skip to Main Content
28 de fevereiro de 2021 | 12:13 am

BAHIA RECEBE MAIS 208.700 VACINAS CONTRA COVID-19 NESTA QUARTA-FEIRA

Até o momento, estado recebeu 945.600 doses do imunizante
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Bahia receberá mais remessas de vacinas contra o novo coronavírus nesta quarta-feira (24). Ao todo, 208.700 doses chegarão ao aeroporto de Salvador em dois voos comerciais. O primeiro deles, com 129.500 vacinas produzidas pela AstraZeneca/Fiocruz, pousou no final da manha. O outro, que trará 79.200 doses da Sinovac/Butantan, está programado para pousar às 21h20.

Após a chegada dos imunizantes, o estado vai organizar as doses para distribuí-las para os núcleos regionais de saúde, de onde serão encaminhadas para os municípios.

Esta é a quinta remessa de vacinas que a Bahia recebe, no total 945.600 doses recebidas, desde o dia 18 de janeiro.

VACINAÇÃO

Com 417.396 vacinados contra o coronavírus (Covid-19), dos quais 69.964 receberam também a segunda dose, até as 15 horas de ontem (23), a Bahia é um dos estados do país com o maior número de imunizados, informa a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

COVID-19: FIOCRUZ CONFIRMA CHEGADA DE MAIS 2 MILHÕES DE DOSES DE VACINA

| Foto Rovena Rosa/ABr
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) confirmou que chegarão ao Brasil mais 2 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 produzida em parceria com a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, vindas do Instituto Serum, na Índia. As doses devem chegar ainda neste mês.

No total, o instituto deve receber 10 milhões de doses, além das 2 milhões já recebidas no final de janeiro. Ainda não há previsão para a chegada das outras 8 milhões de doses.

Na semana passada, as capitais Salvador, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre anunciaram a interrupção da vacinação contra o coronavírus, causada pelo esgotamento dos imunizantes nas cidades, até a chegada de novas doses. Metro1.

IMUNIDADE PÓS-VACINA CONTRA A COVID-19 PODE DEMORAR SEMANAS, ALERTAM ESPECIALISTAS

| Foto Rovena Rosa/ABr
Tempo de leitura: 3 minutos

O início da campanha de vacinação contra a covid-19 levou esperança a milhões de brasileiros que esperam pelo momento em que poderão retomar uma rotina mais próxima à qual estavam habituados até o início da pandemia. Mesmo que lentamente, a imunização está avançando entre profissionais da saúde e pessoas dos grupos de risco.

O entusiasmo, no entanto, não deve levar ninguém a abrir mão de cuidados pessoais, sob risco não só de adoecer em um momento em que o sistema de saúde continua sob pressão, mas também de colocar em perigo a estratégia nacional de imunização. Especialistas lembram que, além de nenhuma vacina ser 100% eficaz, principalmente diante do risco de surgimento de novas variantes, o corpo humano demora algum tempo para começar a produzir os anticorpos que protegerão o organismo contra a ação do novo coronavírus.

TEMPO MÉDIO

Segundo a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), a pediatra Isabella Ballalai, em média o tempo mínimo para que o sistema imune esteja apto a responder adequadamente contra a presença de qualquer agente patogênico causador de doenças é de, no mínimo, 14 dias após receber a primeira dose de uma vacina. Mas cada imunizante tem seu próprio tempo médio para ativar o sistema imunológico, conforme descrito por seus fabricantes.

FIOCRUZ

A dose da AstraZeneca, por exemplo, é capaz de atingir uma eficácia geral de proteção da ordem de 76% 22 dias após a aplicação da primeira dose. O percentual pode superar os 82% após a pessoa receber a segunda dose, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável por produzir, no Brasil, a vacina em parceria com a farmacêutica e a Universidade de Oxford.

Um estudo publicado na revista científica The Lancet, no início do mês, sustenta que a maior taxa de eficácia é atingida quando respeitado o intervalo de três meses entre a primeira e a segunda dose.

BUTANTAN

O Instituto Butantan, parceiro do laboratório chinês Sinovac no desenvolvimento da CoronaVac, afirma que são necessárias, em geral, duas semanas após a segunda dose para que a pessoa esteja protegida, já que esse é o tempo que o sistema leva para criar anticorpos neutralizantes que barram a entrada do vírus nas células. Ainda segundo o instituto, uma quantidade maior de anticorpos pode ser registrada até um mês após o fim da vacinação, também variando de indivíduo para indivíduo.

