skip to Main Content
11 de maio de 2021 | 07:31 am

“CAPACETES” EVITAM INTUBAÇÃO E SALVAM VIDAS EM UTI DE HOSPITAL DE ITABUNA

“CAPACETES” EVITAM INTUBAÇÃO E SALVAM VIDAS EM UTI DE HOSPITAL DE ITABUNA
Tempo de leitura: 2 minutos

O paciente Tomé, que já deixou a UTI, e o médico Eric Júnior

O empresário Tomé Rosa dos Santos, de 53 anos, chegou ao Hospital Calixto Midlej Filho queixando-se de falta de ar. Caminhando. Não esperava que o seu quadro fosse se agravar. Diagnosticado com o novo coronavírus, ele foi internado em um leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital.

Para evitar a intubação durante o tratamento, os médicos da unidade decidiram que Tomé Rosa seria mais um usuário do ventilador não invasivo em formato de capacete, denominado de helmet, que vem sendo fundamental na recuperação de vários pacientes no HCMF e em outros diversos hospitais pelo país.

O coordenador da UTI Covid-19, o médico intensivista Eric Júnior, explica que a Ventilação Mecânica não Invasiva (VMNI) torna-se uma importante opção para o tratamento da insuficiência respiratória aguda em pacientes da unidade. O capacete é composto do capuz, que cobre toda a cabeça do paciente, feito de material transparente e macio.

Usados pelos pacientes com quadro grave da Covid-19, têm a função de fazer uma ventilação contínua não invasiva. “Normalmente, esse processo é feito por período, com sessões entre uma hora e uma hora e meia. Esse equipamento permite fazer uma ventilação invasiva prolongada por dois a três dias”, explica o médico.

O empresário Tomé deixa a UTI a tempo de ver o seu time, novamente, campeão brasileiro

O objetivo com a utilização do aparelho é evitar a intubação do paciente. “A intubação no paciente com Covid-19 aumenta muito a taxa de mortalidade. Por isso, o desafio é evitar ao máximo esse procedimento. Com o uso do capacete, o objetivo também é proporcionar uma alta precoce do paciente. Esse foi o caso do paciente Tomé Rosa. Mas outros pacientes da nossa unidade estão também fazendo o uso do equipamento”, conta.

DRAMA DA FAMÍLIA

A esposa de Tomé Rosa, Bárbara Freitas conta que foram os 24 dias mais difíceis na vida da família e que o marido chegou aparentemente bem ao hospital. “Ele chegou aqui andando. Levei um susto enorme ao saber que teria de deixá-lo aqui, internado, mesmo sabendo que ele seria bem cuidado”.

Bárbara Freitas relata que a situação ficou ainda mais tensa nos dias seguintes, com agravamento do quadro de saúde do marido. “A partir do 16º ou 17º dia, quando passou a utilizar o capacete especial, que o quadro começou a evoluir para melhoras”, recorda-se.

Na noite de quinta-feira (24) Tomé Rosa deixou a UTI Covid-19 do Hospital Calixto Midlej Filho e foi recebido com festa pela família. Ele concluirá o tratamento em casa e será acompanhado pelo Departamento de Vigilância Epidemiológica de Itabuna.

Esta publicação possui 3 comentários
  1. Incrível que a notícia , trás somente o médico como responsável, pela recuperação do paciente. Infelizmente, poucos sabem que quem instala e acompanha a ventilação não invasiva nos pacientes é o fisioterapeuta.
    Mas enfim, o importante é que o paciente se recuperou bem.

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top