WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
alba


jamile_yamaha

sintesi17

agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias

itao vog torres do sul ftc

PREFEITURA TEM 4 ÁREAS PARA CAMPUS DA UFESBA

Lisboa: sugestões (Foto Waldyr Gomes).

O secretário de Educação de Itabuna, Gustavo Lisboa, afirmou ao PIMENTA que existem, no momento, quatro opções de área para instalação do campus da Universidade Federal do Sul da Bahia (Ufesba) no município.

Além da região de Ferradas, outras sugestões apresentadas ao prefeito Capitão Azevedo foram a área entre o Santa Inês e Mutuns, no semianel rodoviário, e às margens da BR-101, entre Itabuna e Itajuípe. Uma quarta fica próximo ao Hospital de Base, encravando o campus no centro de uma região próxima, ao mesmo tempo, das BRs 415 e 101. Esta não foi sugerida pela equipe de Educação do governo.

De acordo com Gustavo Lisboa, estas são as primeiras opções para avaliação. Antes de definir a área, porém, a discussão inicial, acredita, é sobre o projeto de universidade que queremos. “É discussão que não deve ficar restrita a Itabuna, mas envolver as outras cidades [Porto Seguro e Teixeira de Freitas, que também terão campus da Ufesba]”, diz.

O secretário enfatiza, ainda, a necessidade de mobilização regional para que o projeto [outorga] de criação das universidades seja logo aprovado pelo Congresso Nacional e pelo Conselho Nacional de Educação.

Quanto às discussões sobre melhor localização para o campus itabunense, Lisboa diz que duas das áreas sugeridas (entre Santa Inês e Mutuns ou Itabuna-Itajuípe) aliviariam o trânsito central de um fluxo vindo de outros municípios, além de servir de indutor de desenvolvimento para qualquer uma das duas opções.

Estas duas, diz o secretário, foram consideradas boas ideias pelo prefeito Capitão Azevedo, e se juntaram a mais citada: Ferradas-Nova Ferradas. Lisboa considera importante para a autoestima itabunense que a sede da Ufesba seja construída em Itabuna, descartando a sede regional da Ceplac, que fica em solo ilheense. A discussão passa longe de bairrismo, mas de valorização de uma conquista.

O também professor da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) alerta para a necessidade de pensar a Ufesba para além de uma instituição com cursos técnicos de nível superior. Pelo menos, esta é a impressão anotada a partir das discussões de determinada parte do empresariado.

44 respostas para “PREFEITURA TEM 4 ÁREAS PARA CAMPUS DA UFESBA”

  • Azarão says:

    Legal entre o bairro sta inês e mutuns folga o trânsito da cidade….

  • Estudante says:

    Tenho uma sugestão: Porque não construir num daqueles terrenos em frente a prefeitura no São Caetano… Ainda mais agora que o bairro está um verdadeiro comércio e considerado o segundo centro de Itabuna… Seria bom pensar nisso!!

  • JOAO DA SILVA says:

    NO BANCO RASO OU EM FRENTE AO BATALHÃO

  • Só lembrando que Itabuna vem perdendo empreendimentos por total omissão do prefeito…dois exemplos recentes foram o Makro e Atacadão. A prefeitura não disponibilizou terrenos para os dois GIGANTES do Atacado/INVESTIMENTOS. Aliás, o terreno que a prefeitura quis doar foi a do Aeroporto Getuliano Guedes, LOTADO de processos judiciais!!

    A sociedade brigou, houve mobilização das classes e a realidade de uma Universidade Federal em Itabuna foi conquistada, mas se depender dessa prefeitura OMISSA, IRRESPONSÁVEL, INCAPAZ, corremos sérios riscos de perdê-la!!!