“É importante esperar, porém, que grande parte da população tenha sido imunizada antes de voltarmos aos antigos hábitos, para evitar contaminar outras pessoas, já que o indivíduo que tomou a vacina ainda pode transmitir o vírus. Mesmo após a imunização, ainda será preciso manter medidas de segurança, como o uso de máscara e a higienização constante das mãos.”

OS CUIDADOS

“Ao tomar uma vacina, a pessoa tem que aguardar pela ação do seu próprio sistema imunológico, que vai produzir os anticorpos que irão protegê-la”, reforça Isabella, destacando a importância de, mesmo após tomar a segunda dose, a pessoa continuar usando máscaras, evitando aglomerações, higienizando as mãos e objetos e respeitando as recomendações das autoridades sanitárias.

Leia Mais

MAIS DE 80 CIDADES BAIANAS TÊM ESTOQUE ZERADO DE VACINA

Foto Tomaz Silva
Tempo de leitura: < 1 minuto

Oitenta e duas cidades da Bahia têm estoques zerados de doses da vacina contra a Covid-19, segundo o painel de vacinação da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab). Outras 134 cidades, incluindo Salvador, já usaram pelo menos 90% do armazenamento, noticia o Metro1.

Até o momento, a Bahia já usou 85,5% das quase 440 mil doses distribuídas pelo governo do estado, e ainda não há data definida para a chegada do novo lote. Em contato com o jornal Correio, o Instituto Butantan informou que a partir do dia 23 de fevereiro começará a entregar 600 mil doses por dia ao Ministério da Saúde.

O Ministério, em seguida, fará a distribuição para os estados, os estados enviarão para as 31 Diretorias Regionais de Saúde da Bahia e cada município buscará suas doses. Assim, a previsão é que as novas vacinas só cheguem ao interior da Bahia em 25 de fevereiro.

>> Confira a relação de municípios com estoque zerado no Leia Mais, abaixo.

Leia Mais

LOTE DE INSUMO PARA VACINA OXFORD DEVE CHEGAR AO BRASIL NO SÁBADO

Foto Tomaz Silva
Tempo de leitura: < 1 minuto

O primeiro lote de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a produção da vacina Oxford/AstraZeneca no Brasil deve chegar ao Rio de Janeiro no próximo sábado (6). A informação é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que fará a formulação e o envase das doses.

O voo com o IFA está previsto para decolar de Xangai às 7h35min de amanhã (5) no horário local, o que equivale às 20h35min desta quinta-feira (4) no horário de Brasília. O avião deve pousar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro às 17h50min de sábado.

O ingrediente farmacêutico ativo foi produzido na China pelo laboratório Wuxi Biologics, contratado pela farmacêutica AstraZeneca, que desenvolveu a vacina em parceria com a Universidade de Oxford.

O primeiro lote do IFA já estava pronto desde o mês passado e aguardava licença de exportação e a conclusão de procedimentos alfandegários para que o envio pudesse ocorrer.

TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

Inicialmente, o Brasil vai produzir a vacina com IFA importado da China, porém, o acordo também prevê transferência de tecnologia para nacionalizar a produção do insumo, o que deve ocorrer no segundo semestre.

Leia Mais

DECISÃO DA ANVISA DEIXA BAIANOS MAIS PERTO DE VACINA RUSSA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Responsável por avaliar a segurança dos fármacos utilizados no país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu retirar a exigência de que uma vacina esteja na fase 3 de testes com humanos para receber autorização de uso emergencial contra a Covid-19. A Anvisa vai formalizar a decisão nesta quarta-feira (3), segundo o site JOTA e a CNN.

A vacina Sputnik V, desenvolvida na Rússia, ainda não chegou à fase 3 no Brasil. Esse era um dos empecilhos para que a Anvisa autorizasse o seu uso no país, o que ainda depende da apresentação de documentos ao órgão regulador.

Apesar das outras pendências, na prática, o recuo da Anvisa deixa os baianos mais próximos da vacinação em larga escala, pois o Governo da Bahia tem acordo prévio com a fabricante russa e sua representante no país, a União Química, para comprar até 58 milhões de doses do imunizante, que já é utilizado em outros países. Em outra frente, o Estado recorreu ao Supremo Tribunal Federal para ser autorizado a comprar a Sputnik.

