WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate


alba










agosto 2013
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias





itao






JABES DIZ QUE CHANCE DE REAJUSTE SALARIAL “É ZERO” E ENFRENTAMENTO NÃO INCOMODA

Jabes (1)O prefeito Jabes Ribeiro diz que a Prefeitura de Ilhéus precisa cortar R$ 3 milhões da folha de pagamento e a proposta de um pacto com os servidores, o que inclui a não concessão de reajuste salarial, é justamente para evitar a necessidade de demissões. Segundo ele, o município tem duas opções: “deixar tudo como está ou o diálogo”. Os servidores estão em greve geral há quase duas semanas.

Na entrevista ao PIMENTA, Jabes fala em situação falimentar do município, nega que tenha contribuído para o caos financeiro com os precatórios e faz críticas tanto aos servidores quanto ao Reúne Ilhéus.

O prefeito acredita que os sindicatos estejam tentando medir forças com o governo e disse que está disposto a assumir o custo do enfrentamento. “Acho que é um pouco de teste, de enfrentamento de forças. Isso não me incomoda”.

Confira a entrevista concedida durante a inauguração da sede da Bahiagás em Itabuna, dia em que Jabes e secretários enfrentaram protestos e xingamentos no centro da cidade. O prefeito ainda falou porque dispensaria a reeleição: “Eu já fui reeleito uma vez e não gostei nada. Dá para trabalhar em 4 anos”.

BLOG PIMENTA – Os sindicatos cobram proposta de reajuste, mas o governo diz que não tem como atender. Dá para chegar a um acordo?

JABES RIBEIRO – Só existem dois caminhos para Ilhéus. É deixar tudo como está, desrespeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal, não ter dinheiro para nada… A folha chega a comprometer quase 70%, o que tem levado o governo a não poder atender os serviços básicos, essenciais. Eu me recuso. O outro caminho é o diálogo.

PIMENTA – Os sindicatos têm outros números. O comprometimento com a folha significaria 55% das receitas.

JABES – Nós estamos propondo uma empresa especializada para conferir os números. Em 2011, a folha de pessoal já estava em 64%. A informação que temos do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) é de que em 2012 ultrapassa 70%. Janeiro a maio deste ano, está na faixa dos 78,6%. Vamos contratar uma empresa técnica, vamos conferir [os percentuais]. Mas até agora é só me dá aumento, me dá aumento.

PIMENTA – E o sr. vai conceder?

JABES – Eu estou impossibilitado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, além de não ter recurso financeiro. O diálogo está aberto. O Pacto por Ilhéus tem resposta positiva da sociedade organizada. Ministério Público presente, OAB, todos… Eu só não consegui pacto com os servidores.

PIMENTA – As negociações vêm de algum tempo e a resistência do servidor seria justamente por entender que há como sair este aumento.

JABES – Não, não. Pelo amor de Deus. Eles sabem que não há.

______________

GREVE DOS SERVIDORES Acho que é um pouco de teste, de enfrentamento de forças. Isso não me incomoda.

______________

 

PIMENTA – E por que sabendo disso, como o senhor diz, o funcionalismo continua em greve?

JABES – Acho que é um pouco de teste, de enfrentamento de forças. Isso não me incomoda. Eu quero é o diálogo. Se for deixar como está, é caos. Ou então, vamos fazer um freio de arrumação. Isso tem um custo.

PIMENTA – O governo está disposto a assumir esse custo?

JABES – Não tenha dúvida. Meu compromisso não passa por popularidade momentânea, mas reorganizar a cidade. Nisso aí, nós temos o apoio da sociedade organizada.

PIMENTA – E como é mensurado esse apoio, a partir do pacto, pesquisa?

JABES – Eu tenho sido transparente. Essa é a única forma.

PIMENTA – O que levou a esse caos na gestão?

JABES – A arrecadação em Ilhéus caiu muito ao longo dos últimos anos. Nós éramos o terceiro ICMS da Bahia. Hoje, somos o 16º. As despesas só fazem crescer.

______________

DÍVIDAS COM PRECATÓRIOS – Grande parte dos precatórios é do governo Antônio Olímpio. Então, não adianta mais. Já se transformaram em sentenças judiciais. Fazer o quê?

