skip to Main Content
5 de março de 2021 | 11:03 pm

PESQUISAS

Tempo de leitura: 3 minutos

Marco Wense

Como andam as intenções de voto, aqui no sul da Bahia, principalmente nas cidades de Itabuna e Ilhéus, nos candidatos Jaques Wagner (PT), Paulo Souto (DEM) e Geddel (PMDB)?
Como não tem uma pesquisa registrada e publicada na imprensa, a confusão é geral, com cada partido dizendo que seu candidato está bem na frente do outro.
Uma coisa é certa: a vinda do presidente Lula para lançar a pedra fundamental da ferrovia Oeste-Leste e a autorização do serviço de duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna vai acrescentar uns pontinhos na cada vez mais provável reeleição de Wagner no primeiro turno.
MUTIRÃO
A justiça eleitoral, através da sua instância maior (TSE), em parceria com outros tribunais, tem que julgar todas as pendências que se encontram “sub judice”. É bom lembrar que daqui a dois anos teremos a sucessão municipal.
Do contrário, o lenga-lenga vai continuar: Fulano pode ser candidato hoje, amanhã não pode mais. Cicrano é ficha suja hoje, amanhã é ficha limpa. O pobre do eleitor, coitado, fica como cego em tiroteio.
O cidadão-eleitor-contribuinte, como diria o irreverente jornalista Eduardo Anunciação, ainda corre o risco de votar em um candidato que pode ter seu diploma cassado. Essa instabilidade prejudica o Estado democrático de Direito.
NA VITRINE

O ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, adora aparecer no noticiário político com declarações polêmicas. Essa doentia obsessão termina criando problemas para a campanha da candidata Dilma Rousseff.
Dirceu anda dizendo, só para citar um exemplo mais recente, que o PT vai ficar duas vezes mais forte com a eleição de Dilma. Insinua, nas entrelinhas, que o PMDB não terá os mesmos espaços que tem no governo Lula.
Agindo assim, em plena efervescência eleitoral, Dirceu cria uma perspectiva de que o relacionamento de Dilma com o pragmático PMDB será o pior possível. Suas intempestivas previsões só fazem alimentar o discurso da oposição de que Dilma terá dificuldades no trato com os partidos aliados e, principalmente, com o peemedebismo.
Além do PSDB, do DEM e das denúncias que pipocam por todos os lados, a campanha de Dilma tem o José Dirceu. O Zé inconsequente. O Zé incendiário.
PT versus PSDB
A coordenação política da campanha de Dilma Rousseff já decidiu que não vai entrar no jogo do PSDB de nivelar o processo eleitoral por baixo.
Algumas lideranças petistas, no entanto, contrariando a decisão já tomada, começam a defender o uso da reportagem da revista Carta Capital no horário eleitoral da televisão e do rádio.
A reportagem diz que a empresa Decidir.com, que tem como sócias Verônica Serra, filha do presidenciável José Serra, e Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, alvo de investigação pela Polícia Federal, suspeito de cometer vários crimes contra a economia, conseguiu ter acesso aos sigilos bancários de 60 milhões de brasileiros.
Sobre o assunto em tela, a inquestionável sabedoria popular costuma dizer duas coisas: 1) quem tem telhado de vidro não joga pedra no telhado do vizinho. 2) macaco não olha para o próprio rabo.
Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

UM GÁS PRO TUCANO

Tempo de leitura: < 1 minuto

CALIBRANDO A MIRA: Serra tem gás novo e conjunto de fatos "positivos".

A quebra do sigilo fiscal da filha do presidenciável pelo PSDB, José Serra, é algo que especialistas apontam como de pouco impacto eleitoral, mas serviu para dar um gás ao tucano.
Frases de efeito, devidamente pensada pelo marketing da campanha serrista, são “achados”. Primeiro, definiu como “ato criminoso” a quebra de sigilo de Verônica Serra. Depois, associou o caso ao golpe sofrido por Lula na eleição de 1989, reprovado pelos brasileiros, e atirou a responsabilidade no colo da sua adversária e líder nas pesquisas, Dilma Rousseff (PT).
Sapecou mais duas nesta quarta. Para atingir a resistência de Dilma a falar de (todo o) seu passado e a negativa de acesso aos processos da petista no período em que foi perseguida, presa, investigada, afirmou que “pedaço da biografia não precisa ficar preso em um cofre”.
E emendou com a outra: “Não preciso de marqueteiro para mudar minha cara”. Alguém poderá dizer que, esteticamente, a cara do carequinha não tem jeito. Que fazer, né?
Certo mesmo é que a campanha se afunila e os adjetivos usados serão outros. A quem assistir ao horário eleitoral, talvez seja recomendável tirar os meninos da sala.

Back To Top