A decisão da Anvisa também pode agilizar o uso emergencial de outras vacinas contra a Covid-19 no Brasil, a exemplo da Covaxin, de origem indiana.

MUNICÍPIOS QUE VACINARAM MAIS TERÃO ACESSO PRIORITÁRIO A NOVAS DOSES, ANUNCIA VILAS-BOAS

Critério é o percentual de cobertura do público-alvo, explica secretário
Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, disse hoje (29) que os municípios que mais avançaram na imunização terão acesso prioritário a novas doses da vacina contra a Covid-19. O critério adotado é o percentual da cobertura do público-alvo.

“Temos um quantitativo reduzido de doses, ainda fruto das três entregas iniciais do Ministério da Saúde e, neste sentido, vamos priorizar os municípios que imunizaram pelo menos 75% do seu público-alvo”, explicou Vilas-Boas.

A partir de segunda-feira (1º), os 417 municípios baianos vão poder utilizar 54 mil doses da vacina para imunizar idosos com 90 anos ou mais. Para isso, o governador Rui Costa (PT) autorizou o envio de mais lotes do imunizante às secretarias municipais, que vão recebê-los nesse final de semana.

A decisão de priorizar idosos acima de 90 anos está alinhada com entendimento consensual das Comissões Intergestores Bipartite (CIB) e Tripartite (CIT), que são as instâncias deliberativas do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível estadual e nacional, informa a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

VILAS-BOAS COMPARA VACINA SPUTINIK A COLETE SALVA-VIDAS EM BARCO AFUNDANDO: “VOCÊ USARIA?”

Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, usou a imagem de um barco afundando para comparar a vacina Sputinik V, ainda não autorizada para uso no Brasil, a coletes salva-vidas sem certificação de segurança.

“Suponha que o barco esteja afundando, tem salva-vidas, mas não foram certificados pelo Inmetro. Vc usaria?”, perguntou, em publicação feita ontem numa rede social, com a imagem da vacina russa acompanhando o texto.

Cumprindo determinação do governador Rui Costa (PT), o governo baiano pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para importar a vacina da Rússia, sem que isso dependa da intermediação do Ministério da Saúde. O estado tem acordo preliminar para adquirir até 50 milhões de doses do imunizante, que já é usado em países vizinhos, como Argentina e Bolívia.

No Brasil, a competência para autorizar ou não o uso de fármacos é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que, até momento, autorizou apenas o uso das vacinas CoronaVac e AstraZeneca.

PFIZER USOU BOA-FÉ DE BAIANOS EM TESTES, MAS RECUSA VACINA À BAHIA, LAMENTA SECRETÁRIO

Fábio Vilas-Boas, secretário estadual de Saúde
Tempo de leitura: < 1 minuto

Em publicação feita hoje (21) numa rede social, o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, criticou a PFizer, fabricante de vacina contra a Covid-19, que alega falta de estoque para vender o imunizante à Bahia.

“A Pfizer usou a boa-fé de 1.500 voluntários baianos no desenvolvimento da sua vacina e agora recusa-se a vender para a Bahia. Em 2020, reuniram-se oficialmente com o governador Rui Costa [PT] pra vender a vacina e a partir dali no preparamos. Apoiamos o centro de pesquisas da OSID, investimos na montagem de uma rede de ultracongeladores e, agora, nos informam que venderam tudo para outros países”, escreveu Vilas-Boas.

Até a tarde desta quinta-feira (21), a Bahia vacinou 19 mil pessoas contra a doença.

BAHIA LANÇA CAMPANHA CONTRA “NEGACIONISMO” ANTIVACINA

Mensagens em outdoors estimulam baianos a participar da vacinação contra a Covid-19
Tempo de leitura: < 1 minuto

Uma nova campanha do Governo do Estado começou em sincronia com a aprovação das vacinas Coronavac e Astrazeneca pela Anvisa, neste domingo (17). Os primeiros outdoors da iniciativa foram instalados em Salvador. “É uma campanha em favor da vida e contra o negacionismo. Nosso objetivo é incentivar que baianas e baianos se vacinem em todo o estado. Só desta forma conseguiremos vencer a guerra contra a Covid-19”, destacou o secretário de Comunicação, André Curvello.