______________

 

PIMENTA – Na origem do caos financeiro de Ilhéus estão os precatórios. O senhor é acusado de deixar mais de R$ 60 milhões em precatórios.

JABES – Não, não. Grande parte dos precatórios é do governo Antônio Olímpio. Então, não adianta mais. Já se transformaram em sentenças judiciais. Fazer o quê? Fazer o que fizemos. É parcelar e pagar. Não tem jeito. É sentença transitado em julgado. Tem ainda um terceiro ponto: o governo anterior foi muito complacente com essa coisa de reajuste salarial.

PIMENTA – Complacência em negociação salarial?

JABES – O sindicato chegava, peitava. O prefeito não queria enfrentamento e dava o que se pedia. Se você observar, os aumentos salariais superaram em muito a inflação do período. Se você me perguntar se é justo, claro. O problema é que o empregador está falido.

PIMENTA – O senhor fala de um pacto com a sociedade e servidores. Mas de que forma esse pacto que o senhor propõe poderia ajudar?

JABES – Aí é que está. Nós temos que cortar quase R$ 3 milhões da folha. É preciso sentar e definir como.

______________

DEMISSÃO DE SERVIDORES – O único caminho que a lei me dá é exatamente a demissão de servidores. O pacto é para evitar isso e preservar o emprego.

______________

 

PIMENTA – Numa entrevista, o senhor falou em demissões, até 700 demissões.

JABES – Não, não. Colocando a verdade, o único caminho que a lei me dá é exatamente a demissão de servidores. O pacto é para evitar isso e preservar o emprego, os direitos individuais e, sobretudo, ter um processo de discussão. Até porque, você não terá um pacto eterno.

PIMENTA – Do ponto de vista jurídico, o comprometimento da folha continuará o mesmo. O senhor fala da possibilidade de ser um ficha-suja, ter contas rejeitadas pelos tribunais. Mas no que esse pacto ajuda a reduzir esse nível de comprometimento?

JABES – À medida que você senta [para conversar], começa a ter cenários. Mas se só diz eu quero aumento, eu quero aumento

PIMENTA – Da parte do servidor, o que pode ser proposto?

JABES – A partir do momento que ele sentar, pode propor tudo.

PIMENTA – E do lado do governo, o que propor? Vai mexer na receita?

JABES – Nós estamos trabalhando. É melhoria do cadastro do IPTU… Eu agora estou preparando projeto tributário que é muito inspirado em Salvador. O professor tributarista Edvaldo Brito está vindo nos ajudar nessa discussão. Mas tudo isso só terá efeito no próximo ano. É o princípio da anterioridade. Só que eu tenho que fechar as contas neste ano. Estou aproveitando a Era Franciscana: é diálogo, paciência, humildade, compreensão. Só não me peçam para deixar como está e não cumprir a lei. Isso me afetaria e afetaria o gerenciamento da cidade.

______________

EXONERAÇÃO DE LEDÍVIA – Se amanhã qualquer secretário não preencher os requisitos mínimos, é outra discussão. Não dá para ter queimação agora.

______________

PIMENTA – No plano da gestão e da política, muito se fala em substituição na saúde. A secretária Ledívia Espinheira será exonerada?

JABES – O governo não pensa isso. O governo avalia cada secretário a cada dia. Os problemas que ela está passando são os problemas do governo. Portanto, não dá para ter atitude desonesta, responsabilizar fulano. Se amanhã qualquer secretário não preencher os requisitos mínimos, é outra discussão. Não dá para ter queimação agora. Eu estou absorvendo responsabilidade completa do Pacto. Enfim, ou há pacto ou caos.

Para ler a íntegra da entrevista, clique no “leia mais”, abaixo.

PIMENTA – Para a sociedade, como se desenha esse pacto? É só o apoio?
JABES – Primeiro, a sociedade conhece esse pacto e conhece as leis que precisam ser cumpridas. A partir daí, senta com os diversos protagonistas para discutir as saídas. Nós não estamos conseguindo. As pessoas só falam quero aumento, quero aumento… Eu já disse que é aumento zero.