    Segundo, Gustavo Lisboa, a prefeitura tem 4 áreas, vamos aguardar mais um capítulo da incompetente briga entre PREFEITURA x TERRENOS

  • Carlos says:

    Me parece que estão colocando tiko e teko para funcionar.. espero não colocar perto do hospital de base pois aquele viaduto é muito perigoso.. o melhor seria perto do santa inês.. ou mutuns.. Assim teria-mos cursos na área de agrícola.. kkkk

  • Giba II says:

    Muito bem colocado pelo Gustavo, a questão do trânsito tem de ser observada, pensada para 50 anos. Considero a opção as margens da Br-415 na direção de Ibicaraí melhor. No semi anel também seria possivel, apesar de a primeira vista o local assustar um pouco.
    Agora, temos de pensar na comodidade dos alunos que vem de outras cidades. A Universidade no semi-anel demandaria muitas intervenções para tornar o local seguro, acessível, infra-estrutura (rede de esgoto etc.) o deslocamento dos estudantes para lá seria mais complicado. Inclusive surge a necessidade de se pensar em uma nova Estação Rodoviária de Itabuna, maior e com localização estrátegica. A existente hoje está em local inadequando, contribuindo para piorar o trânsito na cidade. Quanto menos grandes veículos náss áreas centrais da cidade melhor. As imediações da Rodoviária hoje está incorporada ao centro da cidade.

  • Giba II says:

    Aliás sou a favor da transformação da atual Rodoviária num grande centro de comércio popular, organizado, com estacionamento, um FEIRAGUAI (mais organizado) como é carinhosamente chamado o de Feira de Santana. Resolveria o problema dos Camelôs, distribuidos de forma desorganizada pela cidade ( A praça Adami está horrível!!!!). Inclusive com uma passarela ( estilo as que existem no Bonocô em Salvador) para o Centro Comercial, dando mais segurança aos pedestres. UMA PASSARELA DESSAS É NECESSÁRIA EM FRENTE AO SHOPPING. Absurdo aquele acionador manual do semáforo com tamanho fluxo de veiculos no local.

  • Marcos says:

    Poderiam aproveitar a construção do centro de convenções proximo ao HBLEM

  • Luiz Conceição says:

    Se o professor Gustavo Lisboa tiver juízo e força política interna suficientes poderá influenciar, decisivamente, o prefeito Azevedo a indicar a área de Ferradas-Nova Ferradas como campus Jorge Amado da Ufesba. As pessoas de bom senso sabem que, com a construção do campus na área Oeste, se abrirá novo vetor de crescimento e expansão urbana de Itabuna

    Vai acontecer o mesmo que seu deu há cerca de 50 anos com a construção a Estação Rodoviário Francisco Ferreira da Silva, inaugurada em 1966,que trouxe consigo a expansão para aquela área antes um vazio urbano. A idéia de implantar o campus onde fica o Hospital de Base é loucura pela topografia daquela área remota, a não ser que surjam comissões, bem entendido?

    Não se pode perder a grandiosa oportunidade de expandir a área urbana para Ferradas, integrando-a definitivamente à sede municipal, e ao mesmo tempo puxando investimentos, como a duplicação da BR-415, implantação de um bairro universitário e de conjuntos habitacionais de alto padrão, já que o natimorto Centro Industrial de Itabuna(Cita), decorridos 40 anos, não passou de boa intenção de que o inferno está cheio, como dizia, no século XVII, o padre Antonio Vieira.

    Lisboa poderia liderar seminário e oficina reunindo arquitetos, urbanistas, engenheiros e outros profissionais para discutir a localização do campus da Ufesba. Chega de gente dando opiniões leigas e desajustadas à realidade só para agradar o gestor de plantão ou o chefe político de ocasião, já que as experiências anterios desse naipe quase nos conduzem ao buraco.

  • antipolitico says:

    Concordo com Azarão entre Mutunus e o Bairro Santa Inez, ajudaria muito o trânsito. aquele lado precisa crescer.

  • Giba II says:

    é isso aí Luiz Conceição!!!

  • CRI-CRI says:

    Penso que a entre o HBLEM e FERRADAS É O LUGAR IDEAL.
    Itabuna precisa crescer para os lados, não para cima. Assim, o trânsito fica mais leve.