A Bahia vai receber a primeira carga de vacina nesta segunda-feira (18). Serão 376.600 doses do imunizante, que será utilizado para vacinar cerca de 180 mil pessoas. Nesta fase serão vacinados profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 e em unidades de saúde de urgência e emergência, idosos que vivem em abrigos e indígenas.

À ESPERA DE VACINAS, BAHIA PODE IMUNIZAR 5 MILHÕES DE PESSOAS ATÉ MAIO

Segundo Governo da Bahia, infraestrutura para operação está pronta
Tempo de leitura: 2 minutos

O plano estadual de vacinação contra a Covid-19 prevê a imunização de 5,08 milhões de moradores do estado nas quatro primeiras fases, que envolvem os grupos prioritários estabelecidos pelo Ministério da Saúde, até o mês de maio. A previsão é da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), tendo como premissa o recebimento das vacinas do Ministério da Saúde ainda em janeiro, em quantidade suficiente. Estão previstas 5.114 salas de vacina em todo o estado e serão necessárias 10,16 milhões de seringas e agulhas, considerando que os imunobiológicos possuem duas doses.

De acordo com a Sesab, idosos com mobilidade limitada ou acamados poderão ser vacinados em casa. Nos centros urbanos, o drive-thru será estimulado e, no caso dos profissionais de saúde que trabalham nos hospitais, a vacinação ocorrerá nas próprias unidades.

Para executar esta operação, serão envolvidos mais de 50 mil profissionais de saúde, conforme anunciou o governador Rui Costa (PT), por meio das redes sociais, nesta sexta-feira (15). “A Bahia trabalha para salvar vidas. Só falta a vacina chegar para iniciarmos a vacinação nos 417 municípios”, escreveu numa rede social.

O petista também determinou que a Procuradoria Geral do Estado peça ao Supremo Tribunal Federal autorização para importar vacinas fabricadas na Rússia, sem que isso dependa do consentimento do Governo Federal.

INFRAESTRUTRA 

O secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, esclarece que o estado possui 234 câmaras frias e 70 freezers, possibilitando armazenar simultaneamente 3,5 milhões de doses. “Adicionalmente, licitamos 100 ultracongeladores que chegam a temperaturas de até -86° C para as vacinas de RNA e, inicialmente, serão distribuídos 30 para as nove macrorregiões de saúde, cada um com capacidade de 368 litros”, ressalta Vilas-Boas, ao pontuar que cada fase da campanha de vacinação terá a duração de um mês.

Durante a campanha de vacinação, a distribuição dos imunobiológicos ocorrerá utilizando 243 veículos entre caminhões e furgões refrigerados, bem como caminhonetes e aeronaves, contemplando as nove macrorregiões de saúde. O tempo de deslocamento será de até 48 horas, após a chegada das vacinas.

Ainda no que tange a infraestrutura, a Bahia tem em estoque 10,2 milhões de seringas e agulhas e, adicionalmente, adquiriu 19,8 milhões, cuja entrega de 4 milhões de unidades ocorrerá nos próximos 15 dias, 4 milhões em fevereiro e o restante nos meses de abril, maio e junho.

ETAPAS

Fase 1: trabalhadores da área de saúde, idosos com mais de 75 anos, brasileiros acima de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência, indígenas e comunidades tradicionais.

Fase 2: idosos de 60 a 74 anos em qualquer situação.

Fase 3: indivíduos com condições de saúde que estão relacionadas a casos mais graves de Covid-19.

Fase 4: professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

COVID-19: TAXA GERAL DE EFICÁCIA DA CORONAVAC É DE 50,38%

Eficácia menor da vacina em casos graves pesou para diminuir taxa geral
Tempo de leitura: 3 minutos

A CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, tem eficácia geral de 50,38%. A informação foi dada hoje (12) pelo governo de São Paulo.

Na semana passada, o governo havia dito que a taxa de eficácia da vacina era de 78%. Mas isso se refere apenas à eficácia da vacina em relação a casos leves e que precisaram de alguma atenção médica.

Esses resultados foram observados em estudos no Brasil realizados com profissionais da área da saúde, mais expostos ao vírus. Mas, quando são considerados também os casos leves e que não necessitaram de qualquer atendimento médico, a eficácia foi menor. “Outros estudos, de outros fabricantes, não incluíram casos de pessoas que tiveram dois dias de dor de cabeça, mesmo com resultado positivo de RT-PCR. Mas nós incluímos ”, disse Ricardo Palácios, diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan.

