skip to Main Content
30 de setembro de 2020 | 03:48 pm

Quem disse aos nossos governantes que estudar leva alguém a algum lugar?

Tempo de leitura: 3 minutos

Hélio-Denni-150x150Hélio Denni Filho | helio.denni@yahoo.com.br

Aceitar e aprovar uma redação do ENEM com uma receita de preparo de um macarrão instantâneo, com vários erros de português, é dizer para todos os estudantes que viram essa publicação que tanto faz eles estudarem ou não, eles vão passar da mesma forma.

Em tempos remotos, estudar e se qualificar era enobrecedor. Houve um tempo em que saber datilografar era um grande diferencial. O profissional que detinha esse conhecimento tinha que ser ágil, preciso, saber escrever e se comunicar por meio da escrita. Os ofícios, comunicados internos, documentos e cartas (sim, cartas, naquela época não havia e-mail) tinham que ser datilografados sem erros de português, com coerência, clareza e formalidade.
Ser graduado ou possuir uma pós-graduação, mestrado ou doutorado elevavam essa pessoa a um alto grau na sociedade, não como um ser supremo, mas como um ser detentor de conhecimentos, capaz de difundi-lo para os que tinham interesse em ser grandes pessoas, tanto no campo profissional como no aspecto social. Essas pessoas, assim como os PROFESSORES eram formadores de opinião, detinham respeito e conhecimento suficientes para mudar uma sociedade, transformá-la em melhor, em mais competitiva, em menos preconceituosa.
Infelizmente, esses tempos acabaram. Os professores e intelectuais não são mais os escolhidos pela sociedade para serem formadores de opinião, muito menos os escolhidos para conduzi-los. Essa classe profissional perdeu espaço para celebridades. Os jogadores de futebol, os dançarinos de pagode (principalmente aqueles que têm apelo sexual), os artistas, os participantes de BBBs e os compositores de musicas ricas em “tchu tchu tchu tcha tcha tcha” viraram a elite intelectual do nosso país. É triste ver como os nossos governantes conduzem a nossa nação para o mais pobre nível intelectual possível.
Aceitar e aprovar uma redação do ENEM com uma receita de preparo de um macarrão instantâneo, com vários erros de português, concordância entre outros, é simplesmente rebaixar ao mais baixo nível (desculpem a redundância) o trabalho do professor e o futuro do nosso país. É dizer para todos os estudantes que viram essa publicação que tanto faz eles estudarem ou não, eles vão passar da mesma forma. É dizer para o professor, indiretamente, que o papel dele como educador não mais tem necessidade. Que ele não precisa se qualificar, que ele não precisa se atualizar, que ele simplesmente não precisa estudar mais. Basta somente que ele finja que ensina, porque o aluno já finge que estuda.

Isso é vergonhoso. Em pouco tempo, as escolas particulares perderão a vez (os donos dessas instituições deveriam ficar preocupados com essa questão). Se formos analisar, dentro de pouco tempo os alunos de escolas particulares quase não terão chances de chegar a uma instituição de ensino superior. Se ele for branco e tiver estudado durante toda a vida em escola particular ele tem menos chances do que os alunos negros, índios, de outras classes minoritárias que tenham estudado em escola pública. Seguindo a lógica, se ele estudar em uma escola pública já está com o ingresso garantido no 3º grau.
Se já está garantido, pra que estudar? E pra que estudar, se nossos lideres não estudaram? Pra que estudar, se as pessoas que têm respaldo na sociedade (formadores de opinião) são aqueles que não estudaram? Por fim, pra que estudar se no nosso país não precisamos de estudiosos? Como professor, fico indignado com a postura passiva da sociedade em aceitar esse fato. Vivo esse dilema toda vez que entro em sala de aula e vejo que grande parte dos alunos não está ali para aprender e sim para passar. É triste.
Vejo que nossos governantes (escolhidos pela maioria de nós) querem a qualquer custo mostrar um resultado que não existe. Criar sistemas de cotas e métodos mais fáceis de ingressar no ensino superior não significa melhoria no sistema de educação, muito menos diminui a distância entre os alunos de escolas particulares e de escola públicas.
O que é preciso é um maior rigor e maior qualidade no ensino fundamental, é disciplina e bons exemplos a serem seguidos e demonstrados. É a punição certa, comedida, na hora certa. É reprovação quando não se atinge os objetivos pré-estabelecidos em sala de aula. É a melhor capacitação e valorização do professor. Sem isso, continuaremos tendo redações medíocres, com erros absurdos e profissionais incapazes de interpretar um texto ou ainda de elaborá-lo com coerência, e o que é pior, esse alunos, um dia poderão virar políticos e conduzir o nosso país.
Que pena que uma frase que sempre ouvi dos meus pais está perdendo o sentido. Já diziam os mais antigos, “SE QUISER TER LIBERDADE E SER ALGUEM NA VIDA ESTUDE”.
Hélio Denni Filho é administrador e professor universitário.