  • Emanoel Alves says:

    Estou de acordo com Luiz Conceição, seria uma forma de direcionar o crescimento de Itabuna para o Oeste,sempre levando em conta que de Ferradas para os Limites de municipio com Itapé esta mas de 5 Km podemos crescer sem invadir o território do municipio do visinho, e aproveitava para dar o nome de Jorge Amado a UFESBA.
    Parabéns LUIZ pela boa IDEIA.
    Emanoel Alves

  • Jair says:

    Acredito que a conquista de Itabuna pela sede da UFESBA seja pela sua localização e os atributos que garanta uma centralização perante aos demais municípios da região. Caso a reitoria seja instalada na CEPLAC, a escolha será excelente pelos seguintes aspectos:
    1) o know how dos dirigentes da CEPLAC poderá ser util nessa fase inicial da UFESBA;
    2) a infra-estrutura das IFES novas tem sido um constante desafio, pois os recursos liberados pelo MEC tem sido insuficientes para suprir a necessidade de construções das novas instituições (assim a UFESBA já teria uma infra-estrutura inicial que somada a novos recursos rapidamente sairia consolidado no aspecto de estrutura física);
    3) a estrutura da CEPLAC fica localizada em Itabuna, da mesma forma que a UESC fica em Ilhéus e mais próxima do centro urbano de Itabuna;
    4) o fato da UFESBA ficar localizada relativamente próxima a UESC seria importantíssima para a proposição de cursos de pós-graduação associado (pois até 2016 para a instituição ser universidade deverá contar com no mínimo 2 programas de doutorado e 4 mestrados), além disso muitos dos editais de financiamentos são restritos aos docentes vinculados a programas de pós-graduação;
    5)a estrutura da CEPLAC e seus espaços adjacentes disponíveis para construção possibilita abrigar uma diversidade de cursos;
    6) devemos lutar por cursos estratégicos e diversificados as áreas da ciência, alguns cursos interessantes: turismo; hotelaria, engenharias (agrícola, etc…se possível não concorrentes aos da uesc); licenciaturas (alto déficit no país de professores e necessários para as disciplinas básicas de outros cursos….mesmo concorrente com a uesc); bacharelado em Educação Física (curso inexistente em instituições públicas no estado da Bahia);
    Os cursos devem atender a vocação da região de aproximadamente 2 milhões de habitantes

  • sophos says:

    estudante. esses terrenos são inviaveis justamente pelos motivos que vc falou. é um grande centro comercial e de serviços. o q dificulta aquisição e inviabiliza o transito de grandes quantidades de estudantes para o local sem afogar ainda mais o transito do local. alem disto o terreno citado é excessivamente pequeno, se comparado aos 5 hectares prometidos em ferradas, ou aos sitios baratos nas BRs

  • Papa Jaca says:

    Deveria ser construído no Pau Caido … Na descida da Bananeira…

  • indignada says:

    TODOS ESSES BAIRROS A VIOLENCIA IMPERA.

  • João da Saúde says:

    Felizmente estão despertando para a descentralização da cidade, vejo com bons olhos a necessidade de tirarmos Itabuna da Cinquentenário e esquecer de vez que os terrenos dos “Kauffman” é propriedade privada e será utilizado como espaço para exploração residencial, chega de galpões no centro da cidade, de forum, de justiça do trabalho, de centro administrativo, enfim, precisamos esticar a cidade, precisamos levá-la para fora do centro comercial (cinquentenário e adjacências), e acho que o momento é este, é agora.

    Sugestivamente a sociedade civil organizada deveria entrar em defesa da construção do Campus da Universidade na região de Ferradas/Nova Ferradas, pois em sentido contrário ficaremos mais uma vez ausentes das benesses do empreendimento já que rapidinho será descoberto que o Campus da Universidade também está construido dentro de terras ilheenses.

  • olhos do cego says:

    Tem gente falando em instalar no terreno em frente a prefeitura. Impossível e sem necessidade. O terreno é pequeno e um empreendimento desse tem que se aproveitar para gerar um crescimento no local que for instalado. Sou a favor de construir a universidade no semi-anel ou em ferradas… Assim como construir uma rodoviaria em um desses locais e aproveitar a rodoviaria para fazer um terminal e o “mercado municipal” onde hoje é o forum(mas isso depende dos políticos, acho muito dificil acontecer nos proximos 5 anos).
    E pelo que conheço dos políticos de Itabuna, essa universidade vai ser construída perto do Hospt. de base, pasa valorizar os terrenos de Fernando gomes, infelizmente!!!

  • Sérgio Oliveira says:

    Quanto aos cursos, visando os três campi, pode-se pensar, dentre outras opções (observando os vursos que não estão disponíveis na UESC, por exemplo): Não citei Psicologia, pois terá na UESC em breve, …!!!