PIMENTA – Sendo uma cidade turística, que cenário o senhor projeta para o verão de Ilhéus com esse enfrentamento?

JABES – Tudo passa por essa reorganização das contas públicas. No mais, tudo funciona. A ponte já está começando, estou recebendo o Hospital Regional ali no Banco da Vitória. O terreno já está organizado e só falta o governador assinar. Não quero ser o dono da verdade, mas eu preciso organizar as contas de Ilhéus.

PIMENTA – Por que essa divergência de números entre governo e servidores?

JABES – Toda a análise que você faz é a partir do entendimento do Tribunal de Contas dos Municípios. Se você não solicitar, por exemplo, as despesas de mão de obra com o lixo são incluídas em 100% na folha, a dos prestadores de serviço em saúde também, o que me parece um absurdo, não?

PIMENTA – Mas esse é um entendimento novo?

JABES – Sim, mas de quem é a culpa? Eu recebo este problema e preciso analisar.

______________

REÚNE ILHÉUS – Eu conheço esses movimentos. Há uma turma idealista, mas tem gente de partidos políticos, gente com outros interesses.

______________

PIMENTA – E as negociações com o Reúne Ilhéus, o senhor ainda se sente constrangido em ir ao Palácio?

JABES – Eu estou trabalhando, mas não estou podendo trabalhar na sede do governo.

PIMENTA – Mas a ocupação é em frente ao palácio, não no gabinete…

JABES – Mas vamos devagar, né? Eu me lembro de Mário Covas. Você lembra o que aconteceu com ele? Eu conheço esses movimentos. Há uma turma idealista, mas tem gente de partidos políticos, gente com outros interesses.

PIMENTA – Sim, mas no caso de Covas houve agressão física.

JABES – Se eu puder evitar constrangimento, evitarei sempre. Tudo que eles pediram foi atendido. Então, você acha justo isso?

PIMENTA – Mas esse constrangimento não viria das ausências em Ilhéus e do fato de o senhor residir em Salvador?

JABES – Isso é mentira. De boato, eu não falo. Quem me conhece, sabe que eu morei em Salvador no período como secretário-geral do PP. Todo mundo sabe disso. Isso é parte de um movimento mentiroso, boateiro e que não funciona. As pessoas me veem em Ilhéus e sabem disso. Voltando ao que é importante, os documentos foram entregues. Tudo.

PIMENTA – Mas o senhor apresentou só os de 2013. Eles pediram de 2012, também.

JABES – Não, não. A cada dia, eles pedem mais alguma coisa. Não há problema nenhum.

PIMENTA – E os de 2012?

JABES – Se for colocado, eu vou pedir às empresas. É documento da empresa. Eu que fiz a proposta de se fazer uma auditoria na planilha. Fui eu, não foram eles. Fiz o ofício às empresas dando dez dias [para entrega das planilhas]. Salvador deu 15, já passou para 30 dias. As empresas me entregaram aquilo que foi solicitado. Como era documento público, coloquei no site [da prefeitura]. E agora é o que mais? Ah, a passagem vai passar para R$ 2,00. É assim, né? Não fui eu quem deu aumento. Esse aumento foi o PT de Ilhéus quem deu no ano passado. Mas se existem dúvidas, Faz auditoria. Eu tenho entendimento de que se tudo está sendo informado, por que esse constrangimento na porta da prefeitura? Inicialmente foi dentro [do Palácio]. Agora barraca na porta. Ninguém consegue trabalhar. É violão, é som… Ilhéus já não está gostando disso. Tudo tem limite.

PIMENTA – Mas ainda há espaço para o diálogo?

JABES – Sim, e disse isso a eles. Propus, inclusive, que se eles quiserem ficar, ocupem a praça ao lado da prefeitura. Tem muita gente correta, mas tem quem queira aproveitar-se da situação. Nada mais do que isso: se a passagem for R$ 2,30, R$ 2,20, R$ 2,10, eu vou tomar providência. Se for maior, tomarei providência também. Vou chamar as empresas e dizer que qualquer reajuste estará ligado a uma melhoria do sistema. Tanto que eu recebi a proposta em maio e não dei o reajuste, e antes de qualquer movimento nacional.