Esta publicação possui 25 comentários
  1. Meu caro Professor
    Corretíssimas as suas observações. Estamos vivendo nos tempos da mediocridade e da incompetência. Somos vítimas de uma horda de bossais que se instalaram no poder, tão somente, para se locupletar. Nada fazem para melhorar a vida do povo, mas sim, distribuem espelhos e adornos para obter votos e se manter no poder, ou melhor, nas tetas do Estado.
    Para isso é fundamental manter a ignorância dos eleitores.
    Os que se apresentavam como reformadores se associaram com o que havia de pior em nossa sociedade para, juntos, roubar o trabalho e os sonhos dos que estudaram e trabalham para engrandecer o nosso tão sofrido Brasil.
    Somente a nossa revolta e a repulsa dos que ainda acreditam no mérito e no trabalho é que podem nos trazer alguma esperança.
    O descontentamento é o primeiro passo para a melhora das pessoas e das nações, como sabiamente disse Oscar Wilde.

  2. O texto é provocativo à reflexão sobre o papel da educação. Concordo que cada vez mais o poder público se preocupa com os números de aprovação do que com a qualidade do ensino (tanto de quem ensina, quando de quem aprende).
    O mundo tem mudado velozmente em tantos aspectos e a educação precisa correr atrás de uma renovação. A sociedade não é mais a mesma, assim como seus valores morais, sua cultura e por aí vai. Querer aplicar moldes antigos no contexto atual é impossível. Penso que hoje, com tanto conhecimento solto por aí ao alcance de um clique, títulos acadêmicos não fazem tanta diferença, mas a maneira de como é aplicado o que se aprende.
    Muita gente está apavorada, pensando no apocalipse que pode ser causado com a facilitação do acesso a estudantes de escolas públicas ao nível superior. O que está sendo feito, enquanto não se reformula a Educação Básica, é tentar garantir uma disputa mais justa com quem teve a sorte de estudar em escolas particulares.
    E, muitos líderes atuais e do passado, que alisaram bancos universitários e colecionam títulos e diplomas, estão longe de cumprir o papel de representantes dos interesses do povo e prostituem-se com o dinheiro público. Podem até ter tido aulas sobre ética. Mas caráter, isso não se aprende.

  3. Às vezes, em algumas situações, sinto falta do Regime Militar. Sou democrata. Contudo, na década de 60, estudei no Colégio Estadual de Itabuna, na condição de pobre e, tembém, negro. Divergências à parte, mas foi naquele ambiente (ditatorial) que conheci e aprendi a gostar de textos, vozes e melodias de pessoas como: Fernando Pessoa, Cecília Meireles, Veríssimo, Chico Burque, Geraldo Vandré, Elis Regina, Caetano, Gil, etc. E, sobretudo, tinha consciência da importancia do conhecimento para o crescimento humano e valorização da pátria – com toda a sua simbologia.Aprendi muito sobre tudo que me faz , hoje, uma pessoa útil à sociedade em geral.