    – Agroecologia;

    – Zootecnia;

    – Engenharia Ambiental;

    – Agribusines – Agronegócios (apresenta afinidade com a região de Teixeira de Freitas);

    – Fisioterapia;

    – Oceanografia e/ou Biologia Marinha;

    – Engenharia Florestal (apresenta afinidade com a região de Teixeira de Freitas);

    – Engenharia de Minas;

    – Geologia;

    – Arquitetura (Itabuna e Porto Seguro);

    – Engenharia Mecatrônica;

    – Farmácia;

    – Computação gráfica e/ou web design;

    – Marketing;

    – Cursos na área de artes (Música, artes cênicas, e por aí vai);

    – Odontologia;

    – Medicina (Mesmo já havendo um curso na UESC, ainda há muita procura e muito poucos Médicos nas regiões sul e extremo sul da Bahia, além de demorar muito para formar um Médico e colocá-lo no mercado de trabalho). Esta área deve visar o desenvolvimento regional;

    – Atuária;

    – Estatística;

    – Fonoaudiologia;

    – Nutrição;

    – História (há bastante afinidade com Porto Seguro);

    – Meteorologia;

    – Hotelaria (afinidade com as regiões de Porto Seguro e Prado);

    – Turismo (afinidade com as regiões de Porto Seguro e Prado);

    – Administração hoteleira (afinidade com as regiões de Porto Seguro e Prado);

    – Engenharia de Alimentos e/ou Tecnólogo em Alimentos (Há muito poucos profissionais nessa área, em todas as regiões litoral sul e extremo sul da Bahia, muito promissora em chocolates e derivados, laticínios e fruticultura);

    Alguns cursos podem ser, inclusive, de rápida diração, tais como de tecnólogos em diversas áreas, também seriam muito bem vindos, pois os egressos estarão prontos para o mercado de trabalho, em média, após dois anos de formação. Em algumas áreas, nem sempre é necessário formar bacharéis (4 ou 5 anos), …!!!

    Opções não faltam. Basta discutir o que se quer e o que se espera da nova Universidade, a sua inserção nas regiões litoral sul e extremo sul da Bahia (por ser uma Instituição multi Campi), além de muito mais coisas, é claro, …!!!

  • de longe says:

    Acho que esse povo nem conhece a Uesc, pelo menos, pra falarem os terrenos como o da prefeitura ou do corpo de bombeiros. Quando se pensa em universidade tem que imaginar varios predios, piscina, quadra, campo, laboratorio, refeitorio, estacionamento, alojamento, biblioteca,etc. Estudei na uesc e estudo atualmente em uma univ. federal no interior de sao paulo e até hoje não conheço todo o campos, para se ter idéia tem onibus circular que só roda dentro da universidade (gratuito) e os onibus coletivos tem que entrar na faculdade pq se deixar na porta fica muito longe dos institutos e mesmo assim onde eu estudo tenho que pegar um onibus que vai até a area norte, pq muitos só vão até a area sul…

    Enfim, pensa grande itabunense, nao se contente com pouco, mais uma vez…

  • sophos says:

    sergio esse negocio de nao puder ter cursos duplicados é uma tremenda bobagem. a região tem carencia de salas de aula. tanto faz se de historia, geografia ou de mecatronica. pior é implantar cursos sem demanda regional, neste caso os formandos terão que sair da região para se empregar. Eu sou a favor de implantar ao menos todas as licenciaturas, cursos que tem uma grande demanda de alunos para as particulares. Depois tem as engenharias de preferencia a de profissionais que sirvam a região.

  • Sérgio Oliveira says:

    Caro Sr. Sophos

    Eu concordo – em parte – contigo. Alguns cursos até poderão ter duplicidade, tais como Medicina, alguma Engenharia, alguma licenciatura, pois há demanda, …, mas muitos outros, sequer estão tendo demanda na UESC, sem falar na evasão, que é enorme, …!!!

    Estou falando baseado em dados, em fatos, não em ficção, …!!!

    Eu acho muito luxo pagar Professores para terem apenas um, dois ou três alunos numa sala de aula, como eu vejo em alguns casos. Além disso, no serviço público, depois de concursado, não há mais como demitir, a não ser por justa causa, …!!!

    Por isso mesmo que eu acho que o negócio – a discussão – tem que ser antes, porque depois não há mais jeito de voltar atrás, …!!!