______________

CONSTRANGIMENTO? – O que falta é sensibilidade deles (servidores e Reúne Ilhéus) para saber que esse nível de constrangimento não é bom porque não dá para querer apenas que direitos sejam respeitados

______________

PIMENTA – Mas o movimento nacional começou em maio em Goiânia, São Paulo…

JABES – Não, não. Quando recebi, não tinha nada disso. O movimento começou em junho, na Copa [das Confederações]. Tanto que a proposta do pacto foi antes da Dilma fazer o pacto. Então, é paciência de Jó. Diálogo aberto. Todas as comissões, eu tenho pedido ao Ministério Público para acompanhar. Quem tem medo, não faz isso. O que falta é sensibilidade deles (servidores e Reúne Ilhéus) para saber que esse nível de constrangimento não é bom porque não dá para querer apenas que direitos sejam respeitados sem reconhecer os direitos do outro. Isso não é democracia. Eu tenho tentado dizer isso, sem aborrecimento, chateação. Hoje pela manhã (a entrevista foi feita no dia 26), eu fui ao Hospital São José, para entregar a UTI. Aí algumas lideranças sindicais conduziram manifestantes para a porta do hospital. É uma situação de intimidação. Será que isso é democracia. A greve é um direito, você respeita, mas a intimidação, a agressão moral, chutar carros. Isso não ajuda.

PIMENTA – Chutaram?

JABES – O meu não, mas os carros de secretários, sim. Será que é isso que a sociedade quer? Hoje fazem isso comigo, amanhã pode ser com outras instituições.

PIMENTA – O senhor chegou a falar que Ilhéus estava ingovernável. E não vai disputar reeleição. Não vai mesmo?

JABES – Eu acho que reeleição é um problema. E coloquei isso antes, na campanha. Eu já fui reeleito uma vez e não gostei nada. Sou contra reeleição. Nossa cultura não permite ainda uma reeleição. Então, um mandato mais longo, é outra discussão.

PIMENTA – Dá para trabalhar em quatro anos?

JABES – Dá. É ter bom senso, diálogo. Por exemplo, agora chamei a oposição para discutir na Câmara. Tem problema nenhum. Vamos apagar quaisquer divergências. Não tem eleição nesse ano. Só em 2014, 2016. Vamos trabalhar e mais nada. Vamos trabalhar que Ilhéus vai avançar.

14 respostas para “JABES DIZ QUE CHANCE DE REAJUSTE SALARIAL “É ZERO” E ENFRENTAMENTO NÃO INCOMODA”

  • incredulo says:

    Infelizmente só 30% dos moradores de Ilhéus são responsáveis por recolocar esse prefeito no cargo, eu estou com minhas mãos limpas e consciência tranquila. A cidade dos desmandos! Para aumentar os salários dos cargos de com fiança tem dinheiro!

  • oscara says:

    OLHA ILHÉENSES NOSSO MOVIMENTO NÃO TEM NADA HAVER COM MOVIMENTO POLITICO APENAS QUEREMOS UMA ILHÉUS MELHOR. E PARA ISSO NO DIA 7 DE SETEMBRO LANÇAREMOS O MOVIMENTO FORA JABES “LEMBRANDO DE COLLOR DE MELO” ASSIM NOS ENCONTRAREMOS NA PRAÇA DA PREFEITURA ONDE CAMINHAREMOS POR TODO O CENTRO DE ILHÉUS.

    MOVIMENTO FORA JABES

  • oscara says:

    OLHA ILHÉENSES NOSSO MOVIMENTO NÃO TEM NADA HAVER COM MOVIMENTO POLITICO APENAS QUEREMOS UMA ILHÉUS MELHOR. E PARA ISSO NO DIA 7 DE SETEMBRO LANÇAREMOS O MOVIMENTO FORA JABES “LEMBRANDO DE COLLOR DE MELO” ASSIM NOS ENCONTRAREMOS NA PRAÇA DA PREFEITURA ONDE CAMINHAREMOS POR TODO O CENTRO DE ILHÉUS.