  4. Concordo plenamente com a ideia demonstrada.Como um estudante que fez o ENEM ano passado fiquei muito aborrecido por ter tentado tanto fazer a melhor redação possível não cometer nenhum erro e mesmo assim não conseguir nem chegar aos 700. Quando chega essa semana ver redações com nota 1000 com muito mais erros que a minha redação,o que demonstra como é vergonhoso ter um exame desse sendo que a educação publica brasileira não esta preparada para realizar um exame desse no mesmo nível que uma escola particular.Enquanto as cotas é só mais uma prova da vergonha que esta nosso país onde pagamos por educação de qualidade, ou seja teoricamente escola particular não era para existir, pois ninguém iria querer pagar o que tem de graça.Outro ponto das cotas é que há alunos esforçados que querem entra numa boa universidade e na profissão desejada mas por conta da educação brasileira ainda não ser tao eficiente quanto a particular as cotas estão ai para dar a ajuda que a escola não deu, sendo que essa cota deveria ser para estudantes que comprovarem que não tinham condições de paga uma escola particular pois sei de muitos casos onde alunos saem de escolas particulares por medo da reprovação, o que é algo dificil ou por não querer estudar ou seja tem pessoas usando cotas sendo que não se encaixam no perfil.Quanto para etnia eu sou contra se o índio,o afrodescendente,branco ,pardo tiverem uma boa educação(o ideal que fosse publica afinal pagamos impostos para isso) eles tem plena capacidade de passar afinal de contas etnia nao define intelecto.

  5. Confesso que ver um professor universitário declarar que “um jovem branco, que estudou em escola particular, em breve não terá oportunidade de entrar em uma instituição de ensino superior” é de assustar!
    Aqueles que acreditam que as cotas são um câncer na universidade, poupem os argumentos, ao menos, antes de ler os seguintes dados retirados de uma matéria do Estado de São Paulo de 2005! Outros estudos apontam que, ano a ano, tal desempenho tem melhorado ainda mais:
    “No conjunto de 57 cursos da UFBA, os cotistas tiveram médias iguais ou superiores às dos não cotistas em 32; e nos outros 25 tiveram notas inferiores.
    O reitor chamou a atenção para o bom desempenho dos cotistas nos 18 cursos mais disputados no vestibular. Em 11 deles, os egressos de escolas públicas tiveram rendimento igual ou melhor que o dos alunos de escolas particulares.
    “Em Jornalismo, 100% dos cotistas obtiveram coeficiente de rendimento entre 5,1 e 10 nos dois semestres de 2005, ante 88,9% dos não cotistas”, disse. “Em Medicina, o curso mais concorrido, a variação foi de 93,3% para os cotistas, ante 84,6% dos não cotistas.”

  6. ESPERO SINCERAMENTE QUE A CÚPULA FINANCEIRA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DA BAHIA, JUNTAMENTE COM O GOVERNADOR JW LEIAM ESSE ARTIGO, E PAGUEM OS PROFESSORES PST, QUE ESTÃO SEM RECEBER DESDE ANO PASSADO!!!! UM ABSURDO. INCLUSIVE ENTREI EM CONTATO COM VÁRIOS BLOG’S PARA QUE DENUNCIEM ESSA SITUAÇÃO LAMENTÁVEL. O PESSOAL DA DIREC 7 JÁ NÃO TEM MAIS CARA PARA DAR DESCULPAS SOBRE O ATRASO DESSES PAGAMENTOS!! OUTRO ALERTA GOVERNADOR, O MP JÁ PROIBIU A CONTRATAÇÃO DE PST, O MAIS CORRETO É CHAMAR OS CONCURSADOS P ASSUMIREM OS CARGOS, PORÉM COMO O TRABALHO É TEMPORÁRIO, E É INEVITÁVEL TAIS CONTRATAÇÕES, ISSO NÃO JUSTIFICA O ATRASO SALARIAL. ESTRANHO ESSES ATRASOS, UMA VEZ QUE O GOVERNO PROPAGA A VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR. SE TEM DINHEIRO EM CAIXA, E NÃO ESTÃO PAGANDO OS PROFESSORES DESDE ANO PASSADO, SÓ TEM UMA EXPLICAÇÃO: DESVIO DE VERBAS!!!!! A SOCIEDADE QUER SABER O PORQUÊ DESSE ATRASO. EDUCAÇÃO AQUI NA BAHIA, SÓ MESMO NOS COMERCIAIS DO ”AGORA TEM TEM TEM”. VALORIZAÇÃO DO PROFESSOR, PURA UTOPIA!!! COMO ERAM BONS ‘AQUELES’ TEMPOS DO PT HEIM (IRONIA)… AGUARDAMOS UMA SOLUÇÃO PARA ESSE PROBLEMA, QUE É O NOSSO DINHEIRO DISPONÍVEL NA CONTA!!! BOA TARDE!

