skip to Main Content
25 de maio de 2020 | 01:21 am

OS CASTIGOS EM NOME DA CIÊNCIA OU ESFERAS DIVINAS

OS CASTIGOS EM NOME DA CIÊNCIA OU ESFERAS DIVINAS
Tempo de leitura: 4 minutos

Pelas notícias chegadas de Ipiaú, o vírus agiu com flagrante desrespeito ao Santo Padroeiro da cidade, São Roque, o Roque de Montpellier, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. Em Itabuna, terra que goza do prestígio de São José, pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, ele também não deu a mínima e espalhou o terror nos quatro cantos da cidade.

Walmir Rosário*

Não se brinca com assunto sério! Esse ditado tem perpassado gerações e é dito geralmente quando não se admite qualquer controvérsia em relação a um tema que envolva determinado fato, que cause dor ou constrangimento. Fora disso, vem como advertência a uma determinada crítica feita por alguém do povo a ato ou fato praticado por alguém ou autoridade de escalões superiores.

O que critica, embora embasado na consagrada Carta Cidadã, como queria Ulisses Guimarães, poderá enfrentar sérios problemas de ordem legal junto ao poder judiciário, atrelado aos dissabores financeiros e outros contratempos. Ao entendimento juntam-se as famosas proibições do politicamente incorreto, hoje “legalizado” pelos ditos progressistas e o incauto cidadão estará metido em camisa de onze varas.

Se nesta terra de Santa Cruz existisse pena de morte, um desavisado qualquer estaria em maus lençóis ao propor, por exemplo, um suco de mastruz misturado com leite de vaca – tirado na hora –, para extirpar o mal dos peitos, botando para fora todo o catarro. Mas como por aqui pena de morte só é aplicada por meio da pobreza, cujo cumprimento se dá pela falta de ingestão dos alimentos, me atrevo a recomendar: Mastruz com leite (não a banda musical) para os males do Covid-19.

E posso comprovar cientificamente os benefícios medicamentosos do mastruz, do alto dos meus 70 anos, certificando, a quem interessar possa, todos os milagres desta santa plantinha, fartamente encontrada no campo e na cidade. Lembro de um vizinho que sofre daquela doença ruim que o povo tinha até medo de falar – a tuberculose – e que se curou com a ajuda providencial do mastruz com leite.

Num domingo desse vi uma reportagem na televisão que uma cidade mineira está estimulando a plantação desses remédios caseiros nos quintais das unidades de saúde, com a ajuda dos próprios pacientes, moradores das redondezas. Ao que parece está tudo indo às mil maravilhas. Só não posso dar um atestado científico de sua eficácia contra o maldito vírus de agora por falta de outra reportagem.

Mas voltando a um passado mais ou menos recente, me salta aos olhos as tristes visões dos amigos e vizinhos acometidos de doenças “brabas” como sarampo, catapora, papeira e até varíola, a pior de todas. Todas elas curadas com plantas cultivadas nas casas vizinhas e que eram tiro e queda: um bom banho de sabugueiro para fechar as feridas, um chá de pitanga para acalmar a febre e uns caroços de milho em baixo da cama.

Além de não custar um centavo, bastava apenas ser amigo dos cultivadores dessas plantas e um muito obrigado. Já a papeira, ou caxumba, requeria outros cuidados significativos, principalmente nos homens. Caso fossem bem cuidados e os pacientes não fizessem nenhuma estripulia durante a recuperação, estava sarado para o resto da vida; do contrário, a inflamação desceria para os testículos e o dito cujo ficaria estéril.

Um corte mais ou menos profundo merecia um tratamento de certa forma mais simples, como uma pequena porção de pó de café para estancar o sangue; caso o estrago fosse maior, o pó de café estancaria o sangue até chegar ao hospital. Uma picada de cascavel lá pelas caatingas bastaria uma incisão de canivete junto à marca dos dentes da danada e um pouco de querosene, o cabra estava novinho em folha. Melhor ainda se fosse em local que desse para sugar o sangue e cuspi-lo fora.

Não sei como explicar, mas as doenças daquela época pareciam menos perigosas, bastando um remédio caseiro e um meio dia de descanso, já as de hoje se sofisticaram e ficaram metidas a besta. Qual o filho de Deus que imaginaria algum dia ver, com os olhos que a terra há de comer, as manias dessas doenças de hoje, que não precisam ficar vagando a esmo por aí e têm até horário e local de acometer o coitado.

Pelo que fui informado, o vírus tem hábitos noturnos em algumas cidades e se recusam a dar o ar da graça em supermercados (deve ser com receio dos preços altos), agências lotéricas, bancos e farmácias. Também não gosta de andar (fuxicando) em casa alheia e tampouco se apavora com leis e decretos de autoridades. Quanto mais o povo se esconde, o danado do Covid-19 fica amuado e não respeita qualquer isolamento.

Pelas notícias chegadas de Ipiaú, o vírus agiu com flagrante desrespeito ao Santo Padroeiro da cidade, São Roque, o Roque de Montpellier, protetor contra a peste e padroeiro dos inválidos e cirurgiões. Em Itabuna, terra que goza do prestígio de São José, pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, ele também não deu a mínima e espalhou o terror nos quatro cantos da cidade.

Dentre todas as possibilidades que engendrei, tirando fora o mastruz com leite, a hidroxicloroquina, a ivermectina e a azitromicina, vistas até então como coisa sem importância pela ciência, só resta ao povo apelar para outras esferas divinas. Como disse nosso colega baiano, radialista e compositor da música Súplica Cearense: “Oh! Deus, se eu não rezei direito o Senhor me perdoe, / Eu acho que a culpa foi / Desse pobre que nem sabe fazer oração / Meu Deus, perdoe eu encher os meus olhos de água / E ter-lhe pedido cheiinho de mágoa…”

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Este post tem um comentário
  1. Parabenizo o nobre colunista Walmir Rosário por mais este belo texto. As suas colocações me fizeram lembrar da minha infância toda vida em Conquista. Quando chegava o outono minha mãe pegava mastruz, tirava o sumo, adicionava leite e fazia um delicioso doce, que segundo ela, ajudaria a fortalecer os pulmões e o sistema imunológico para encarar os meses de inverno com temperaturas baixíssimas. Eu adorava comer o doce, ao contrário dos meus irmãos que não gostavam por causa da cor esverdeada. Também ela fazia remédio para combater vermes usando o mastruz e as sementes e o leite de mamão . Minha mãe era uma verdadeira alquimista, por isso, todos os oito filhos cresceram sem necessidade de irem ao médico, pois, éramos imunes a todos os tipos de moléstia. Me lembro também que muitas vezes ela cozinhava o feijão numa panela de barro, e com diversos pregos bem grandes. Segundo ela, o feijão ficaria enriquecido com o ferro e muito mais saboroso. Como eu era muito feio, ela me fazia comer nervos bovinos escondido atrás da porta. Eu acho que não funcionou ou então hoje eu seria a pessoa mais feia do mundo.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top