  • PALHAÇO says:

    “DÍVIDAS COM PRECATÓRIOS – Grande parte dos precatórios é do governo Antônio Olímpio.” kkkkkkkkkkkkkkkkkk… CONTE OUTRA JABAZEIRO!!! TODOS SABEM QUE, QUEM DEIXOU ILHÉUS NUM CAOS FOI VC!!!

  • O GRITO says:

    O caminho é demitir quem não é concursado, é a lei, na realidade na prefeitura de Ilhéus tem muito parasita, que não fez concurso e vai quando quer e quando vai não quer trabalhar.

  • Leo Filho says:

    Mentiras, mentiras e mais mentiras.
    Hospital, ponte … tudo invenção para acalentar bovinos!
    Acabe com os cargos em comissão que as contas vão começar a fechar!
    Nem a minoria que te elegeu acredita mais em você, Jabes Ribeiro.

  • D. JOANA says:

    VAMOS TODOS SIM!!!! ESTAR JUNTOS NESSE MOMENTO HISTÓRICO NA NOSSA CIDADE!
    7 DE SETEMBRO!!! ESTAREI LÁ!!! NA ESPERANÇA DE EXPULSAR ESTE FALSO PREFEITO DE FALSAS PROMESSAS E DE NADA REALIZADO!!!!
    ASSIM COMO CONSEGUIMOS TIRAR COLLOR,TIRAREMOS JABES RIBEIRO!
    E QUE VENHA O PRÓXIMO,CHEIO DE BOAS INTENÇÕES E DE SANGUE NA VEIA PARA COLOCAR A NOSSA CIDADE AO AVANÇO E DESENVOLVIMENTO,COM MUITA PAZ E TRANSPARÊNCIA!

    7 DE SETEMBRO! ILHÉUS PRECISA ESTÁ NAS RUAS! FORA JABES!!! JÁ DEU!!! TIRAR ENQUANTO É TEMPO!!!

  • antonio Cláudio says:

    Talvez a saída seja mesmo a demissão. E aí veremos quem vai chorar mais. Gente, está claro que quem gosta re Ilhéus só tem um caminho: ajudar o prefeito a tirar o município do buraco. Depois se pensa na política partidária. Vamos pensar em ILHÉUS!

  • rita santos says:

    Ele deve estar com amnésia, deve ter esquecido mesmo que foi ele que deixou a cidade no CAOS. Vai mentir para os presos jabes !A Rede Globo estar perdendo voce. Voce deveria estar no Zorra Total!!!!!!

  • ilhéus says:

    Esse língua afiada e ficha suja, era para estar preso a muito tempo…

  • Robert says:

    Prefeito de Ilhéus fala muito bem,mais trabalha muito mal,quer dizer trabalha?,ele fala em responsábilidade fiscal e a folha de pagamento da prefeitura transbordando em caros comissionados e de “confiança”,PELO AMOR A ILHÉUS, SR.JABES RIBEIRO PEDE PRA SAIR!!

  • Robert says:

    Prefeito de Ilhéus fala muito bem,mais trabalha muito mal,quer dizer trabalha?,ele fala em responsábilidade fiscal e a folha de pagamento da prefeitura transbordando em cargos comissionados e de “confiança”,PELO AMOR A ILHÉUS, SR.JABES RIBEIRO PEDE PRA SAIR!!

  • Costa says:

    A cidade de Ilhéus estava um caos. Concordo com o prefeito quando diz que o aumento é justo, mas é preciso que reveja as contas da prefeitura. Percebe-se muito envolvimento do movimento Reune” com o pessoal do sindicato e muitos são ligados ao partido da oposição que se candidatou e perdeu as eleições. É sensato que os servidores tenham mais paciência.Vamos dar um prazo até janeiro de 2014. Lembrem-se que o Wagner ganhou no cansaço e creio que o Jabes vai seguir a cartilha.
    Aqui em Itabuna não há planos de salários para os servidores e principalmente para a educação e não há esse bafafá todo. Os sindicatos daqui são “mais compreensíveis” com o gestor público.

  • SILVA says:

    Costa
    Você ganha um salário de um professor ilheense?

Deixe seu comentário








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia