skip to Main Content
29 de fevereiro de 2020 | 01:37 am

PRAÇA CLARA KAUARK

Tempo de leitura: < 1 minuto

A arquiteta Clara Kauark, falecida em abril de 2011, vai virar nome de praça em Itabuna. O logradouro fica no bairro Zildolândia, bem próximo à casa onde a homenageada residia.

O projeto que presta a homenagem originou-se de um abaixo-assinado de moradores do bairro e é de autoria do vereador Júnior Brandão (PT), tendo sido aprovado por unanimidade na primeira votação nesta terça-feira, 16. A segunda apreciação será hoje, a partir das 17 horas.

A propósito da praça em questão, ela ainda é apenas um terreno baldio. O plano é que, depois de ganhar o nome da arquiteta que desenhou tantos projetos em Itabuna (a exemplo da Praça Rio Cachoeira), a área seja transformada

ASSALTANTES PROVOCAM PÂNICO NO ZILDOLÂNDIA

Tempo de leitura: < 1 minuto

O pacato Zildolândia, área nobre de Itabuna, virou cenário de constantes assaltos a jovens e idosos. Moradores mudaram a rotina para evitar a abordagem indesejada dos meliantes, mas de pouco tem adiantado. Outra queixa é contra a polícia que, segundo informam, não considera a área como “de risco”.

Os ataques ocorrem com mais frequência na faixa das 8h às 10h e das 19h às 22h, de segunda a sexta. “Há alguns anos, me despedi de uma vizinha que cansou de ouvir gritos de socorro e, por fim, ter um filho assaltado na porta de casa. Levaram suas roupas e sapatos’, relata uma moradora, que prefere não ser identificada.

A moradora do Zildolândia também foi vítima, há um mês. “Não sabia se corria, se sentava, já que tremia tanto e não conseguia abrir o portão”. E fala de outra vítima, um idoso: “o mais triste foi ver os dois marginais sair andando e sorrindo, após roubar R$ 500,00 de um aposentado”. Nos últimos dias, relata outra vítima, uma dupla de assaltantes ataca usando uma moto.

FILA PARA RECEBER “NÃO”

Tempo de leitura: < 1 minuto

Usuários da unidade de saúde do Zildolândia, no centro, reclamam que o posto está sem atender quem necessita de atendimento odontológico. Uma das ‘vítimas’ chegou à unidade às 4h da manhã e por volta das 8h recebeu um “não”. O coordenador do posto, de prenome Márcio, informou ao usuário que não havia nem ficha nem dentista porque o gabinete odontológico estava quebrado.

Back To Top