  7. Muito boa reflexão. Hoje estamos observando a politica da quantidade. Cursos são autorizados em faculdades sem a minima condição, mas, o deputado tal pediu vamos instalar e aí, médicos que não tem nenhuma condição de atuarem e quem vai pagar esta conta….Alunos que não podem repetir de ano o importante e que saia nas estatisticas que todos estão na escola.

  8. MEU CARO PROFESSOR:
    CONCORDO COM VOCÊ EM TESE,MAS, EU SEI QUE ESSAS REDAÇÕES FORAM CORRIGIDAS POR MESTRES E DOUTORES,E PRECISO CERTIFICASSE DOS CONTEÚDOS DAS DISSERTAÇÕES,SE HOUVE COERÊNCIA? É UM BOM TEXTO? É UMA BOA PROPOSTA?HOUVE BASE CIENTIFICA?HAVENDO ESSAS CITAÇÕES ACIMA É UMA BOA REDAÇÃO,OS ERROS GRAMATICAIS SE FORAM POUCOS E NÃO GRITANTES,ESSE ALUNO NÃO PODE SER PROIBIDO DE SEGUIR A SUA VIDA ACADÊMICA,E TENHO CERTAZA QUE ELE VAI CORRIGIR ESSE ERRO NO DECORRER DAR SUA FORMAÇÃO.

  9. MEU CARO PROFESSOR:
    CONCORDO COM VOCÊ EM TESE,MAS, EU SEI QUE ESSAS REDAÇÕES FORAM CORRIGIDAS POR MESTRES E DOUTORES,E PRECISO CERTIFICASSE DOS CONTEÚDOS DAS DISSERTAÇÕES,SE HOUVE COERÊNCIA? É UM BOM TEXTO? É UMA BOA PROPOSTA?HOUVE BASE CIENTIFICA?HAVENDO ESSAS CITAÇÕES ACIMA É UMA BOA REDAÇÃO,OS ERROS GRAMATICAIS SE FORAM POUCOS E NÃO GRITANTES,ESSE ALUNO NÃO PODE SER PROIBIDO DE SEGUIR A SUA VIDA ACADÊMICA,E TENHO CERTEZA QUE ELE VAI CORRIGIR ESSES ERROS NO DECORRER DAR SUA FORMAÇÃO.