    Então, diferentemente do que V. Sª. relatou, não se trata de uma “tremenda bobagem”, mas de uma tremenda responsabilidade ao gastar, e bem, o dinheiro público. ENTENDE, …?!?!?!

  • wilson says:

    Primeira vez que acho todos os comentários dignos da questão levantada por esse blog. Esse deve ser o nivel e o tipo de discurssão que o itabunense deve ter.

  • Pr. Ernesto Soares says:

    EU SUGIRO O LOCAL ONDE SERIA O CENTRO DE CONVENÇÕES, NA FAZENDA DE FERNANDO GOMES. APROVEITAR-SE-IA O QUE JÁ FORA CONSTRUÍDO ALI. ACESSOS PARA OS QUE VIEREM DE TODOS OS EIXOS NORTE/SUL; LESTE/OESTE. É SÓ MELHORAR OS ACESSOS.

  • Gesil Amarante says:

    Prezados,
    Em minha humilde opinião, caso queiramos ter uma UFESBA forte, três itens que devem estar alto na lista de critérios para a escolha do local (não necessariamente nesta ordem):

    1) as possibilidades de acesso aos serviços básicos (energia, água, etc);
    2) a facilidade de crescimento e implantação de infraestrutura laboratorial e de aulas e
    3) a segurança e a facilidade de acesso dos estudantes

    Questões históricas vêm depois. Questões sociais do entorno a Universidade não vai resolver. Pode ajudar a planejar, pode sugerir, embasar ações, quando estiver consolidada e com pessoal capacitado a agir nestas áreas. Poderá fazê-lo melhor e mais rápido se não tiver tantas dificuldades de crescimento e consolidação.
    As finalidades constitucionais das Universidades são ensino, pesquisa, extensão. E isso não é pouco.

  • Chico says:

    Por que não instalar no prédio onde funciona a FTC? Pois a área pertence ao município…

  • Estudante says:

    Tem que definir o local com bastantes criterios e pensar no futuro de que aquela instituição pode crescer!
    Sou estudante do 3º ano do ensino medio estou me preparando para o vestibular escolhi prestar Arquitetura so que a UESC não tem esse curso vou ter que prestar na UFBA , então tambem seria o caso ja de se pensar nos cursos que vamos oferecer pois muitos cursos podem ajudar no processo de desenvolvimento da região e novos cursos possibilitam que os estudante da região fiquem na sua cidade mas tambem traga estudante de fora!

  • claudio says:

    Acho quee emMutuns é melho, pois ali se situa a Fazenda de Azevedo. Parabens Gustavo, viva ao chefe!

  • sensato says:

    As duas melhores opções ao meu ver são Ferradas e a saída para Itajuípe, não se esquecendo do principal, a área. O tamanho do terreno deverá estar diretamente ligado ao que projetamos para ela, ou seja quanto maior, melhor. Algo que seja menor que a área da UESC já seria inapropriado.

  • sophos says:

    sergio. olha o que falei: “nao puder ter cursos duplicados é uma tremenda bobagem.”. nada a mais, nada a menos! nao falei sobre desperdiçar dinheiro publico, até falei sobre colocar cursos COM DEMANDA . Quanto as licenciaturas, a que fiz geografia e não teve praticamente evasão, tirando dois alunos que viajaram e foram embora a minha turma fechou junto,de qualquer jeito advogo em causa propria então sou suspeito para falar. mas vou falar pelas minhas experiencias, estou em fortaleza, mas aqui por exemplo tem duas universidades e as duas tem geografia por que tem demanda, se houvesse mais uma sala mais alunos teriam. Agora sobre evasão é um problema serio, nisto voce está certo, ocorre nos cursos de matematica, fisica e quimica principalmente – mas acredite ou não ela se concentra principalmente nos BACHARELADOS e não nas licenciaturas, não que não haja nas licenciaturas, se vc for olhar em medicina por exemplo tem até decima, deciuma primeira chamada.
    Mas ainda que houvesse evasão estes cursos são os de maior carencia de professores quimica fisica e matematica e eles são necessários para o pais, então desperdiçando dinheiro ou não salas de aula terão que ser abertas em algum lugar, ou então os alunos dos colegios estaduais dai de itabuna continuarão tendo aulas com estagiarios.
    Sobre evasão eu acrescento, que muitos dos cursos citados terão evasões proximas as de matematica. mecatronica por exemplo, duvido que cada turma forme mais que 40% dos que entraram. estatistica…. huahuahauh ontem mesmo estava no autditorio de estatistica e passei pelo corredor com muitas placas claro, acredite nunca vi isso na uesc: vi duas placas indicando a formatura de um unico aluno, outras tantas com dois, tres, quatro, cinco alunos. nenhuma placa com mais de 15 alunos. isso na universidade federal do ceará! uma cidade com milhoes de habitantes. o negocio se repete em menor grau mas ainda altissimo em muitas engenharias, como eletrica, de motores, alguma coisa relacionada a soldagem. qualquer curso com carga pesada em exatas tem alto nivel de abandonos. mas ninguem aqui cogita fechar nenhum destes cursos, POR QUE ELES SÃO NECESSÁRIOS, E POR QUE ELES TEM DEMANDA! já pensou se todas as universidades do pais pensassem como voce? vamos fechar estatisitca, mecatronica, engenharia de motores, bacharelado e licenciatura em matematica, fisica…. por que é caro manter um professsor e blablabla.pronto ficariamos sem matematicos, engenheiros, estatisticos e teriamos só o povo das artes e das humanas onde a desistencia é menor ou quase nula.