A eficácia geral é medida, durante os testes da vacina, comparando-se a quantidade de todos os casos (leves, moderados ou graves) que foram registrados de covid-19 entre os voluntários que foram vacinados e os voluntários que receberam placebo. Ao longo do estudo de eficácia no Brasil, 252 voluntários tiveram covid-19 de forma leve (sem necessidade de ajuda médica ), sendo que 85 deles haviam tomado vacina e 167, placebo (uma substância inócua). Dentre os voluntários no Brasil, 4.653 tomaram essa vacina e 4.599 tomaram placebo.

Já o resultado de eficácia dos casos leves, em pacientes que precisaram receber alguma assistência médica, foi de 77,96%, sendo que sete pessoas haviam recebido a vacina, e outras 31, placebo.

A taxa de eficácia da CoronaVac está acima dos parâmetros mínimos exigidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A taxa mínima de eficácia de uma vacina recomendada é de 50% como parâmetro de proteção. Segundo o governo paulista, a taxa de eficácia foi mais baixa porque incluiu todos os casos de covid-19 relatados entre os voluntários, inclusive os casos leves. “A vacina consegue diminuir a intensidade da doença clínica em um ambiente de alta exposição. E esse efeito é maior quanto mais aumenta (a gravidade da doença)”, falou Palácios.

Segundo o Butantan, a vacina garantiu proteção total contra casos graves e mortes provocadas pela doença. Nesse caso, sua eficácia foi de 100%. Nenhum voluntário que tomou a vacina morreu ou precisou de internação.

A vacina é armazenada em temperatura de geladeira, entre 2ºC e 8ºC. “Temos hoje uma das melhores vacinas do mundo. Uma das vacinas que tem maior facilidade logística porque é transportada em temperatura ambiente, tem resistência fora da geladeira e pode chegar a qualquer cidade do país”, disse Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

Na semana passada, o governo paulista solicitou à Anvisa autorização para uso emergencial dessa vacina no Brasil. Esse pedido está em análise pela Anvisa.

EFICÁCIA 

Os testes de eficácia vêm sendo desenvolvidos no Brasil desde julho deste ano e numa etapa preliminar era necessário que um mínimo de 61 participantes voluntários do teste fosse contaminado pelo novo coronavírus. Isso porque metade dos voluntários recebe placebo e, a outra metade, a vacina. Para saber se a vacina é eficaz, espera-se que a maior parte dos infectados pelo vírus estejam entre as pessoas que receberam o placebo.

Esse número mínimo de voluntários contaminados nos testes foi atingido em novembro e permitiu o início da análise da eficácia da vacina pelo comitê internacional. Mas, como a doença voltou a crescer em todo o estado nos últimos meses, o número de voluntários infectados cresceu, atingindo o patamar considerado ideal para a finalização do estudo. O estudo de eficácia, segundo Dimas Covas, continua a ser realizado. Serão feitos ainda, segundo ele, outros quatros estudos: com idosos e pessoas com comorbidades, com grávidas, com crianças e adolescentes e um outro estudo sobre eficiência, para avaliar o papel da vacina na pandemia.

VACINA

O governo paulista, por meio do Instituto Butantan, tem uma parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac para a aquisição da vacina CoronaVac. Por meio desse acordo, o governo paulista já vem recebendo doses da vacina. O acordo também prevê transferência de tecnologia para o Butantan, o que significa que a vacina passará a ser produzida aqui no Brasil, na fábrica do Butantan.

Para uma vacina poder ser utilizada na população, ela passa por uma fase de estudos em laboratório, uma fase pré-clínica de testes em animais e três etapas clínicas de testes em voluntários humanos, que avaliam a produção de anticorpos, a sua segurança e a sua eficácia. Estudos de fases 1 e 2 da vacina, realizados na China , já haviam demonstrado que ela é segura, ou seja, que ela não provoca efeitos colaterais graves. Também estudo feito com voluntários no Brasil comprovou que a vacina é segura.

O governo de São Paulo já recebeu, da Sinovac, 10,8 milhões de doses da vacina. Pelo termo de compromisso assinado no final de setembro com a Sinovac, o Butantan vai receber um total de 46 milhões de doses da CoronaVac, sendo que 6 milhões dessas doses já chegarão prontas. A vacina é aplicada em duas doses, com intervalo de 14 dias entre elas. Da Agência Brasil.