  10. Prezado Professor,
    Me chamou a atenção a sua preocupação com os donos das escolas particulares e com os alunos brancos.
    Em primeiro lugar, o número de alunos que estudam em escolas particulares é muito menor do que o número de alunos das escolas públicas. Em contrapartida o número de vagas nas Universidades públicas destinadas a ampla concorrência é sempre maior do que o número de vagas reservadas para as cotas. A sua afirmativa que o aluno da escola pública tem acesso garantido a universidade é no mínimo equivocada, visto que a grande maioria não consegue.
    Em segundo lugar, você que é professor universitário deve estar familiarizado com a pesquisa, familiarizado com o método das ciências que pedem sempre fundamentação, ou o mínimo de informação para que sobre elas seja emitido um juízo de valor. Acredito que faltou no seu texto, a fundamentação de sua opinião.
    E acredito que faltou complementação de sua qualificação, tipo em qual universidade você leciona, quais periódicos você publica seus artigos, essas coisas que fazem os professores universitários.
    Eu quero deixar um apelo: Leiam com atenção, analisem bem o texto. Algumas verdades existem, em relação a educação básica por exemplo que precisa melhorar, a qualidade dos professores, etc., mas aprendamos a separar o que é verdade e o que é mera opinião.

  11. O maior objetivo do governo que aí está é meramente abarrotar universidades públicas e privadas Brasil afora. A estratégia é meramente numérica, sem nenhuma demonstração de firmar-se pela qualidade. A desconfiança de que essas redações não seriam corrigidas com seriedade sempre existiu. Observe-se que os avaliadores limitaram-se a “enquadrar” preguiçosamente o texto nas cinco especificidades ditadas pelo organizador do certame. Nenhum deles teve que refletir, de fato, sobre o que estavam avaliando. As próprias regras já vieram eivadas de sofismas e eufemismos, justamente para relaxar e perdoar erros que, em outras situações seriam gravíssimas. A Língua Pátria constitui-se, talvez, na identidade maior de qualquer povo. Aqui, não bastassem as agressões oficiosas que ela sofre diariamente, agora tem-se que o próprio Governo patrocina essa chacota, esse embuste, essa injúria. O próprio autor da redação que divulgou a receita de miojo declarou que deveria ter a prova zerada, até porque a introduziu no texto para comprovar que as redações não seriam corrigidas a contento. Da próxima vez, quem sabe, tenhamos uma receita de como escolher melhor nossos governantes, alguns que fujam da batida fórmula do “panis et circenses”.

  12. Vou citar um exemplo.A moça que faz a faxina em minha casa uma vez por semana,terminou o terceiro ano de segundo grau em um colégio no teotonio vilela. Ela não sabe anotar um recado direito,ou ler um paragrafo de um texto(já fiz esse teste com ela) e falar sobre o que leu,acreditem,mal sabe fazer uma conta.Perguntei porque ela não pedia para repetir o curso,já que não entendia quase nada.Ela foi e a resposta foi um não,porque já tinha passado de ano.Quer dizer passam de qualquer maneira.

  13. Estou vendo também é muito professor preguiçoso.Péssimos!A começar pelo primário…quantos professores preguiçosos e incompetentes!Rede Municipal então…

  14. Apenas para conhecimento dos indignados com a correção do ENEM, abaixo os percentuais das notas atribuídas:
    até 300 pontos = 7,4%
    até 399 pontos = 15,6%
    até 499 pontos = 25,4%
    até 599 pontos = 24,6%
    até 699 pontos = 15,4%
    até 799 pontos = 7,4%
    até 899 pontos = 3,1%
    acima de 900 pontos = 1,1% ou aproximadamente 50.000 redações.
    As redações com gracejos não passam de 300 e avaliando as divulgadas e festejadas pela “grande imprensa”, não obtiveram notas expressivas.
    Na minha casa tenho uma nota 1000 no ENEM, e diga-se de passagem, merecida nota 1000. Ela se dedicou muito para o ENEM 2012 e foi recompensada, e é prova de que vale a pena estudar sim!!!
    Temos que melhorar muito a educação em nosso país, mais textos como esse, não ajudam, distorcem a realidade.

