A tuberculose é uma das principais causas de morte no mundo|| Foto Graciela Souza

A tuberculose, que foi a principal causa de morte na Europa e Estados Unidos até o início do século XX, ainda hoje é um grave problema de saúde pública, tanto no Brasil como em países industrializados. Ela é a principal causa de morte por doença infectocontagiosa em adultos, em todo o mundo. Neste domingo, 24 de março, é assinalado o Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

Embora 43 milhões de vidas tenham sido salvas no mundo, por meio de diagnóstico e tratamento efetivo entre 2006 e 2015, a tuberculose está entre as doenças infecciosas que mais mata no Brasil. A Bahia ocupa o 3º lugar com maior carga da doença no país.

Na Bahia, a média é de 4.500 casos diagnosticados anualmente. Destes, apenas 61,8% são curados e o abandono de tratamento chega a 6,1%. Em 2018, foram registrados 4.750 novos casos da doença, desses, 295 foram a óbito. No mesmo ano, Salvador registrou 1.565 casos e 75 óbitos.

Este ano, até o dia 26 de fevereiro, na Bahia, 479 pessoas contraíram a tuberculose. Dessas, 21 foram a óbito. Em Salvador, esse número de casos chegou a 175, com sete (7) óbitos.

Lançado em 1982, pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela União Internacional Contra Tuberculose e Doenças Pulmonares, o Dia Mundial da Tuberculose teve essa data escolhida em homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose, ocorrido em 24 de março de 1882, pelo médico Robert Koch.

DOENÇA

A tuberculose é uma doença grave, causada pelo bacilo de Koch, transmitida por meio das gotas da secreção respiratória, que se propagam pelo ar. A doença pode atingir todos os órgãos, em especial os pulmões. Além de tosse por um período prolongado (três a quatro semanas), outros sintomas associados à tuberculose são: febre, suor noturno, falta de apetite, emagrecimento, cansaço fácil, dor no peito e escarro, que pode ser acompanhado de sangue.

A tuberculose é uma doença de transmissão aérea e ocorre a partir da inalação de aerossóis oriundos das vias aéreas, durante a fala, espirro ou tosse das pessoas com tuberculose ativa (pulmonar ou laríngea), que lançam no ar partículas em forma de aerossóis que contêm bacilos.

O tratamento da tuberculose dura no mínimo seis meses, é gratuito, disponibilizado no Sistema Único de Saúde (SUS), e deve ser realizado, preferencialmente em regime de Tratamento Diretamente Observado (TDO).Com o início do tratamento, a transmissão tende a diminuir gradativamente e, em geral, após 15 dias de tratamento, ela encontra-se muito reduzida.