrado, publicada no A Tarde online, descreve o caos: “Das 417 prefeituras baianas, 195 tiveram as contas rejeitadas. Outras 185 obtiveram a aprovação com ressalvas, dentre essas o município de Salvador. Apenas Feira de Santana e Ipirá  tiveram as contas integralmente aprovadas.”

O levantamento aponta ainda que 28 prefeituras e 17 câmaras municipais deixaram de prestar contas, e outras sete enviaram seus balaços financeiros com atraso – e terão suas vidas checadas em 2010.

Alguém ainda fica surpreso com essa situação? Deveríamos, mas não. Aliás, nem o presidente da União dos Municípios da Bahia, Roberto Maia. Mas a explicação dele é diferente da do técnico do TCM. O presidente atrela a falta de controle dos colegas prefeitos à falta de planejamento e de regularidade nos repasses de recursos estaduais e federais.

Já o coordenador do TCM atribui o desleixo dos prefeitos ao desleixo do Judiciário: “Desde 2001 há ações contra prefeitos tramitando na Justiça. Nenhum processo foi concluído. Se isso já houvesse ocorrido serviria como exemplo para os demais”.

Leia a versão online aqui. Se você é assinante, confira o texto completo clicando aqui. A matéria será publicada na edição deste domingo de A Tarde.

Back To Top