  15. Aos interessados ver matéria no portal IG, sobre correções em Universidades como: USP, Unicamp, UnB e UFRGS.
    iG São Paulo e Brasília | 20/03/2013 17:07:50
    Erros de redações do Enem poderiam não descontar nota em outros vestibulares
    Responsáveis por vestibulares dizem que miojo e Palmeiras teriam impacto negativo em notas, mas uso do “trousse” e “rasoavel” também poderia ser desculpado
    As contestações sobre a correção de redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), surgidas após a divulgação de textos com erros ortográficos como “trousse” e “rasoavel” avaliados com nota 1.000, poderiam se repetir em outros vestibulares se os espelhos de provas fossem divulgados. O iG consultou quatro universidades – USP, Unicamp, UnB e UFRGS –, que explicaram seus critérios de avaliação e, à exceção da UnB, admitiram que poucos erros gramaticais podem passar sem punição. A fuga do tema, como ocorreu nos textos do Enem que apresentavam uma receita de miojo e o hino do Palmeiras , poderia zerar a nota, mas também é um critério subjetivo.
    http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/enem/2013-03-20/erros-de-redacoes-do-enem-poderiam-nao-descontar-nota-em-outros-vestibulares.html

  16. Educação é vida!
    Educação no Brasil,há 12 anos retrocedeu! A maior autoridade que a sociedade Brasileira investira com o título do maior cargo deste país. Este infeliz, analfabeto,preguiçoso só fez se vangloriar que nunca estudou e comanda o Brasil,não obstante,o mesmo incentivara que não precisa estudar para vencer na vida,o mesmo é um exemplo: “sou presidente do Brasil e sou chefe dos doutores e todos puxão o meu saco”. lembro-me que o Sr.Adolfo Hitler,disse ” que nunca estudou e nunca fez Academia Militar e comandara toda Europa”. O mesmo estava referindo aos oficias generais que por incompetência estava perdendo a guerra.
    O Sr. Cristovam Buarque,fora candidato a presidente deste país,
    penso que era o melhor nome,a nossa sociedade escolhera um outro.
    Outrossim,educação é único caminho que uma sociedade alcança a cidadania,liberdade,autonomia,progresso e vida!

  17. A verdade é que não temos uma cultura de estudo, de amor pelos livros. Sou professora, e vejo cotidianamente as atrocidades que são cometidas na leitura e na escrita em sala de aula, e fora dela também, por q o que esses jovens cometem de absurdos escrevendo em redes sociais é de desanimar!
    No Brasil quem se destaca, quem fica rico, quem vira celebridade é justamente pessoas que não estudaram, e nem falam em estudar. São essas as referências que as crianças e jovens cultuam.
    A sociedade não compreende que a educação é responsabilidade De todos, mas insistem em culpar o professor como fez esse EU AMO ITABUNA no comentário acima.

  18. Como professora universitária faço das palavras do professor a minha. Polêmicas a parte, concordo com o sentido geral do texto, aquele que se indigna com a qualidade do aluno que está acessando o ensino superior. E posso dizer com conhecimento de causa, seja aluno de universidade pública, seja aluno de universidade particular, seja de escola pública ou privada, o problema se repete em qualquer das classes sociais. Alunos que não sabem português, que não conseguem descrever um texto lógico, organizar as idéias, interpretar textos. Está muito pior a situação da educação no Brasil. Melhorou a quantidade de acesso sim, mas aumentou e muito a formação de profissionais analfabetos funcionais, a qualidade da educação… está feia a coisa.

  19. Concordo plenamente com o professor Hélio…aonde nós iremos parar. Refletindo sua frase “e o que é pior, esse alunos, um dia poderão virar políticos e conduzir o nosso país.” Isso já está acontecendo e observando, como exemplo, Ilhéus Ba e outros municípios da região, onde demonstra exatamente a decadência do serviço público. Abarrotam as Secretarias de pessoas não devidas àquele cargo, ou seja, pessoa errada no lugar errado. É correto preencher essas unidades com pessoas capacitadas, que saibam pensar e escrever um bom projeto, trazendo recursos para uma gestão eficiente, mas do jeito que a nossa educação caminha, isso vai tornando-se cada vez mais raro.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top