VACINAS, CIÊNCIA E COVID-19

Tempo de leitura: 2 minutos

A vacinação é um bem coletivo que pertence a humanidade. Ela pode ser até vendida em prateleiras, mas os governos do mundo não podem negá-la às gerações atuais e as futuras gratuitamente.

Efson Lima || efsonlima@gmail.com

O Brasil tem um histórico polêmico quando o assunto é vacinação. Talvez, o mais marcante seja a Revolta da Vacina, em 1904, no Rio de Janeiro, quando a vacinação foi proposta de forma obrigatória pelo médico-sanitarista Osvaldo Cruz em favor da modernização do Rio de Janeiro, que era a capital do país. Somente agora diante dos embates para a vacinação massiva em face do coronavírus que o tema é relembrado. E quem diria, uma parte considerável da população mesmo diante do risco de morte e das sequelas da COVID-19 teme em tomar a vacina.

A experiência humana com a vacina é datada do século XVIII, foi o médico inglês Edward Jenner que adotou a técnica da vacina para prevenir a contaminação por varíola. A varíola é considerada a primeira doença infecciosa que teve sua erradicação alcançada por meio da vacinação em massa.

Quiçá, seja justificável, na virada do século XIX para o XX, o receio sobre a vacinação, afinal, o debate sobre cientificismo e a própria afirmação da ciência eram perenes e as dúvidas sobre a produção de vacinas e fármacos eram elevadas. Mas em pleno século XXI, depois de uma longa trajetória das vacinas e os protocolos clínicos, a “explicação” para tamanha resistência esteja pautada na polarização em torno de uma ideologia fundada na pequenez humana. As explicações podem ser várias para a recusa em tomar a vacina, mas nenhuma delas encontra no plano da moralidade justificativa plausível para torcer contra o sucesso das vacinas e muito menos que as autoridades não assegurem com eficiência o acesso ao serviço de humanização e que a vacina não esteja gratuita ao povo. É dever do gestor público e das pessoas públicas sinalizarem a favor da vacinação.

O acesso à vacina deve ser pleno, que seja rápido para que possa respeitar os grupos prioritários e os indivíduos que queiram tomar a vacinar possa fazer em um prazo razoável. O governo federal não pode com base na estrutura e na operacionalização do maior programa nacional de humanização público do mundo desdenhar e apostar nos mais de 25 mil postos de vacinação e na experiência do SUS, corremos risco de grave agitação social.

Estamos diante do maior desafio de nosso tempo. A sociedade conseguiu deter duas guerras mundiais, acalmou as potências com suas ogivas nucleares e convive com os dissabores da crise imobiliária-financeira de 2008, mas não temos certeza se as sequelas física, psíquica e financeira de uma geração que enfrenta a pandemia de COVID-19 será amenizada. A vacinação é um bem coletivo que pertence a humanidade. Ela pode ser até vendida em prateleiras, mas os governos do mundo não podem negá-la às gerações atuais e as futuras gratuitamente.

Efson Lima é doutor em Direito (UFBA), especialista Gestão em Saúde (Fiocruz), professor universitário e advogado.

COVID-19: GOVERNADORES PEDEM CELERIDADE DA ANVISA NA APROVAÇÃO DE VACINAS

Tempo de leitura: < 1 minuto

O governador Rui Costa participou, nesta terça-feira (8), junto com gestores de outros estados, de uma reunião virtual com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. A principal reivindicação dos governadores é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprove e registre as vacinas com a maior rapidez possível.

Segundo Rui, o ministro confirmou a aquisição das vacinas à medida que elas forem aprovadas e registradas pela Anvisa. “Por isso, nosso principal pleito é que esse registro seja feito com celeridade, assim que os laboratórios solicitarem, já que o Brasil, assim como outras nações, deve utilizar mais de uma vacina para imunizar a população. A Pfizer, por exemplo, acenou com a disponibilização de 70 milhões de doses para o Brasil, em um primeiro momento, sendo que cada indivíduo precisa de duas doses, e essa quantidade não cobre todos os brasileiros”, explicou o governador.