  • eu says:

    Na área da CEPLAC é o ideal…. concordo om o Jair….Aproveitando inclusive o paisagismo, laboratório, etc….

  • Marcos says:

    A BR 101 entre Itabuna e Itajuipe entendo como a melhor opção para a universidade federal, inclusive o fato da cidade ficar as margens da rodovia serviu como argumentação para que a cidade abrigasse a UFESBA e sua reitoria. Com certeza e um local estrategico que muito facilitaria a vida dos estudantes por ja possuir um fluxo de veiculos, por ser corredor de onibus. Itabuna apenas vai abrigar em seu solo este equipamento, todavia sabemos que a universidade pertence a região, portanto não concordo com a interiorização, ou seja, coloca la em Mutuns e Santa Ines. Para homenagear o grande jorge não precisa ser em Ferradas, se o criterio fosse este a sede teria que ser em Ilheus.

  • sophos says:

    sinto que o eu é ilheense… gosto muito da ideia da ceplac, desde que ilheus ceda a area para itabuna para nao ficarmos dependentes da rota transportes…

  • indignada says:

    Gente, vcs estão esquecendo que a CEPLAC fica no município de Ilhéus??? Que eu saiba, a sede da UFESBA foi contemplada ao município de Itabuna…

  • sophos says:

    mas é exatamente isso indignada. ilheus já que acha tao importante usar a ceplac poderia doar as areas a quem realmente deveria ser o dono, itabuna. é colocar lá na ceplac para agradar a rota… sim pq certamente ela nao permitirá que os onibus municipais vão até a ceplac caso a area continue sendo de ilheus.

  • leidikeiti says:

    Que os cursos de Mestrado apresentem professores com boa vontade para orientar, porque muitos professores da UESC dão preferência a pesquisas como: A importância do rio cachoeira para o povo de Itabuna ou ainda: As praças do centro de Itabuna e por aí vai… E a resposta para a relevância disso é que a UESC prima pela elaboração dos critérios! E que critérios, se é que me entendem…

    A nova universidade precisa de um bom curso de formação em educação pela visão integral do homem, já que aqui é um grande centro de Educação. Que seja de fato, não por falar. Mestrado e Doutorado com professores ciosos do valor da educação a partir da Teia da Vida, do Tao da Física, como defende Fritjof Capra e outros que saem da ideologia para a prática. Querer que a Educação do século XXI ande de braços com o século XIX, ou ainda que o sistema daqui seja fundamentado no da Espanha e do judeu pos-guerra é a falência que aí está. Só rindo dos tecnocratas, para não chorar!

  • leidikeiti says:

    Que os cursos de Mestrado e Doutorado apresentem professores com boa vontade para orientar, porque muitos professores da UESC dão preferência a pesquisas como: A importância do rio cachoeira para o povo de Itabuna ou ainda: As praças do centro de Itabuna e por aí vai… E a resposta para a relevância disso é que a UESC prima pela elaboração dos critérios! E que critérios, se é que me entendem…

    A nova universidade precisa de um bom curso de formação em educação pela visão integral do homem, já que aqui é um grande centro de Educação. Que seja de fato, não por falar.