Rui também comentou que há atualmente 11 mil pessoas com vírus ativos na Bahia. “A taxa de transmissão segue crescendo e a elevação, ainda que pequena, no número de mortes, nos preocupa. A doença já está em todos os 417 municípios e uma contaminação desenfreada pode levar os serviços de saúde a um colapso. Em função disso, determinei que a Secretaria de Segurança Pública monitore propostas e convites para a realização de aglomerações, em ambientes fechados ou públicos, a fim de impedir a realização desses eventos. Além do que, também instruí o órgão a abrir processos criminais, na medida em que os responsáveis por essas aglomerações sejam identificados, não importando se são pousadas, boates ou até mesmo um cidadão com o som do carro alto ligado”, conclui.

SÃO PAULO APRESENTA PLANO DE VACINAÇÃO CONTRA A COVID-19

Tempo de leitura: 3 minutos

O governo de São Paulo divulgou hoje (7) seu plano de vacinação contra a covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. O plano mostra como funcionará a vacinação no estado, caso a CoronaVac, que vem sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, seja aprovada nos testes de eficácia, cujos resultados devem ser divulgados ainda na primeira quinzena deste mês.

A vacina será administrada em duas doses e, segundo o governador João Doria, aplicada gratuitamente no estado.

O plano prevê que, na primeira fase de aplicação da vacina, serão imunizados os profissionais da área da saúde, indígenas, quilombolas e idosos acima de 60 anos, público que soma 9 milhões de pessoas em São Paulo e que é responsável por até 77% das mortes provocadas pelo novo coronavírus.

A imunização deve ocorrer em uma escala por faixa etária, privilegiando, inicialmente, os profissionais de saúde, quilombolas e indígenas, público que, em São Paulo, é estimado em 1,5 milhão de pessoas. A previsão é de que esse grupo inicial tome a primeira dose no dia 25 de janeiro e, a segunda, no dia 15 de fevereiro.

Logo em seguida, o planejamento é imunizar idosos com mais de 75 anos, cuja vacinação está prevista para os dias 8 de fevereiro e 1º de março. Idosos com idade entre 70 e 74 anos devem ser atendidos nos dias 15 de fevereiro e 8 de março. Nos dias 22 de fevereiro e 15 de março, serão vacinados idosos com idade entre 65 e 69 anos e, nos dias 1º e 22 de março, os que estão na faixa de 60 a 64 anos.

O governador informou que, para receber a vacina, a pessoa não precisará apresentar comprovante de residência em São Paulo: serão vacinados os brasileiros que estiverem em solo paulista.

Caso o teste de eficácia da vacina tenha resultado positivo, a aplicação das doses começará no dia 25 de janeiro, data do aniversário da capital paulista. Para que a vacinação no estado seja feita de forma segura, o governo pretende ampliar o total de postos de vacinação, que hoje somam 5,2 mil espaços. A intenção é que a imunização ocorra também em quartéis, escolas, estações de trem, terminais de ônibus, farmácias e drive-thrus, o que pode somar até 10 mil locais de vacinação.

Os postos deverão funcionar em horário estendido, das 7h às 22h, de segunda a sexta-feira; e, das 7h às 17h, aos sábados, domingos e feriados. O horário, no entanto, vai depender das prefeituras dos 645 municípios do estado.

Nesta segunda-feira, Doria disse que governadores de oito estados já fizeram solicitação de doses da vacina para imunização. Segundo o governador, 4 milhões de doses da vacina serão destinados a esses estados para que sejam imunizados, inicialmente, os profissionais da área da saúde.

VACINA

Por intermédio do Instituto Butantan, o governo paulista tem uma parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac para produção da CoronaVac. Por meio desse acordo, São Paulo já vem recebendo doses da vacina. O acordo também prevê transferência de tecnologia para o Butantan.

Estudos das fases 1 e 2 da vacina, realizados na China, demonstraram que a vacina é segura, ou seja, não provoca efeitos colaterais graves. Também um estudo feito com voluntários no Brasil comprovou que a vacina é segura. Após a conclusão dos testes de eficácia, os resultados serão enviados por uma comissão internacional para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analise o relatório para verificação da vacina.

Apesar de o teste de eficácia ainda estar sendo analisado pela comissão internacional, essa mesma vacina vem sendo aplicada em massa na China, com 60 mil pessoas já vacinadas. Na Indonésia e na Turquia, há previsão de que seja aplicada ainda este mês.

Back To Top