    Mestrado e Doutorado com professores ciosos do valor da educação a partir da Teia da Vida, do Tao da Física, como defende Fritjof Capra e outros que saem da ideologia para a prática. Querer que a Educação do século XXI ande de braços com o século XIX, ou ainda que o sistema daqui seja fundamentado no da Espanha e do judeu pos-guerra é a falência que aí está. Só rindo dos tecnocratas, para não chorar!Itabuna tem que ser excelência em Educação e contemporaneidade.

  • Observador says:

    Sou a favor da reitoria da UFESBA na BR 101 (itajuípe-itabuna) por ser um corredor que desafogará o fluxo dentro de itabuna e que existe grande area para instalar a sede da Universidade Federal. E se pensarmos em termo de futuro, caso seja bem planejado poderá até ser feito uma conexão com a rodovia ilheus itabuna facilitando o fluxo dos estudantes que vierem de ilheus e cidades circo-vizinhas.
    E também não há riscos de ilheus querer tomar o território pois o municipio de itabuna se estende por mais de 10 quilometros em direção a itajuípe.

  • sophos says:

    leidikeiti, ora leidykaty, tudo depende da area. as duas pesquisas citadas são de grande importancia cada um para sua area. quanto a capra, bem se o professor não tem afinidade com o autor ou discorda de sua linha de pensamento não tem quem force ele a trabalhar. esses dois trabalhos que citou são provavelmente fenomelogicos e provavelmente da area de geografia ou turismo. eu não suporto fenomenologia – sou neopositivista – mas não posso balizer os dois trabalhos pelo meu gosto ou pelo seu.

  • Ana Paula says:

    Sugiro a área do São judas, amplos terrenos

  • Correia says:

    A melhor opção de área para instalação do campus da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFESBA) é na sede da CEPLAC na BR415, por dispor de bom espaço para expansão, fácil acesso, instalações prontas disponíveis e se tratar de uma entidade Federal que facilmente pode ser cedida.
    Protelar a sua instalação lá poderá levar a perdas irreparáveis para a nossa região.

  • Genaro says:

    Acredito que na área de duplicação da rodovia Itabuna/Ilhéus, pois os 100 hectares recomendados serão adquiridos por prêço mais em conta, já que a Prefeitura de Itabura prometeu doar.

    Ficaria EM ITABUNA e perto de Ilhéus, além do acesso fácil para qualquer direção~.

  • Antonio Cerqueira Brandão says:

    Tenho acompanhado a criação das novas IFES no país e também tenho a experiência de 25 anos na docência e administração de uma IFES consolidada. Com base nesta experiência que faço o relato e deixo o conselho, discriminado por itens:
    1) recurso a ser liberado será insuficiente para estrutura predial requerida pela IFES (independente dos cursos a ser oferecidos);
    2) em geral, as novas IFES utilizam de estruturas já prontas, a exemplo de escolas;
    3) em geral, a pressa na proposição de cursos e contratação de professores geram falhas gravíssimas para instituição;
    Como superar tais desafios:
    1) deixem a vaidade de lado e proponha a utilização da estrutura da CEPLAC, mesmo que proponha uma construção de um hospital de clínicas dentro da cidade de Itabuna e um grande prédio administrativo na cidade (assim como a proposição de curso, a exemplo de oceanografia, engenharia de pesca na cidade de Ilhéus ou mesmo em Porto Seguro). Esse fator é imprescindível para o sucesso dessa nova IFES, pois ao contrário não terá recursos para construção de um campus e a universidade já nasce em condições de inferioridade, o que irá impactar a imagem de Itabuna;
    2) Tenham um planejamento dos cursos. Tais cursos devem ser apadrinhados por grupos de pesquisadores experientes de outras IFES (com reconhecimento na área) para formulação dos concursos. A UFBA é uma excelente instituição, mas como as demais IFES não possui excelência em todas as áreas. Portanto, para os cursos com reconhecimento, que possuam programas de Pós (mestrado e doutorado), provavelmente são potenciais padrinhos dos cursos da UFESBA. Para os demais cursos, a administração da ufesba deve procurar ifes com reconhecimento nas tais áreas. Para evitar equívocos na estruturação curricular e contratação de professores, a exemplo do que aconteceu na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

Deixe seu comentário

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia